Morre em São Paulo o compositor Osvaldo Lacerda

por Redação CONCERTO 18/07/2011

Menos de oito meses após a morte de José Antônio de Almeida Prado, o Brasil perde outro de seus mais importantes compositores. Nesta manhã de 18 de julho faleceu Osvaldo Lacerda, último grande representante do Nacionalismo musical brasileiro, movimento do no início do século XX que teve como representantes músicos ilustres como Villa-Lobos, Nepomuceno, Mignone e também Camargo Guarnieri, que foi professor de Lacerda.

 

Osvaldo Costa Lacerda nasceu em São Paulo em 23 de março de 1927. Estudou piano com Ana Veloso de Rezende, Maria dos Anjos Oliveira Rocha e José Kliass. Teve aulas de harmonia com Ernesto Kierski e de canto a russa Olga Urbany de Ivanow. Seu professor de composição e tutor foi Camargo Guarnieri, que o ajudou a formar uma base sólida tanto da técnica composicional quanto no extenso conhecimento das características da música brasileira. Em 1963, com o apoio de Guarnieri, Osvaldo Lacerda passou um ano nos Estados Unidos, como bolsista da Fundação Guggenheim, e prosseguiu os estudos de composição com Vittorio Giannini e Aaron Copland.

Entre 1966 e 1970, Lacerda atuou como consultor na Comissão Nacional de Música Sacra, e uma de suas atividades foi a proposição do uso da música sacra brasileira na liturgia da Igreja Católica. Dentre suas obras, destacam-se as mais de 100 canções, sobre textos de importantes poetas brasileiros, que representam um valioso documento da música brasileira e uma referência a cantores e apreciadores da canção de câmara em todo o mundo.

Além da atuação de destaque como compositor, Osvaldo Lacerda dedicou-se ao ensino e difusão da música. Fundou e dirigiu a Mobilização Musical de Juventude Brasileira, a Sociedade Paulista de Arte da Sociedade Pró-Música Brasileira de São Paulo, e o Centro de Música Brasileira em São Paulo. Mais tarde tornou-se professor da Escola Municipal de Música de São Paulo.

Osvaldo Lacerda, que ocupava a cadeira de número 09 da Academia Brasileira de Música, recebeu prêmios como o de Melhor Obra Sinfônica em 1994, por Cromos para piano e orquestra; o Prêmio Guarani de 1997 da Secretaria do Estado da Cultura como Personalidade do ano; e o Grande Prêmio da Música 1997 da APCA.

Em 1982, ele se casou com a pianista Eudóxia de Barros, sua antiga aluna e companheira de toda a vida.

O velório de Osvaldo Lacerda acontece no Cemitério do Araçá e o enterro será na amanhã de terça-feira, dia 19 de julho, no Cemitério da Consolação.