Retrospectiva 2011 – Silvio Viegas (depoimento de dezembro de 2011)

por Redação CONCERTO 23/02/2012

2011 foi um ano de grandes realizações no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, sendo nossa programação de ópera, concertos e balé realizada na íntegra e sempre com grande sucesso de público. No âmbito da ópera, levamos ao palco obras-primas que há décadas não eram aqui encenadas, como Lucia di Lammermoor e Tosca em novas produções. Fizemos parceria com o Palácio das Artes e dessa união outras duas óperas completaram nossa temporada com igual êxito, Nabucco e O castelo do Barba-Azul. Como nos últimos anos, trouxemos importantes solistas nacionais e internacionais, além do tenor brasileiro Thiago Arancam pela primeira vez no Brasil após seu sucesso no Scala de Milão. No balé, conservamos a tradição de realizar clássicos como Giselle e Romeu e Julieta, este último em remontagem feita por Márcia Haydée e Richard Cragun. Roland Petit foi levado à cena com duas obras importantíssimas, L’arlesiénne e Carmen. Encerramos o ano com nosso belíssimo O quebra-nozes de Dalal Achcar. O projeto Música e Imagem se solidificou como uma das mais importantes iniciativas de renovação de público com dois absolutos sucessos, Metropolis, filme de Fritz Lang com música de Gottfried Huppertz, e Luzes da cidade do genial Charles Chaplin. Celebramos em 2011 também os 80 anos da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal com um concerto de gala regido pelo maestro Henrique Morelenbaum, ex-diretor da casa e que nasceu no mesmo dia e ano em que a OSTM fazia seu primeiro concerto. Foi, portanto, um ano de muito trabalho e que nos coloca com novos e maiores desafios para 2012.

 

Silvio Viegas, diretor artístico interino e maestro titular da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro