Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Osesp, seus músicos e a busca por um regente (30/6/2010)
Por Leonardo Martinelli

Junho foi um mês especial para quem frequentou os concertos da Osesp. Claro, as apresentações da famosa orquestra paulista são, há tempos, garantia de boa música. Mas neste mês que se encerra os frequentadores da Sala São Paulo foram agraciados com uma sequência de concertos excepcionais, seja pelo repertório em questão, seja pela atuação dos regentes convidados.

Essa verdadeira epifania orquestral iniciou-se com a explosiva apresentação do jovem regente Kristjan Järvi, num programa que incluía Haydn e Bernstein, mas cuja a grande atração era a Sagração da Primavera, de Stravinsky. Por conta da matéria que está publicada na edição de julho da Revista CONCERTO, tive a oportunidade (que depois se revelou num verdadeiro privilégio) de assistir a alguns ensaios e a todas as récitas conduzidas por Järvi. Catarse é a palavra que melhor define a passagem do furacão Järvi pela Rua Mauá. Com pleno domínio da complexa obra de Stravinsky, Järvi deitou e rolou, imprimindo uma interpretação excitante, acelerando nos trechos mais vertiginosos, ao mesmo tempo em que transmitia à orquestra uma rara sensação de segurança, realizando ensaios bem planejados, eficientes e agradáveis (sua gentileza no trato pessoal com os músicos é notável).

Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo [Foto: divulgação]

Superar aquilo que nosso colega de redação Irineu Franco Perpetuo definiu como “um dos melhores concertos da história da Osesp” (opinião com a qual também faço coro) talvez seja difícil, ou mesmo impossível nos mesmos termos que Järvi o fez. Porém, isso não impediu que duas semanas depois a Osesp voltasse a nos deslumbrar com uma excelente apresentação da Sinfonia nº 6 de Mahler.

Sob a regência de Thomas Dausgaard, a orquestra enveredou com bravura por meio das espessas sendas sonoras dessa monumental partitura de Mahler, e mesmo com poucos ensaios (tal como relatado por diversos músicos) creio que realizaram sua melhor apresentação dessa sinfonia. Se com Järvi a Osesp já havia feito a melhor Sagração de sua história (opinião expressa por vários veteranos do grupo) eis que ela se supera em outra difícil obra, tal como um tri-atleta, que vai quebrando diferentes recordes em diferentes categorias.

Por fim, o mês se encerrou com a participação do maestro brasileiro Celso Antunes (nosso entrevistado de edição de junho) com o Stabat Mater de Dvorák. Apesar de não ter o potencial explosivo que as obras de Stravinsky e Mahler encerram, essa obra sacra de Dvorák não deixa de ser uma verdadeira joia, na qual orquestra, coro e solistas reúnem-se em torno de uma sonoridade ao mesmo tempo robusta e delicada. Antunes conduziu com destreza as diferentes partes envolvidas, nos revelando um terceiro tipo de sonoridade com a qual a Osesp se saiu muito bem.

Ao acompanhar praticamente todo o mês da Osesp, fica ainda mais clara a qualidade de seus músicos e o desejo deles em participar de forma ativa de seu processo de consolidação artística. Ao ouvir a orquestra sob o comando de outros regentes, fica explícito aquilo que no momento não é mais segredo para ninguém, isso é, que as atuações de Yan Pascal Tortelier, seu regente titular, não têm correspondido às possibilidades já existentes na orquestra.

Muita água há ainda de passar por debaixo da ponte antes que essa questão seja resolvida de forma definitiva. Fica-se apenas na expectativa de que seja breve e, claro, que seja alguém verdadeiramente comprometido com o grupo e que consiga desenvolver plenamente seus potenciais.





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046