Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Ópera barroca é destaque no Royal Opera House (9/10/2010)
Por Nelson Rubens Kunze

Cansado de reinar, Anfione, rei de Tebas, decide transferir o poder para a sua esposa Niobe. Assim inicia-se o mito grego da ópera Niobe, rainha de Tebas, de Agostino Steffani, compositor nascido na Itália em 1654 e que viveu praticamente sua vida inteira na Alemanha. O regente alemão Thomas Hengelbrock, fundador e diretor do Balthasar Neumann Ensemble, grupo de música antiga, redescobriu e dirigiu a ópera Niobe no Festival de Schwetzingen, em 2008. Agora, com o mesmo grupo e diretor, a ópera é remontada em uma coprodução do Royal Opera House Covent Garden, em Londres, e do Grand Théâtre de Luxembourg.

Steffani pertenceu a uma geração anterior a Bach e Händel, contemporâneo de Corelli, Purcell e Alessandro Scarlatti. Como escreve Colin Timms no programa do espetáculo, “em muitos aspectos a criação de Steffani é típica da ópera italiana entre Cavalli e Händel, ainda que os recitativos sejam normalmente mais líricos e breves, talvez pelo fato de terem sido escritas para públicos não italianos”. Steffani desenvolveu uma destacada carreira musical, mas também atuou como diplomata e na igreja católica, na qual alcançou alta hierarquia no norte da Alemanha. O compositor faleceu em 1728.


Imagem da ópera Niobe, rainha de Tebas

O libreto da ópera, de Luigi Orlandi, baseia-se nos relatos contidos nas “Metamorfoses” de Ovídio, o poeta romano cujas sofisticadas narrativas dos mitos gregos exerceram grande influência nas artes e literatura ocidentais. Niobe, após assumir o reino, ofende os deuses e por eles é castigada com a morte dos filhos. Em sofrimento simbolizado por lágrimas incessantes, Niobe se transforma em pedra.

A montagem do ROH, dirigida pelo alemão Lukas Hemleb (o mesmo que fez a estreia de 2008), é muito boa e emocionante. Com uma linguagem moderna e ótima exploração de efeitos cênicos e de iluminação, que incluíram explosões e fogo, a montagem tem grande apelo visual. E foi ótima a realização musical do conjunto Balthasar Neumann dirigido por Hengelbrock (aliás, Hengelbrock e seu conjunto também foram vencedores da categoria “barroco vocal” do Gramophone Awards 2010, com uma gravação com obras de Bach, Lotti e Zelenka, pelo selo Deutsche Harmonia Mundi).

Interpretação de época, afinação precisa e articulações cuidadosas deram suporte a ótimos solistas vocais, entre os quais se destacaram a protagonista Véronique Gens (Niobe), Lothar Ondinus e Amanda Forsythe (fazendo o casal Tiberino e Manto) e o barítono Bruno Taddia (como Tiresia). Nas óperas barrocas há sempre um desafio natural que é o de equilibrar as potências vocais com o raro registro do contratenor. Niobe exige essa voz logo em três papeis: o rei de Tebas Anfione (o polonês Jacek Laszczkowski), Clearte, o apaixonado por Niobe (o inglês Tim Mead), e o príncipe Creonte (o também inglês Iestyn Davies). Completaram o elenco de solistas a contralto francesa Delphine Galou e o baixo Alastair Miles (Poliferno).

Niobe, rainha de Tebas mostra novamente como é rico e inexplorado e acervo lírico. E é estimulante saber que casas como o ROH – uma das principais referências mundiais – também abrem espaço para produções de títulos antigos (e também contemporâneos), o que com certeza revaloriza e cria novas perspectivas de apreciação para o repertório tradicional.

Nelson Rubens Kunze, Londres, 29 de setembro de 2010





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046