Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Domingo, 21 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
A vida “gloriosa” de Florence Foster Jenkins (24/8/2009)
Por Camila Frésca

Há algumas semanas assisti à “Gloriosa”, espetáculo de teatro em que a atriz Marília Pêra interpreta Florence Foster Jenkins, também conhecida por alguns como “a pior cantora do mundo”. À parte algumas opções da montagem em se forçar um humor a todo custo, de forma grosseira ou boba (como ocorre algumas vezes nos papeis destinados à atriz Guida Vianna), Marília Pêra constroi magistralmente sua Florence, e revela para muitos – como foi o meu caso – uma figura “lendária” na história do canto.

Florence Foster Jenkins nasceu na Pensilvânia em 1868, filha de um rico banqueiro. Ainda criança teve aulas de música e estudou piano, mas seu pai – quem sabe já percebendo sua falta de vocação – se recusa a pagar-lhe as aulas, o que a motiva a sair de casa e casar-se com o médico Frank Thornton Jenkins. Em 1902, ela divorcia-se e passa a ganhar a vida como professora e pianista. Com a morte do pai, em 1909, Florence passa a ser herdeira de boa parte de sua fortuna e pode finalmente dedicar-se ao canto – sua mãe, que ainda estava viva, não se importava que ela tomasse aulas, embora se opusesse às apresentações públicas. De toda forma, Florence passa a participar da vida musical da Filadélfia, e posteriormente de Nova York, e começa a dar pequenos recitais. Tornou-se também uma pessoa querida e popular, pois participava ativamente de obras de caridade e foi fundadora e financiadora do Verdi Clube, dedicado a promover a carreira de músicos norte-americanos.

Em 1928, com a morte da mãe, Florence encontra-se totalmente livre e com dinheiro suficiente para financiar sua carreira – isto com nada menos do que 60 anos. Nessa época conhece o pianista Cosme McMoon (na peça vivido pelo ator Eduardo Galvão), que a acompanharia até o final da vida, e passa a dar recitais cada vez mais disputados, com a peculiaridade de que os interessados em adquirir ingressos deviam antes passar por uma entrevista com a própria Florence – segundo ela, os bilhetes estavam à venda apenas para “os autênticos amantes da música”. Desta forma ela tentava impedir também que jornalistas e desafetos presenciassem seus concertos. Para se ter uma ideia de quão populares se tornaram suas apresentações, era possível encontrar na plateia nomes como Enrico Caruso, Cole Porter e Noel Coward.

Mas o que fazia dessas ocasiões algo tão especial? Por incrível que pareça, a total falta de talento de sua protagonista. Florence era uma cantora de péssima pronúncia em línguas estrangeiras, não afinava, tinha problemas de ritmo, respiração (veja um exemplo aqui/ http://www.youtube.com/watch?v=6h4f77T-LoM). A isto aliava-se uma personalidade excêntrica que inventava um vestuário extravagante – o mais famoso deles era o de “Anjo da Inspiração”, um vestido longo de filó complementado por uma tiara de brilhantes e um par de asas – que era trocado diversas vezes ao longo de um concerto. Numa entrevista dada muitos anos após a morte de Florence, Cosme McMoon afirmou que “cada um dos números que ela executava era memorável pela maneira particular com que o fazia, o que não se restringia ao que ouvimos nas gravações. Ela adicionava esquisitices, geralmente interpretando a letra, movimentando-se, ou ainda executando danças diferentes que eram extremamente divertidas”.

[A cantora Florence Foster Jenkins.]

O repertório destes concertos era composto por conhecidas árias de ópera, lieder e canções compostas por McMoon. O grande – e também último – momento de sua carreira aconteceu em 1944. Aos 76 anos, Florence deu um recital no Carnegie Hall. Foi sua única apresentação totalmente aberta ao público, e os ingressos esgotaram-se rapidamente, semanas antes da apresentação. Desta vez, não foi possível selecionar a audiência e os críticos tiveram entrada livre. Nos dias seguintes, todo o tipo de censura e até mesmo deboches saíram nos jornais. Reza a lenda que foi isso que desencadeou seu ataque cardíaco, uma semana depois, e sua morte, exatos um mês após a apresentação. Florence Foster Jenkins gravou alguns discos de 78rpm, que ela se deleitava em ouvir por demoradas horas. As peças foram relançadas em discos ainda hoje à venda, como “The glory (???) of the human voice”, do selo RCA.

“A pergunta que a gente [no elenco] se faz sempre é: ela tinha noção do que era e se fazia de louca ou não?”, afirma Marília Pêra, que aliás tem o grande mérito de construir um personagem complexo, que provoca riso e ternura e que ora parece realmente imerso em seu delírio de grande cantora e ora deixa entrever alguma consciência da realidade, que vem acompanhada de um quê de tristeza e solidão.

Para Cosme McMoon, Florence realmente acreditava em sua majestade. “Naquele tempo, Frank Sinatra começava a cantar e era comum que garotas desmaiassem e gritassem quando ele emitia notas mais agudas. Florence achava que produzia o mesmo tipo de efeito no público quando seus erros desencadeavam gargalhadas e balbúrdia. Ela tomava essas manifestações como grandes marcas de aprovação e muitas vezes fazia uma pausa, curvava-se agradecendo e recomeçava a canção”, relembrou. Ele ainda conta que boa parte da audiência, apesar de divertir-se, tinha sincero afeto pela cantora e desenvolveu uma convenção para “não ferir seus sentimentos”: “cada vez que ela desafinava muito ou fazia outro tipo de coisa que era impossível não rir, o público estourava em palmas e assobios, e o ruído era tão grande que podiam rir à vontade”.

Afinal, qual seria a real consciência de Florence sobre suas qualidades vocais e sobre a apreciação dos outros? Esta é apenas uma entre tantas questões – humanas e musicais – que sua história, mais parecida com um enredo de ficção, nos desperta e, ao mesmo tempo, causa inevitável fascínio.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

21/1/2018 - Araceli Chacon - piano

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046