Com novos patrocínios, Orquestra Sinfônica Brasileira retoma atividades

por Redação CONCERTO 17/10/2017

Após quase um ano de paralisação motivada por uma crise financeira e de gestão, a Orquestra Sinfônica Brasileira retoma este mês suas atividades com um concerto no dia 22, em que o maestro Roberto Tibiriçá vai se unir ao pianista Leonardo Hilsdorf e aos músicos do grupo na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro. A apresentação marcará o retorno oficial do calendário de eventos da orquestra, uma vez que, segunda a Fundação OSB, o pagamento dos músicos foi retomado no início de setembro.

A nova programação foi possível por conta da celebração de patrocínios com a empresa Brookfield e com a Nova Transportadora do Sudeste. “Estamos trabalhando há 9 meses na reestruturação e na qualificação da gestão da fundação. Implantamos importantes áreas gerenciais como a controladoria, a unidade de monitoramento de projetos e análise de conformidade legal. Procuramos estabelecer novos paradigmas de gestão, sobretudo alinhados com as mudanças da Lei Rouanet. Temos trabalhado lado a lado com o Ministério da Cultura, buscando o rigor necessário na prestação de contas dos projetos incentivados e, mais do que boas práticas, chegamos a um sistema de gestão que pode servir de modelo para outros projetos culturais”, explica Ana Flávia Cabral Souza Leite, diretora executiva da orquestra.

Em novembro, o grupo fará três apresentações na Sala Cecilia Meireles. E inicia um projeto batizado de Conexões Musicais, com foco na responsabilidade social. Segundo comunicado da fundação, o objetivo “é desenvolver os dois pilares de uma verdadeira política cultura – formação e fruição”. “O projeto de democratização do acesso à cultura será desenvolvido ao longo de 3 anos, passando por 30 cidade que já foram pré-selecionadas e propõe a música como instrumento de transformação e de envolvimento de milhares de crianças, alunos da rede pública de ensino e toda a população das cidades por onde a orquestra passa.”