Por “incompatibilidade”, Abel Rocha é demitido da Banda Sinfônica

por Redação CONCERTO 03/12/2009

O maestro Abel Rocha foi demitido da direção artística e regência titular da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. A Apaa  (Associação Paulista dos Amigos das Artes), organização social da cultura que gerencia o grupo, alegou “incompatibilidade” para justificar a decisão. A informação foi prestada oficialmente pelo setor de comunicação da Apaa. Apesar de repetidas tentativas, não foi possível falar com a direção da entidade.

O maestro Abel Rocha assumiu a Banda Sinfônica em 2004 e realizou um extraordinário trabalho de promoção do conjunto, transformando-o em um dos mais originais e atuantes do país. Fora a Osesp e as entidades promotoras internacionais, a Banda é hoje o único grupo da cidade que oferece a sua programação em forma de assinaturas, o que também demonstra a seriedade e compromisso do trabalho. Com verba modesta, sua temporada inclui repertórios criteriosos, a produção de óperas, estreias de obras encomendadas e a participação de solistas de nível internacional.

A “incompatibilidade” arrolada para a demissão do maestro Abel Rocha não deve ser de fundo artístico, já que o maestro é reconhecidamente um dos mais valorosos e dinâmicos regentes de sua geração (como aliás atesta o próprio trabalho realizado na Banda Sinfônica). Entre outros comentários, circulou a notícia de que a Secretaria pretende criar uma orquestra de ópera para o Theatro São Pedro, e que para isso a Banda seria sacrificada. Se essa informação for verdadeira, é ironia o fato de a primeira medida nesse sentido ter sido a demissão de Abel Rocha, justamente um dos mais gabaritados maestro de ópera da cidade.

[Clique aqui e leia a opinião de Irineu Franco Perpetuo sobre a demissão de Abel Rocha.]