Municipal de São Paulo estreia “Pelléas et Mélisande” neste sábado

por Redação CONCERTO 13/09/2012

A ópera Pelléas et Mélisande, de Claude Debussy, é o grande evento do mês de setembro no Teatro Municipal de São Paulo, com récitas nos dias 15, 17, 19, 21 e 23. A montagem paulista da ópera traz a Orquestra Sinfônica Municipal e o Coral Lírico, sob regência de Abel Rocha, diretor artístico do teatro. A direção cênica é de Iacov Hillel, que conta com a cenografia de Hélio Eischbauer e figurinos de Cássio Brasil. O elenco traz a soprano Rosana Lamosa como Mélisande, o tenor Fernando Portari como Pelléas, o barítono francês Vincent le Texier como Goulad (papel que já representou diversas vezes, inclusive sob direção de Bob Wilson, na Opéra Bastille), a contralto Kismara Pessatti como Geneviev e o baixo Sávio Sperandio como Arkel.

 

Antes de escrever Pelléas et Mélisande, sua única ópera completa, Debussy teve diversas incursões no gênero, sempre esbarrando em libretos e fórmulas que julgava demasiadamente “duras” para suas intenções.

Baseada na peça homônima do dramaturgo belga Maurice Maeterlinck, a ópera conta de forma onírica a história de um triângulo amoroso formado por Pelléas, Mélisande e Golaud. Tendo encontrado Mélisande à beira de uma fonte, Golaud apaixona-se pela jovem, com quem se casa, e a leva para o castelo de seu avô, o rei Arkel. Logo a jovem se aproxima do meio-irmão mais novo de Goulad, Pelléas, provocando ciúmes e desconfiança do primeiro. O fim trágico culmina na morte do casal-título e no arrependimento de Goulad. A atmosfera de sonhos, simbólica e quase impressionista, é a marca de Pelléas et Mélisande, que, para o próprio Debussy (em artigo intitulado “Por que escrevi Pelléas”), “contém mais humanidade que os chamados ‘documentos da vida real’”.

[Veja detalhes no Roteiro Musical]