Banner 180x60
Boa noite.
Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Boas notícias abrem 2010 (10/3/2010)
Por João Marcos Coelho

O ano começou com algumas notícias muito positivas, que podem dar o tom a toda a temporada, tanto por aqui como internacionalmente.

Pouquíssimos entenderam quando noticiou-se que o pianista chinês Lang Lang deixou a Deutsche Grammophon após receber uma oferta milionária da Sony Classical. Por três milhões de dólares, ele trocou de gravadora – num momento em que bastante gente ligada ao universo da indústria musical já havia enterrado com pompa e circunstância as gravadoras. É bem possível que a Sony esteja de olho no fabuloso mercado de bilhões de consumidores chineses (mesmo que o país seja o paraíso da pirataria no planeta).

O jornalista inglês Norman Lebrecht – sempre ele, enfant terrible que anuncia há anos a morte da música clássica – publicou semanas atrás o volume de vendas que leva um artista a freqüentar a lista clássica dos mais vendidos da revista Billboard. A violinista Hilary Hahn, por exemplo, com menos de 500 cópias vendidas de seu CD, com concertos de Sibelius e Schoenberg, chegou ao topo dos dez mais vendidos. Uma piada. Na verdade, os maiores vendedores de discos clássicos – estou falando dos CDs físicos, e não dos downloads – raramente chegam aos cinco dígitos. Ou seja, é raro alguém passar das 10.000 cópias. Isso só acontece com superstars tipo Yo-Yo Ma (e ainda assim fazendo crossover).

Uai, mas a venda de CDs não é mais a fonte de renda dos músicos? Isso está mais do que claro. Até um cantor de jazz que ganhou o Grammy como Kurt Elling diz que jamais ganhou dinheiro com a venda de seus CDs – seu sustento advém dos shows. Com os músicos clássicos a história é rigorosamente a mesma.

E, em vez de nos lamuriarmos por isso, devemos é comemorar o fato de a música ao vivo ser a maior fonte de renda dos artistas clássicos – não só lá fora, como aqui.

  •  

Finalmente, a música contemporânea deixa de ser o patinho feio da vida musical paulistana, graças à implantação – por concurso, como mandam as regras sadias e democráticas – de um grupo permanente dedicado à música de hoje.

Com o sugestivo nome de Camerata Aberta, os músicos farão seu concerto de estréia no próximo dia 31 de março, no SESC Vila Mariana. [Veja detalhes no Roteiro Musical]

Simon Rattle fez isso há pouco menos de 30 anos, em Birmingham. Além da orquestra sinfônica de formação tradicional, criou um grupo permanente – um corpo estável, como dizemos por aqui – dedicado apenas à música contemporânea.

A Camerata Aberta vai trabalhar em seu primeiro trimestre de atividades com o regente francês convidado Guillaume Bourgogne. Ele chega dia 15 para ensaiar com o grupo um repertório variado, que vai de Gérard Grisey a Iannis Xenakis. Entre eles, a inefável Arte da Fuga de Bach e dois compositores brasileiros vivos: Marisa Resende e Roberto Victorio.

  •  

A Orquestra de Santo André retoma uma temporada muito interessante em 2010, pelas mãos competentes de Carlos Moreno. Há espaço, claro, para os tributos a Schumann e Chopin pela passagem dos 200 anos de nascimento. Mas o que mais me chamou a atenção foi a inclusão de sinfonias de Mahler e Bruckner – um saudável atrevimento.

Ao que tudo indica, Moreno fará de sua passagem por Santo André um período tão marcante quanto foi sua atuação à frente da Osusp.

  •  

Termino com a maior notícia musical deste início de ano: o lançamento pelo selo Biscoito Fino do primeiro CD da Orkestra Rumpilezz (assim mesmo, com “k” e dois “z”), concebida em 2006 e liderada pelo maestro, compositor, arranjador e saxofonista Letieres Leite, em Salvador, Bahia. Nunca ouvi algo parecido: uma cerrada parede sonora de riquíssima percussão (cerca de dez percussionistas) e um batalhão de 20 sopros, em média.

Lembra o Olodum, mas também uma poderosa big band como a de Stan Kenton, por exemplo; lembra algumas passagens dos Choros do Villa; e não lembra ninguém quando se ouve a música com atenção. Opera uma miscigenação fantástica entre a percussão com a qual Villa-Lobos sonhou e a tradição metaleira das big bands norte-americanas. Mas é muito mais do que isso. Letieres funde a telúrica música baiana de caráter basicamente percussivo a roupagens harmônicas modernas.

As composições inspiram-se na cultura rítmica do centro de Salvador, nos toques de orixás da música sacra afrobaiana, em grandes agremiações percussivas, como o Ilê Aiyê, Olodum e em sambas do Recôncavo. O nome Rumpilezz é assim explicado por Letieres: “A Orkestra tem em seu nome a representatividade dos três atabaques do candomblé: o Rum, o Rumpi e o Lé, acrescido do ‘zz’ de Jazz”.

Fulgurante, maravilhoso – a melhor e mais surpreendente aventura musical brasileira de 2010. Não deixe de acessar o site www.rumpile.





João Marcos Coelho - é jornalista e crítico musical, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e apresentador do programa "O que há de novo", da Rádio Cultura FM; é coordenador da área de música contemporânea da CPFL Cultura.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Orquestra Sinfônica de Santo André

Rio de Janeiro:
13/12/2017 - Orquestra Sinfônica de Barra Mansa

Outras Cidades:
16/12/2017 - São José dos Campos, SP - Varvara Nepomnyahchaya (Rússia) - piano
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046