Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
A singeleza da canção brasileira, sem adjetivos (22/11/2009)
Por João Marcos Coelho

Não é fácil transitar entre o erudito e o popular sem deixar cair a peteca, como se dizia muito antigamente. Mas Samira Rahal, integrante do Coral Paulistano, consegue a façanha de realizar uma gravação bastante agradável, gostosa de se ouvir. E, sobretudo, cumpre um papel importante: leva canções de excepcionais compositores eruditos, como Camargo Guarnieri, Cláudio Santoro, ou então dos mais populares Waldemar Henrique ou Edmundo Villani-Côrtes, para públicos mais amplos.

O CD, recém-lançado pelo selo Paulus, intitula-se “Vôo no Popular”, e preenche metade de suas doze faixas com a música suingante de Waldemar Henrique. Eu falei suingante? Pois é isso mesmo. A voz límpida e afinadíssima de Samira emite as melodias sob um colchão sonoro tecido por músicos populares de comprovada competência, como o Tio (pianista Laércio de Freitas), o bandolim de Milton Mori, a flauta de Shen Ribeiro, o baixo de Sizão Machado e a percussão de Paulo Dias. Do lado erudito, comparece o violoncelo de Maria Cecília Brucoli. E, nos arranjos e violão, o ótimo e preciso Jardel Caetano.

Sem dúvida, é uma fórmula bastante interessante – e desafiadora, porque não se pode “simplificar” a canção culta sem mais nem menos; é preciso ter sensibilidade e profundo conhecimento dos compositores para não fazer barbaridades. Samira e Jardel passam ao largo desses perigos – e ficam apenas com o prazer informal de desfilar canções de belíssimas melodias e muita ginga.

Como as seis assinadas por Waldemar Henrique (1905-1995). Lá estão as conhecidíssimas “Coco Peneruê” e “Tamba-tajá”, mas também “Abaluaiê”, “É Maracatu” e “Boi-Bumbá” – todas das décadas de 30 e 40.

Se você tem dúvidas sobre as contaminações entre a música popular e a erudita, ou considera que esse tipo de “arranjo” violenta a chamada criação erudita, ouça, por exemplo, essas descontraídas leituras de três das canções do ciclo de amor do amazonense Cláudio Santoro (1919-1989) sobre versos de Vinicius de Moraes: “Luar do meu bem”, “Pregão da Saudade” e “Amor e lágrimas”. E depois faça a comparação, ouvindo a versão mais, digamos, ortodoxa, com a soprano Rosana Lamosa, acompanhada ao piano por Marcelo Bratke (CD de 2006, do selo Clássicos). É evidente que com Samira as canções parecem soltar-se de amarras “eruditas” e flutuam com muito maior naturalidade. Até porque ela não emposta a voz, claro. É quase como tirar uma casaca de concerto e meter-se na confortável dupla camiseta-bermuda.

Como é bom o piano de Laércio de Freitas acompanhando Samira na “Canção ingênua” de Camargo Guarnieri (1907-1993). Note como o Tio “respeita” basicamente a partitura de Guarnieri – pois há, sim, casos em que não é preciso mexer em nada para tornar a canção mais “popular”, não é mesmo? Já em “Por quê?”, eles escancaram a condição de seresta da bela melodia de Camargo, com piano, violão e percussão. A pitada final fica por conta de Villani-Côrtes, mineiro de Juiz de Fora hoje com 79 anos e notável por sua facilidade de trânsito entre o erudito e o popular. Como na insinuante melodia de “Sina de cantador”.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

21/2/2018 - Fábio Zanon - violão, Quarteto Osesp e Alunos da Academia da Osesp

Rio de Janeiro:
20/2/2018 - Adriana Ballesté - violão

Outras Cidades:
22/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046