Britânico Frank Shipway rege a Osesp com solos do violoncelista alemão Christian Poltéra

por Redação CONCERTO 30/05/2012

Nesta semana o maestro britânico Frank Shipway volta à Sala São Paulo para quatro apresentações com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo - Osesp, desta vez tendo como solista o violoncelista alemão Christian Poltéra. As apresentações acontecem na quinta e sexta às 21h, no sábado às 16h30 e a Osesp e Shipway realizam ainda um ensaio aberto na quinta, dia 31 de maio, às 10h, com ingressos limitados, a R$ 10,00.

 

No programa, o Concerto para Violoncelo de Paul Hindemith e a Sinfonia nº 2 em Mi bemol maior, Op.63 de Elgar.

Frank Shipway foi assistente pessoal de Lorin Maazel na Ópera de Berlim, em 1973, além de principal regente convidado da Sinfônica da Rádio da Dinamarca (1985-88) e da Filarmônica Real de Flanders, na Bélgica (1989-91). Em 1991, formou a nova Sinfônica Nacional da RAI, na Itália, e permaneceu como seu regente titular por quatro anos. De 1996 a 1999, foi diretor artístico e regente titular da Filarmônica BRT de Bruxelas, antes de assumir, em 1999, o mesmo cargo na Filarmônica de Zagreb (Croácia). Dirigiu orquestras como a Philharmonia, a Royal Philharmonic, a Nacional da Bélgica, as filarmônicas de Londres, Estocolmo, Moscou e Helsinque, do Teatro alla Scala e a Royal Danish Radio.

Shipway é professor no Conservatório Real de Música de Bruxelas e participa de júris de concursos internacionais, como o Nikolai Malko e o Arturo Toscanini.

O violoncelista Christian Poltéra, nascido em Zurique, foi aluno de Nancy Chumachenco e Boris Pergamenschikov antes de estudar com Heinrich Schiff, em Salzburgo e Viena. Aos 17 anos, substituiu Yo-Yo Ma interpretando o Concerto para Violoncelo de Elgar com a Orquestra Tonhalle de Zurique, sob a direção de David Zinman.

Como solista, atuou com importantes orquestras, incluindo a Filarmônica de Munique, a Gewandhaus, de Leipzig, a Orquestra NDR, de Hamburgo, as sinfônicas de Viena e Bamberg, a Filarmônica Real de Liverpool, a Orquestra de Santa Cecília, em Roma, a Orquestra de Paris, a Orquestra Nacional de Lyon, a Orquestra Filarmônica da BBC, a Orquestra Escocesa da BBC, a Camerata de Salzburgo e a Orquestra de Câmara da Europa. Poltéra também dedica--se intensamente à música de câmara, apresentando-se ao lado de músicos como Gidon Kremer, Christian Tetzlaff, Leonidas Kavakos, Martin Fröst, Kathryn Stott, Lars Vogt, e Leif Ove Andsnes, bem como com os quartetos Auryn, Belcea e Zehetmair. Em 2004, recebeu o prêmio Borletti-Buitoni e foi selecionado como Artista da Nova Geração da BBC.