Daniel Barenboim rege Filarmônica de Berlim no Digital Concert Hall

por Redação CONCERTO 13/01/2012

Neste sábado, dia 14, às 17 horas (horário de Brasília), internautas brasileiros podem acompanhar – ao vivo e em tempo real – a apresentação da Filarmônica de Berlim na Sala Philharmonie (em Berlim), pelo computador no Digital Concert Hall (DCH). Acessando o DCH pelo Site CONCERTO você ganha 10% de desconto nos ingressos (clique aqui para saber mais). [Com a edição de dezembro, assinantes da Revista CONCERTO ganharam um voucher para acesso de 48 horas gratuitas no Digital Concert Hall. Se você é assinantes e ainda não utilizou o seu voucher, clique aqui para entrar no DCH e validar o seu. Se você não é assinante e quer assinar para ganhar 48 horas de acesso gratuito no DCH, clique aqui.]

 

O programa deste sábado traz a Filarmônica de Berlim sob regência do maestro Daniel Barenboim, com a participação dos solistas Anna Larsson (mezzo soprano), Ian Storey (tenor) e Kwangchoul Youn (baixo) e do Rundfunkchor Berlin (preparação de Simon Halsey), apresentando O sonho de Gerontius, oratório op. 38, de Edward Elgar. No intervalo, Simon Halsey fará uma introdução à obra.

Leia a seguir o texto informativo divulgado pelo Digital Concert Hall:

Como estava escrito certa vez em uma nota de programa da BBC, o oratório de Edward Elgar O sonho de Gerontius é, na Grã-Bretanha, um “monumento nacional”. Enquanto que em sua pátria a obra goza praticamente do mesmo prestígio de o Messias de Händel ou o Elias de Mendelssohn, no exterior cada nova apresentação representa um redescoberta. E é para uma redescoberta que a Filarmônica de Berlim e o maestro Daniel Barenboim convidam para este concerto.

No intuito de trazer O sonho de Gerontius para mais próximo do público, muitas vezes são feitas comparações, que, no entanto, apenas tocam parcialmente o cerne da obra. Alguns lembram de Morte e transfiguração, de Richard Strauss. E, de fato, também em Elgar trata-se de um moribundo, que finalmente alcança a espiritualidade celestial. Mas, diferentemente que em Strauss, aqui não se trata de batalhas e ações heroicas, mas sim de visões espirituais na passagem para o além.

Muitas vezes também são traçados paralelos com a música de Wagner, pela qual Elgar tinha veneração. De inspiração wagneriana, sem dúvida, é a estrutura de composição contínua, na qual não há subdivisões em árias e coros. E há também momentos que lembram o Parsifal. No geral, contudo, O sonho de Gerontius é uma composição absolutamente autônoma, de linguagem individual e fé persuasiva. Aliás, um dos primeiros europeus do continente a reconhecer o valor do oratório foi Richard Strauss, que, após uma apresentação, elogiou Elgar como “o primeiro dos músicos progressistas da Inglaterra”.

Serviço:
Sábado, 14/01/2012, 17 horas (horário de Brasília)
Berliner Philharmoniker
Daniel Barenboim, regente
Anna Larsson, mezzo soprano
Ian Storey, tenor
Kwangchoul Youn, baixo
Rundfunkchor Berlin
Simon Halsey, preparação
Edward Elgar: The Dream of Gerontius, Oratorium op. 38
No intervalo: introdução de Simon Halsey

Clique aqui para entrar na página do Digital Concert Hall do Site CONCERTO.