Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Sexta-Feira, 23 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Jessye Norman, uma voz a serviço do jazz (30/10/2010)
Por Camila Frésca

“Acho que estar feliz comigo mesma e ter algo de novo para fazer é o que me mantém atuando”. Foi com essas palavras que Jessye Norman justificou as escolhas de seu último trabalho, o CD “Roots: my life, my song”, em recente entrevista para a revista Gramophone, publicada na edição de setembro da Revista CONCERTO. E foi a turnê desse tão comentado álbum que o público de Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e Paulínia pode conferir nos últimos dias. Baseados nas canções do disco (dedicado ao jazz e à música norte-americana), os recitais da cantora contaram apenas com o acompanhamento do pianista norte-americano Mark Markham. Na sexta-feira, dia 22, ela se apresentou no Teatro Bradesco, em São Paulo, para uma plateia que incluía artistas e políticos.

Jessye abriu a récita com Somewhere, canção de Bernstein para o musical West side story, mostrando uma voz um tanto frágil e cansada. Aos poucos, porém, não apenas a voz como todo o concerto foram se “aquecendo”, o que se refletiu inclusive na postura da artista – de início imóvel ao lado do piano e paulatinamente passando a se movimentar. Além de Bernstein, canções de Rodgers and Hammerstein, George Gershwin e Harold Arlen integraram a primeira parte, toda dedicada aos musicais.


Jessye Norman [Foto: divulgação]

Mas foi a segunda parte do programa que reservou o melhor da noite. No impactante spiritual Another man done gone, Mark Markham acompanhou Jessye pontuando ritmicamente a canção com murros pausados no piano. A canção foi dedicada a Odetta Holmes, cantora de folk. A partir daí, cada uma das peças homenageava um grande nome da música popular norte-americana. O destaque ficou para uma memorável versão de Summertime, de George Gershwin, que a artista dedicou a Ella Fitzgerald. O público que aprendeu a admirar a artista por sua excepcional carreira como soprano pode ter uma pequena centelha desse repertório com a Habanera, da ópera Carmen, que ela cantou no bis.

Talvez o que mais tenha chamado a atenção foi a forte presença cênica de Jessye Norman, com a segurança, desenvoltura e magnetismo que só os grandes artistas possuem. Como em alguns concertos na Europa, em São Paulo ela optou por utilizar um microfone, o que além de ser adequado ao tipo de música e tamanho do teatro em que cantou, permitiu que explorasse com maior tranquilidade o registro grave de sua voz. Se Jessye não improvisa como uma Ella ou Sara Vaughan, seu acabamento e sutileza em algumas frases é algo raro de se encontrar num artista popular. O que ficou patente, no entanto, foi sua alegria em interpretar esse repertório. Não por acaso, na mesma entrevista à Gramophone, ela declarou: “Quero fazer mais a música que Carmen McRae cantava. Quero olhar para a música e ver o que Billy Eckstine estava fazendo (...) Não é que eu não ame loucamente Wagner, Berlioz e o resto, mas estivemos juntos durante muito tempo, nosso casamento foi um sucesso e agora tenho outros namorados.”





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

25/2/2018 - Julio Paravela - piano

Rio de Janeiro:
25/2/2018 - Orquestra Petrobras Sinfônica

Outras Cidades:
23/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046