Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Aperitivo saboroso (29/3/2011)
Por Nelson Rubens Kunze

Uma abertura de Wagner, as Quatro últimas canções de Strauss e a Messa di Gloria de Puccini: foi esse o aperitivo que o maestro Abel Rocha e a Orquestra Sinfônica Municipal serviram no último domingo na Sala São Paulo, na primeira atuação do novo regente titular e diretor artístico do Teatro Municipal de São Paulo. O repertório sublinhou as breves palavras do maestro ao início do concerto: recuperar a vocação lírica do Teatro Municipal com uma programação que privilegie as vozes e seu ótimo Coral Lírico. Abel Rocha também anunciou a primeira ópera do ano, Pagliacci de Leoncavallo, que será encenada ao ar livre no Pátio do Colégio durante a próxima Virada Cultural (dias 16 e 17 de abril).

É natural que uma primeira apresentação com um grupo desmobilizado e um maestro estreante apresente irregularidades – especialmente considerando a exigência do repertório. Mas é inegável que faz tempo que a orquestra não apresentava um concerto tão empolgante, com um desempenho que foi em um crescendo do começo ao fim. Se a abertura da ópera Os mestres cantores de Nürnberg de Richard Wagner (1813-1883) soou um pouco muito espalhafatosa (há quem diga que ela deve mesmo soar assim!), as canções já mostraram a sinfônica realçando detalhes da rica textura harmônica da partitura do compositor alemão Richard Strauss (1864-1949). E foi excelente a participação da soprano Eiko Senda. De voz poderosa e musicalidade natural, Senda interagiu perfeitamente com a orquestra. Foi especialmente tocante a terceira canção, Indo dormir, com a orquestra acompanhando com sensibilidade e logrando projetar toda a carga dramática da obra.

Mas foi a Messa de Gloria de Giacomo Puccini (1858-1924) o ponto alto da tarde. A obra foi uma ótima escolha também para demonstrar as potencialidades do Teatro Municipal. Além de boa atuação do Coral Lírico – que tem direção de Mário Zaccaro – a apresentação da Sala São Paulo contou com ótimas atuações dos solistas Miguel Geraldi, Leonardo Neiva e Sávio Sperandio. Também aqui o maestro Abel Rocha, com seus gestos largos, deu prova de perfeita compreensão da partitura e senso natural para desenvolver com maestria o discurso musical.

Sem dúvida, o concerto foi um início auspicioso de, assim se espera, uma nova fase do combalido Teatro Municipal de São Paulo. Maestro, solistas, orquestra e coro deram provas de que a parte artística funciona. Resta ver se o elefante branco não vai atravancar as coisas...





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

29/10/2017 - Orquestra Nacional do Capitólio de Toulouse

Rio de Janeiro:
21/10/2017 - Lucas Thomazino, Rosana Diniz e Antonio Vaz Lemes - pianos, Bernardo Bessler - violino e Fernanda Kremer e Rodrigo Foti - percussão

Outras Cidades:
25/10/2017 - Curitiba, PR - III Festival de Ópera do Paraná
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046