Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 

Votação encerrada


Ópera “Carmen”, de George Bizet (Temporada 2014 TMSP)
Orquestra Sinfônica Municipal, Coro Lírico
Ramón Tebar, direção musical e regência
Filippo Tonon, direção cênica
Juan Guillermo Nova, cenografia
Com Rinat Shaham/Luisa Francesconi (Carmen), Thiago Arancam/Fernando Portari (Don José), Rodrigo Esteves/David Marcondes (Escamillo), Lana Kos/Andrea Aguilar (Micaela), Marta Torbidoni, Malena Dayan, Francis Dudziak, Massimiliano Catellani, Rodolphe Briand e Norbert Seidl/Vinicius Atique.
Theatro Municipal de São Paulo, dias 29 e 31 de maio, 1º, 3, 5, 7, 8, 10 e 11 de junho
   
Número de votantes: 181
Média: 9,4
Conceito:
   
Comentários:  
Rodrigo Gostei!! vale a pena assistir
   
Luis Henrique Rechdan Melhor montagem da nova gestão do TMSP, até o momento.
   
Regina Belíssimo trabalho.
   
Rafael Bion Loro Emocionante
   
Enrique No conjunto assistimos a um bom espetáculo em linhas gerais. Contudo vale a pena fazer algumas particularizações. A Shaham possui bons graves, porém a sua voz é bastante deficiente na região dos agudos. A sua atuação é às vezes um pouco forçada e com certos efetismos desnecessários. Parecida é a situação do tenor Arancam, com uma voz carente de registros graves e abundantes agudos. Porém me incomodou bastante que ele tenha introduzido algumas modificações e exageros na partitura para mostrar a pirotecnia de sua voz ao invés de pensar em uma interpretação mais aprofundad dessa personagem complexa que é o Don José. Por outro lado, seria louvável que ele fizesse um bom curso de fonética francesa. Gostei bastante do Esteves e da Micaela da Lana Kos. Menção a parte, e altamente destacáveis, os desempenhos de Rodolphe Briand, Francis Dudziak e a Frasquita da Torbidone. Figurinos e cenografía fantásticos assim como a direção em geral. Ponto de destaque também para o excelente desempenho da orquestra e do coral sob a sensível batuta do Ramón Tebar. Nesta linha, o nosso querido Municipal está se transformando aos poucos em uma verdadeira casa de ópera. Bravo!
   
Silvia Martins Poucas vezes vi um espetáculo tão completo quanto essa Carmen. A direção de cena é impecável! Os protagonistas de força cênica e vozes poderosas! A orquestra muio coesa e o Balé muito bem coreográfico, estava maravilhoso. Mas o coral lírico foi o grande destaque dessa produção. Esse grupo de artistas que tem um som magnífico, presenteou o público com uma atuação dinâmica, competente, vibrante! Magnífico ver a entrega desses artistas. Parabéns ao Teatro Municipal pelos seus corpos artísticos!
   
Andre Bravo elenco e principalmente a orquestra.
   
Henrique Oliveira Orquestra soando muito bem! Lindos solos dos músicos da orquestra, em especial o do spalla com cello e a bela e preciosa parte de solo do quarteto de cellos. Orgulho de ter uma orquestra tão boa em nosso país. Ramon Tebar é um ótimo e vigoroso maestro o qual trouxe uma bela e musical leitura desta obra. Solistas muito bons, especialmente a senhora Shaham que fez a Carmen. O coro das crianças do Instituto Baccarelli foi fantástico! Pra mim, não há melhor versão de coreografia e canto do que a realizada pelas crianças de Heliopolis (muito melhor que as versões do MET e Wien Staataoper). Rodolphe Briand e Norbert Seidl também brilharam.
   
Valter Bresolin P de Moraes Apesar de terem mudado a época, para 1930/40 talvez? A MONTAGEM NÃO CHEGOU A COMPROMETER o resultado...apesar de que eu acho de deveria ser respeitado o original com referência à época. O 4º ato ficou prejudicado porque a primeira cena do coral se passa na frente de um portão?? ou tela?? quando na verdade é uma praça com comerciantes feirantes,etc... Quanto aos cantores, a soprano, Rinat Shaham desenvolveu bem seu papel,canta muito bem, porém sua voz é pequena. O tenor Thiago Arancam possui uma voz com uma certa tessitura, porém sua voz não é límpida e clara.Rodrigo Esteves foi o MELHOR de todos.Excelente barítono, ótimo Escamillo.Os coadjuvantes form muito bons, destaque especial PARA O EXCELENTE CORO INFANTIL que encantou a todos.a regência foi boa, porém o horrivel poço do teatro ABAFA totalmente os FORTÍSSIMOS da orquestra o que sempre prejudica uma obra. Já está MAIS do que na hora de termos um NOVO TEATRO MUNICIAL à altura de GRANDES PRODUÇÕES, pois o atual teatro é APENAS um MUSEU LINDÍSSIMO!!!!
   
Paulo Oliveira ótima apresentação! Orquestra soando muito bem, maestro excelente, solistas brilhando (assisti a versão com Lusia Francesconi, Fernando Portari e Andrea Aguilar), coral de crianças fantástico (Bravo ao instituto Baccarelli) e ótima atuação e canto de Francis Dudziak e Rodolphe Briand. Gostaria de ressaltar que a orquestra estava soando muito bem. Solos de flauta e fagote dos intermezzos do 3 e 2 ato estavam muito bem, assim como os solos de spalla e dos cellos. Bravi!!
   
Katia Robles A Ópera está lindíssima, com direção, cenário e figurino impecável. A regência de Ramón Tebar é imperdível. Os cantores estão maravilhosos. Enfim, o espetáculo está perfeito e contagiante.
   
maria beatriz silveira brotero Fantástico. Perfeito... Orquestra, cenografia, montagem, elenco, figurino e um teatro lindo.
   
Sérgio Oliveira Espetáculo fascinante! Orquestra, cenário, Coro Lírico, Solistas.... tudo perfeito! Excelente participação do coro infantil!!!
   
hugo travers Uma montagem correta e artisticamente da melhor qualidade nas vocês, cenário , figurino , coreografia e uma direção cénica impecável. Parabéns para toda a equipe ( TODOS )
   
Paulo S Francisco Simplesmente Magnifico! Uma montagem excelente. Sem comentários para Luisa, estava encantadora! Alias todos estavam.
   
Rafael Gostei bastante, uma das óperas mais bem feitas que já vi no Municipal. Empolgante do início ao fim
   
Marco Aurelio No geral uma bela montagem com particular destaques à Sinfônica Municipal sob a regência muito equilibrada de Ramon Tebar e à participação do Coral Lírico (mais uma vez irretocável) e do Coral Baccarelli. Direção de Cena ágil e boa utilização do palco do Municipal. Na récita em que estive presente o par central foi feito por Thiago Arancam e Luisa Francesconi. Arancam possui belos agudos, mas em minha opinião seu Don José pecou um pouco em refletir a intensidade emocional inerente ao papel. Da mesma forma esperaria uma Carmen um pouco mais "quente". A inclusão dos diálogos falados em francês, recurso não empregado habitualmente, por vezes quebra a dramaticidade da obra.
   
ana maria joas gostei muito e principalmente da voz do tenor!
   
Cláudio Oliveira Faltou sensualidade e arrebatamento. Tudo muito bem comportado e muito comedido. Carmen não pode ser assim. Bom mesmo, apenas o cenário, a luz e Lana Kos.
   
Elisabeth V. De Gennari Assisti no dia 8, domingo. tenor de Dom Jose, embora bom, não me pareceu pronto para papel de tal envergadura e apresntou altos e baixos. O barítono Escamillo deveria projetar mais a voz. A Carmen, embora boa, também apresentou algumas dificuldades nos agudos. Micaela irrepreensivel e melhor cantora da noite. Invisivel o letreiro do meu lugar. Bem como as cenas de canto do palco as quais deveriam ser evitadas pela direção cenica pois inviséis aos lugares mais altos. As cenas, especialmente com dois atores, devem se concentrar no centro do palco para melhor visibilidade.
   
Adilson Valiente Assisti as récitas dos dias 31 de maio e 5 de junho, para apreciar o trabalho dos dois elencos, como faço sempre; gostei de ambos, porém quero destacar o brilhantismo do tenor Fernando Portari como Don José, sua voz parece ter sido feita para a ópera francesa, foi assim que eu o descobri em O PESCADOR DE PÉROLAS, de Bizet, também no TMSP há anos atrás. Luisa Francesconi, se é uma mezzo mais Rossiniana, compensou na qualidade interpretativa, fez bonito, parabéns a ambos!!!Quanto ao Aracan, já é um grande tenor o futuro está para ele, um grande orgulho para nós, vamos aguardá-lo quando cantar Verdi!
   
Vitor Seravalli Gosto muito da ópera Carmen, e por isso já a assisti pelo menos uma dezena de vezes em diversas montagens distintas. Em minha opinião, esta versão não ficou atrás de nenhuma. Pelo contrário, foi uma das melhores. Cantores excelentes, coral de primeira, um lindo cenário, dançarinos muito bem ensaiados e uma orquestra regida com competência por Ramón Tebar. Assistiria novamente com prazer.
   
Adriana Maravilhosa!!!
   
Luciana de Oliveira Espetáculo emocionante!
   
Monica Bueno Uma das melhores apresentações da Carmen já vista, uma obra a nível internacional.
   
Valéria Muito extensa, no ato IV, já estava cansada e entediada. Fora isso, tudo muito lindo.
   
Ricardo Excelente espetáculo! Orquestra, Coral e Solistas impecáveis! Orgulho do Theatro Municipal de São Paulo!
   
Fabiana Crepaldi Algumas vezes saio de uma ópera com uma sensação especial, um misto de euforia e emoção. Isso aconteceu na Aida do ano passado e ontem, 10 de junho, na Carmen. As outras récitas que havia visto, nos dias 03, 05 e 08, com o inexperiente Thiago Arancam, não me convenceram. Mas ontem, com Fernando Portari e Rinat Shaham na duplas de protagonistas, Lana Kos e Rodrigo Esteves engrossando o bom elenco, fiquei muito entusiasmada e saí querendo mais. Havia chegado até a questionar se tinha valido a pena o Municipal ter optado pela versão original, com os diálogos. O fraco desempenho do Thiago Arancam (isso sem contar o seu péssimo francês!) prejudicou bastante o desempenho. Elogiado por muitos pelo canto agressivo e com bons agudos, Arancam, além de não saber interpretar, não tem um canto sutil, não sabe fazer piano, parece estar o tempo com as pregas vocais extremamente tensionadas e não sabe interpretar. Ainda precisa estudar um bocado e escolher melhor os papéis. Ontem, Fernando Portari estava com algum problema na voz, um pouco rouco em alguns momentos. Porém, foi ótimo, conseguiu administrar a voz até o final (aliás, foi melhorando conforme se aquecia), fez muito bem os diálogos, de forma muito clara e com um francês muito bem pronunciado, inclusive diferenciando os erres do francês falado e do cantado (o que eu nem espero dos cantores, é mero detalhe positivo). Na ária da flor, finalmente, com ele, a paixão e os pianos apareceram! Contracenando com um cantor experiente e em sua última récita, Rinat Shaham se deu toda, foi ótima. Desde o primeiro dia não gostei da opção dela na forma de cantar a ária das cartas, extremamente lenta e com a orquestra ppppp. Ela tinha que ter uma voz enorme para isso dar certo. Fora isso, ela foi muito, muito bem, com ótima presença de palco e boa voz. A melhor de todas, Lana Kos, fez uma ótima Micaëla e criou grande expectativa em torno da Desdemona que fará no ano que vem! Rodrigo Esteves não é a melhor escolha para o papel de Escamillo, mas é ótimo cantor. Especialmente ontem ele conseguiu reunir os graves e o peso necessário para o papel, foi excelente! Já David Marcondes, que cantou no domingo, não sei como foi escalado, muito fraco. Ontem, no primeiro ato, houve vários desencontros entre coro, cantores e orquestra. Porém, isso foi mero detalhe diante do espetáculo que se presenciou! Gostei muito da montagem, bonita e dinâmica, embora questione o último ato. A boa movimentação em palco mostra que houve direção cênica atuante. O coro das crianças estava uma graça. A minha nota foi bom = ótimo para ontem (e, segundo amigos, para dia 07, que teve o mesmo elenco) e regular para as outras récitas.
   
Hylea Ferraz Adorei...principalmente o Coro das Crianças...
   
Nilton A. Silva Assisti no dia 07/06. Os diálogos dão aos cantores a oportunidade de se expressarem de outra forma, impressionando o público neste e nos demais momentos. Fernando Portari foi muito convicente.
   
Roberto Ibiraci Coutinho Porque os que criticaram a Carmen do Rio não são imparciais? Teve até um blogueiro que disse que a Carmen do Rio era feita de andaimes! A que assisti quando estive em S.P. tinha andaimes (de verdade) e ninguém falou nada. Ou seja, a Carmen do Rio não é boa porque tem andaimes e a de São Paulo é boa porque sim tem andaimes!? Va entender. Resumindo, achei tanto a Carmen do Rio uma excelente produção mas com cantores e orquestra medíocres, com exceção de Fernando Portari e da russa Ekaterina Backanova quanto a de São Paulo. Só não entendo porque para uma flores e para outra nada. A objetividade muitas vezes deixam muito a desejar.
   
Gisele Lima Excelente produção, equipe de parabéns em todos os quesitos, a Rinat Shaham é excelente no papel de Carmen, me emocionou do inicio ao fim.
   
Carmen Silvia de Melo Emoção com tanto talento junto - vozes, orquestra, cenografia, além de boa companhia de amigos londrinenses, que vieram pra ver também ao Thiago Arancam, mas se confundiram no dia de sua apresentação.
   
maria das gracas pereira de araujo Maravilhoso.....os cenarios,orquestra ,artistas , figurino....tudo. saí do thetro com impressões ótimas.
   
Ivone Benedetti Só posso opinar sobre a apresentação do dia 15. Como todos sabem, os elencos variam e as apresentações de cada elenco também. Então eu pergunto aos organizadores desta página se não seria possível distinguir os elencos para a votação. Em todo caso, digo que o espetáculo do sábado em geral foi bom. O tenor, no início meio apagado, cresceu à medida que a apresentação avançava. O desempenho de Rinat Shaham foi bom, mas não à altura das minhas expectativas, que talvez fossem grandes demais. O coro me pareceu ótimo. Destaque para a regência (tão entusiasmado o regente, que até deixou a batuta escapar voando da mão). Uma surpresa agradável foi a cenografia inteligente, de colorido agradável, que em todos os momentos soube criar a impressão de espaço maior que o real, em vez de fazer como muitos diretores cênicos, que atulham o palco com coisas inúteis, alegorias burras, invenções duvidosas, no intuito de "roubar a cena" só para si. Por fim, reitero minha sugestão (ao Theatro) de que é preciso melhorar as traduções das legendas.
   
Gabriel Spinelli A única coisa que poderia ser mais refinada e sofisticada é o cenário, que não teve muita variação de ambiênte.
   
Felipe Rivolta Montagem de alto nível, assim também foram os cantores. Luisa Francesconi cantou e representou muito bem o papel. Mas acredito que na apresentação do dia 31/05 na hora dos aplausos quem roubou a cena foi Micaela, Andrea Aguilar.
   
Miriã Porto O Cenário e o figurino estavam maravilhosos.
   
Roberto Cesar Silva Gonzalez O excesso de madeiras no palco atrapalhou a acústica, minimizando o brilho da orquestra, bem como não ofertando ao público todo o potencial vocal dos cantores. Arancam mostrou bons agudos, Shaham não conseguiu demonstrar, mesmo com seu movimento corporal ensaiado, uma sensualidade a contento. Lana Kos foi ótima, a melhor da noite. Esteves Já esteve melhor.
   
Maria Aparecida V. Alonso Assisti a ópera Carmem no dia 5/6. Sou assinante pelo 2o. ano e esta foi uma das melhores e mais lindas óperas que já assisti. Parabéns a todos os participantes. Foi tudo maravilhoso e todos merecem o meu elogio.
   
Adriana Selva Tive a oportunidade de assistir Carmen no Rio e em São Paulo. A montagem de SP está bem melhor, desde o cenário até as performances dos artistas (músicos e atores/cantores). A montagem de SP está magnífica!
   
Cristina Flória Excelente produção!
   
   

voto           voto



< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

22/10/2017 - Gabriel Oliveira - piano

Rio de Janeiro:
25/10/2017 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
21/10/2017 - Salvador, BA - Orquestra Petrobras Sinfônica
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046