Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 18 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Klein no Municipal: agora vai? (13/10/2010)
Por Irineu Franco Perpetuo

Deslocada de sua sede, desprestigiada, e desprovida de programação digna de nota, a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo deu o primeiro passo para sair da crise. Um dos mais respeitados músicos brasileiros, o regente e oboísta gaúcho radicado em Curitiba Alex Klein, 46, assumiu a chefia da orquestra.

Lembrando: em 27 de maio, 21 chefes de naipe da OSM redigiram carta pedindo a saída de Rodrigo de Carvalho do comando da sinfônica. Uma votação interna teve resultado eloquente: foram 88 votos contra o maestro, e quatro a seu favor.

Era a crise. A diretora do Teatro Municipal, Beatriz Franco do Amaral, imediatamente entrou em férias. Os músicos começaram a se queixar de ameaças de retaliações, como o cancelamento de seus contratos e até a extinção da orquestra. Eram pressionados a uma retratação pública, enquanto o discurso das autoridades fazia crer que o Municipal vivia um clima de felicidade e fartura digno do romance infanto-juvenil Poliana (1913), da norte-americana Eleonor H. Porter (1968-1920).


Alex Klein [Foto: divulgação]

Felizmente, contudo, as mesmas autoridades que negavam haver uma crise começaram a trabalhar para solucioná-la. E, enquanto parecia claro não haver mais clima para Carvalho seguir à frente da orquestra, foram abertas negociações com o maestro Abel Rocha, bem como com os três nomes surgidos da lista tríplice que emergiu em votação interna da sinfônica: Alex Klein, Carlos Moreno e Luiz Fernando Malheiro.

A escolha recaiu sobre Klein, que, em busca de recuperar o tempo perdido, marcou seu concerto de estreia para o mais cedo possível: 15 de outubro. Ainda na acanhada Sala Olido, já que a arrastada reforma do Municipal não deve acabar antes do ano que vem.

Extremamente respeitado como oboísta, Klein já tinha regido alguma das melhores orquestras do Brasil como convidado desde que a distonia focal o obrigou a restringir suas atividades como instrumentista. A OSM tem tudo para ser seu ponto de virada como regente: é o primeiro grande emprego de responsabilidade que ele assume na nova carreira. A favor, ele conta com o respaldo dos integrantes da orquestra, além da elevada reputação como músico. Contra, a falta de experiência em um campo no qual se espera que a OSM volte a atuar com desenvoltura: a ópera.

A torcida é para que Klein rapidamente consiga resgatar a autoestima e a qualidade de uma orquestra que, até pouco tempo atrás, era vista como a segunda de São Paulo e, contudo, passou a sofrer um desgaste e uma desvalorização incompatíveis com seus méritos e a sua história. Torcemos ainda para que ele receba o respaldo e as condições de trabalho que permitam à orquestra recuperar o posto que merece com uma das mais notáveis instituições musicais do Brasil. Força, Alex!





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

18/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046