Festival Amazonas de Ópera começa sua 17º edição

por Redação CONCERTO 15/04/2013

Teve início no último domingo em Manaus a 17ª edição do Festival Amazonas de Ópera, com direção geral de Robério Braga e direção artística do maestro Luiz Fernando Malheiro. O festival se estende até o dia 26 de maio e ao todo serão apresentadas cinco óperas, das quais três serão encenadas, sempre no Teatro Amazonas.

 

O primeiro título é a ópera em concerto Rei Roger, de Karol Szymanowski, que tem mais duas récitas nos dias 18 e 20 e abril, com o Coral Infantil do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro, o Coral Amazonas e a Amazonas Filarmônica, regidos por Luiz Fernando Malheiro. A ópera de Szymanowski, notado como um dos principais nomes da música polonesa, narra a história do rei Roger II, da Sicília, que tem um encontro esclarecedor com um pastor pagão. O elenco traz o barítono polonês Marcin Bronikowski no papel título, a soprano russa Olga Trifonova como Roxana, os tenores Juremir Vireira e José Luis Sola como Edrisi e o pastor, respectivamente. Pepes do Valle e Denise de Freitas completam o grupo.

Giuseppe Verdi não poderia ficar de fora da programação, especialmente no ano de seu bicentenário. Do compositor italiano o festival apresenta Um baile de máscaras, também em forma concertante. A ópera narra o desenrolar trágico do triângulo amoroso formado por Riccardo, governador de Boston, Amélia, mulher por quem ele é apaixonado, e Renato, secretário do governador. A peça é baseada no assassinato real do rei Gustavo III da Suécia, morto em um baile de máscaras, vítima de uma conspiração política. Malheiro é novamente quem comanda o espetáculo, que desta vez será apresentado pelo Coral do Amazonas e pela Orquestra Experimental da Amazonas Filarmônica. O elenco rotativo traz os tenores Paulo Mandarino e Enrique Bravo como Riccardo; o barítono Leonardo Páscoa como Renato; e as sopranos Daniella Carvalho e Isabelle Sabrié como Amélia; além de Andreia Souza, Kelly Cristina Fernandes, Michele Menezes, Katia Freitas, Joubert Coelho, Murilo Neves, Oscar Velazquez e Carlos Alberto Corrêa. A montagem, em semiencenação, é apresentada nos dias 16, 21 e 29 de abril, além de 1º de maio.

A primeira ópera encenada a ser apresentada nesta edição do FAO é a Aventuras da raposa astuta, do tcheco Leos Janácek. Apesar de muitas vezes considerada uma ópera cômica, a peça trata de temas sérios, como morte e recomeço, dando ao enredo um caráter trágico, porém otimista, que se encerra expondo o ciclo de renovação da natureza. Como de costume na obra de Janácek, a partitura traz traços e ritmos da música folclórica da Morávia (parte oriental da República Tcheca). Quem rege a Amazonas Filarmônica é o maestro Marcelo de Jesus, diretor artístico adjunto do FAO. O espetáculo tem a participação do Corpo de Dança do Amazonas, direção cênica de William Pereira, cenários e figurinos de Rosa Magalhães, iluminação de Luiz Fernando e coreografia de Monique Andrade. No grande elenco, destaque para o barítono Homero Velho (caçador), a soprano Maíra Lautert (raposa), a mezzo Denise de Freitas (raposo) e a soprano Isabelle Sabrié (mulher do caçador).

Nos dias 19 e 24, o Teatro da Instalação recebe recitais com canções de, respectivamente, Benjamin Britten e Giuseppe Verdi, com solistas do festival e acompanhamento ao piano. No dia 27, o Teatro Bradesco tem a primeira vesperal lírica de La traviata, de Verdi, com solistas vocais e o madrigal da Casa de Música Ivete Ibiapina.

Em maio, o Festival Amazonas de Ópera encenará Parsifal, de Richard Wagner (com direção de Malheiro e Sergio Vela), e O Morcego, de Johann Strauss II, que será apresentada no encerramento, dia 26 de maio, ao ar livre no Largo de São Sebastião.

[Veja a programação completa do 17º Festival Amazonas de Ópera]