Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sábado, 16 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 

Votação encerrada


Ópera “As bodas de Fígaro”, de Mozart (Temporada Theatro São Pedro 2014)
Orquestra do Theatro São Pedro
Luiz Fernando Malheiro, direção musical e regência
Lívia Sabag, direção cênica
Elenco: Rosana Lamosa, Carla Cottini, Rodrigo Esteves, Homero Velho, Luisa Francesconi, Sávio Sperandio, Giovanni Tristacci, Daniel Umbelino, Carolina Jadach, Aymée Wentz, André Rabelo, Eduardo Fujita, Nibaldo Araneda.
Theatro São Pedro de São Paulo, dias 26, 28 e 30 de novembro, dias 4, 5 e 7 de dezembro
   
Número de votantes: 234
Média: 7,7
Conceito:
   
Comentários:  
José Luiz Gostei muito, parabéns para todos artistas.
   
Sandra Natalini Ribeiro Muito bem montada, figurinos maravilhosos do Fábio Munatama , cenários lindos. Rodrigo Esteves, Carla Cottini e Luisa Francesconi foram destaques no canto pra mim. A Carla Cottini é além de excelente cantora ótima atriz, e o Cherubino da Luisa foi um primor. Nada é perfeito e houve alguns altos e baixos na parte musical, mas de forma geral recomendo muito o espetáculo!
   
Sérgio Orquestra, coro e solistas...tudo perfeito!!!
   
Willian Cardoso Abreu Fui à récita do dia 30/11. Espetáculo muito bem apresentado com direção de cena, cenários e figurinos corretos. Destaque para o Conde de Homero Velho e Figaro de Rodrigo Esteves. Confesso estar decepcionado com o Cherubino da Luisa Francesconi, pode ser questão de gosto, mas o timbre dela não me agrada. Sinceramente não compreendi o destaque para a cantora na crítica do Nelson Kunze. Uma interpretação sem brilho e inadequada. Carla Cottini teve bons momentos assim como Rosana Lamosa, porém bastante instáveis. Acredito também que o maestro Malheiro poderia ter tirado um pouco mais de brilho da Orquestra do Theatro São Pedro. Tenho certeza que os músicos podem muito mais. O teatro é pequeno, e não vejo grandes desafios para fazer a orquestra soar clara e com volume. Espero que a casa cresça no próximo ano e que os frutos da nova direção artística apareçam.
   
Claudia Souza Assisti a estreia e ficamos encantados com os cenários, os figurinos,a orquetra. Quanto aos solistas destaco o Cherubino de Luiza Francesconi, ela é simplesmente maravilhosa, e o baixo-baritono Rodrigo-Esteves, é sempre um prazer vê-lo em cena!
   
Fabiana Crepaldi Por uma feliz coincidência, as duas casas de ópera de São Paulo trouxeram, simultaneamente, óperas que tratam, embora de formas bem diferentes, de questões sociais semelhantes. Tanto em Tosca, em cartaz no Theatro Municipal, quanto em As Bodas de Fígaro, no São Pedro, está presente o autoritarismo -- de Scarpia e do Conde -- que se confunde com a dominação sexual sobre mulheres hierarquicamente inferiores -- Tosca e Susana. De forma trágica em Tosca e bem humorada nas Bodas, as mulheres conseguem, bem ou mal, abater o agressor. Se não chegam a ser feministas, são pelo menos óperas que propõem uma discussão sobre o papel da mulher e das classes sociais que estão fora ou até se opõem ao grupo atualmente no poder. Se o tratamento dado ao tema pela música e pelo libretto de cada uma é contrastante, assim também são as montagens que ambas as óperas receberam. Enquanto Tosca recebeu uma montagem mais pesada, com elementos que nos remetem ao período de ditadura, o cenário das Bodas foi leve e colorido. Ao contrário da Tosca, a trama não foi deslocada do tempo. Os painéis e a bonita mudança de cenário do último ato, quando a trama termina, no jardim, deram um apropriado tom de fábula a uma ópera que, de certa forma, termina com uma lição de moral. Mais um ótimo trabalho da diretora Lívia Sabag. Em uma entrevista recente, o maestro Malheiro comentou que adequou o elenco de forma que fosse formado não só por bons cantores, mas também por bons atores. Tal escolha, fundamental para uma ópera bufa, se mostrou muito feliz. Os atores, bem dirigidos, representaram na medida, com competência e sem exageros -- felizmente, sem deixar a ópera bufa demais. Como cantores, também se saíram todos bem. Especial destaque para o Cherubino de Luisa Francesconi e para os barítonos: Homero Velho como conde e, sobretudo, o Fígaro de Rodrigo Esteves. Com essa brilhante ópera de Mozart, o Theatro São Pedro, com sua equipe apaixonada e incansável, terminou muito bem a temporada 2014. Que venha 2015!
   
Eduardo Saí do Theatro São Pedro extremamente satisfeito. A orquestra teve um ótimo desempenho e os cantores se saíram muito bem, especialmente Rodrigo Esteves, que interpretou magistralmente o personagem principal. Livia Sabag deu mais um show (sua produção de "Salomé" no Municipal já havia sido sensacional), mostrando grande competência na direção de atores. Os figurinos estavam muito adequados e os cenários eram fantásticos, muito bonitos e super caprichados. Uma excelente produção, espero que o Theatro São Pedro continue nesse nível!
   
Lucas Me surpreendi com a montagem. O cenário foi digno de Lívia Sabag, muito bom. Destaque para a mezzo-soprano Caroline Jadach que foi impecável. O que mais me incomodou na récita foi o público. Antes de começar, teve uma apresentação de duas Arias de Susanna, as pessoas não paravam de falar alto e ninguém conseguia ouvir a cantora. Ao começar a ópera, demorou até o silêncio reinar. Muitos telefones tocaram e a plateia não ficava em silêncio.
   
Agnes Cruz de Souza Excelente trabalho. Bravo!
   
Claudia Oliveira Bezerra Maravilhosa apresentação. Figurinos lindos e cenografia fantastca. Adorei.
   
Maristela Trevezam O espetáculo foi maravilhoso...gostei muito da montagem, do elenco, cenário perfeito, figurino....achei o IV ato um pouco prolongado, mas nada que comprometa o brilho do conjunto.... mas, infelizmente, senti durante todo o tempo um barulho de vozes vindo da cabine ao fundo do teatro... talvez não estivesse muito bem vedada...isso incomodou bastante mesmo, juntamente com pessoas que se mexiam e conversavam o tempo todo....bem, mas isso faz parte de uma falta de educação de pessoas que não tem o hábito de frequentar espetaculos dessa natureza e não está ao alcance de vocês reverter essa falha! Obrigada!
   
Erick Souza Montagem fantástica.
   
Fábio Schio Fantástico!!!
   
Michel de Paula Gostei tanto que assisti 3 vezes. Parabéns ao maestro malheiro, que inicia uma nova era no São Pedro
   
Sheila Datz Excelente espetáculo! Cenários magníficos, elenco e orquestra impecáveis!
   
Jefferson Assisti no último dia de espetáculo e adorei cada segundo.
   
Lina María casa Excelente escenografía y excelente elenco
   
   

voto           voto



< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

17/12/2017 - Orquestra Infantil Heliópolis, Orquestra Preparatória Heliópolis e Orquestra Infantojuvenil Heliópolis

Rio de Janeiro:
17/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
22/12/2017 - Goiânia, GO - Ópera Carmen, de Bizet
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046