Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Sexta-Feira, 19 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Petrobras Sinfônica apresenta ópera “O anão” de Zemlinsky (23/12/2009)
Por Nelson Rubens Kunze

Alexander von Zemlinsky é um compositor pouco conhecido. Nascido em Viena, viveu de 1871 a 1942, tendo convivido com grandes nomes da história da música, que de certa forma acabaram eclipsando a sua própria produção. Hoje, Zemlinsky acaba sendo mais lembrado como professor de Schoenberg (de quem depois tornou-se cunhado – Schoenberg casou-se com sua irmã, Mathilde) ou pelo fato de ter tido um grande amor não retribuído pela bela Alma Schindler (que mais tarde viria a se casar com Gustav Mahler, depois com o arquiteto do movimento “Bauhaus” Walter Gropius, e depois ainda com o poeta Franz Werfel).

Entre os anos de 1919 e 1921, Zemlinsky escreveu uma ópera inspirada no conto O aniversário da infanta, de Oscar Wilde. Intitulada Der Zwerg (O anão), a ópera narra a história da festa de aniversário da infanta espanhola Dona Clara, que recebe um Anão de presente. Não consciente de sua deformidade – pois nunca havia visto a sua imagem refletida –, o Anão se apaixona pela infanta, que, contudo, o repudia. Ao ver-se no espelho e tomar conhecimento de sua condição, o Anão sofre um choque e morre. A ópera e seu enredo cabem bem no momento histórico das primeiras décadas do século XX. A escrita musical lembra Richard Strauss, um contínuo musical de grande intensidade dramática, cujo ponto culminante é o momento em que o Anão toma consciência de sua condição, e a impossibilidade de viver com essa realidade.

Dirigida pelo maestro Isaac Karabtchevsky, foi excelente o desempenho da Orquestra Petrobras Sinfônica na recriação semi-encenada dessa obra – pelo que se tem notícia, pela primeira vez apresentada na América do Sul. Funcionou muito bem a ideia de colocar o coro sinfônico (ótimo, preparado por Júlio Moretzsohn), entre as fileiras da plateia. Assim, ganhou-se um pouco mais de espaço na parte dianteira do palco (relativamente pequeno) da Sala Cecília Meireles, onde André-Heller Lopes, o diretor cênico, criou uma pequena mas eficiente encenação.

Foi muito bom também o resultado vocal do equilibrado elenco. O destaque coube ao Anão do tenor Marcos Paulo, com uma bonita voz e convincente interpretação. A infanta foi feita pela soprano russa Marina Shevchenko. Participaram ainda Flavia Fernandes, Douglas Hahn, Priscila Duarte, Maíra Lautert e Carolina Faria.

Ouvindo a Petrobras Sinfônico fazendo ópera, lamentei novamente a decisão da Osesp em cortar os títulos líricos que vinha apresentando anualmente desde a sua reestruturação. Essas iniciativas cumprem dupla função: primeiro, oferecendo ópera a um público carente desses espetáculos; segundo, proporcionando uma vivência enriquecedora para a orquestra, que assim certamente ganha uma nova perspectiva para a interpretação do repertório sinfônico.

[Leia mais sobre Alexander von Zemlinsky na seção Vidas musicais da edição de dezembro da Revista CONCERTO, em texto de Lauro Machado Coelho.]

[Nelson Rubens Kunze viajou e assistiu a O anão a convite da Orquestra Petrobras Sinfônica.]





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

19/1/2018 - Duo Fryvan

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046