Festival Amazonas de Ópera tem início com “Yerma”, de Villa-Lobos

por Redação CONCERTO 23/04/2010

 

 

Começa em Manaus o XIV Festival Amazonas de Ópera, maior evento brasileiro do gênero. O Festival é referência no país e a cada edição realiza montagens inéditas de grandes títulos operísticos – como a integral do Anel do Nibelungo – além de estreias de obras brasileiras contemporâneas e de importância histórica. O Festival Amazonas de Ópera é promovido pelo Governo do Amazonas por meio da Secretaria de Cultura, e tem direção geral de Robério Braga. O maestro Luiz Fernando Malheiro é o diretor artístico e Marcelo de Jesus, diretor adjunto.

Até o dia 30 de maio, o XIV FAO promoverá cinco montagens de óperas, palestras e diversos concertos e recitais.

Yerma, ópera em três atos de Villa-Lobos é a primeira das cinco montagens previstas no evento. Baseada em peça teatral de García Lorca, a obra de Villa-Lobos narra a história trágica de Yerma, mulher obcecada pela ideia da maternidade e cujo marido, Juan, recusa-se a ter filhos, embora a ame. A essa relação somam-se Victor, paixão da protagonista, e as moradoras do vilarejo, guardiãs de um moralismo opressivo.

Escrita entre 1955 e 1958, sua estreia deu-se apenas em 1971, na Santa Fé Opera. A primeira montagem brasileira aconteceu apenas 12 anos mais tarde, no Teatro Municipal do Rio, sob a direção de Mario Tavares. Com direção musical e regência de Marcelo de Jesus, essa montagem de Yerma será levada ao palco do Teatro Amazonas dias 23, 25 e 30 de abril. Encabeçando o extenso elenco estão Amparo Navarro, Marcello Puente, Isabelle Sabrié e Homero Velho. Amazonas Filarmônica, Companhia de Dança do Amazonas e Coral do Amazonas também participam das récitas.

Com récita única, a ópera em um ato Guerras de alecrim e mangerona será apresentada sábado, dia 24, com a Orquestra Barroca do Amazonas e direção musical e regência de Márcio Pascoa. Trata-se de uma jocosa crítica social de Antônio José da Silva, mais conhecido como “O judeu”, com música de Antônio Teixeira (1707-1769), um dos compositores de maior importância da primeira metade do século XVIII em Portugal.

Ainda em abril estreiam outros dois títulos. A cinderela, de Rossini, será mostrada em versão “pocket” nos dias 28 de abril, 6 e 20 de maio, com direção musical e regência de Marcelo de Jesus e participação da Orquestra de Câmara do Amazonas.

Já uma montagem completa de Romeu e Julieta de Gounod tem lugar no Teatro Amazonas dias 29 de abril, 2 e 4 de maio. A célebre ópera do compositor francês terá Cesar Gutierrez, Carmen Monarcha, Rosendo Flores, Douglas Hahn, Homero Velho e Manuela Freua entre os solistas. O maestro Malheiro assina a direção musical e regência, enquanto a direção cênica, cenários e figurinos são de William Pereira. Também estão no espetáculo a Orquestra Experimental da Amazonas Filarmônica, o Coral do Amazonas e a Companhia de Dança do Amazonas.

As produções líricas do FAO se encerram com mais uma importante montagem operística: Lo schiavo, drama em quatro atos de Carlos Gomes, será apresentado dias 21, 23 e 24 de maio, com a Amazonas Filarmônica e direção musical e regência de Luiz Fernando Malheiro.

 

 

 

Outras atrações
Entre as outras atrações do XIV Festival Amazonas de Ópera estão concertos com repertório erudito e popular que a Orquestra de Violões do Amazonas realiza em abril e maio; palestras de Luiz Fernando Malheiro, Carmen Monarcha e William Pereira, abordando aspectos diversos do mundo da ópera; recitais dedicados a Chopin, Schumann e Mahler, ao universo dos musicais, ao registro de contratenor e ao repertório amazonense, entre outros.

O mês de maio ainda reserva importantes eventos do festival como a execução da Missa de Santa Cecília, uma das mais importantes obras do padre José Maurício Nunes Garcia e o balé-ópera Floresta do amazonas, de Villa-Lobos, com a participação de Edna D’Oliveira e regência de Miguel Campos Neto.

[Veja a programação completa do XIV Festival Amazonas de Ópera.]