Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Hermanos, compañeros de crise (3/4/2011)
Por Marcos Fecchio

O Teatro Colón, de Buenos Aires, parece ter conseguido um feito: o de reunir algo parecido com as crises da Orquestra Sinfônica Brasileira e do Municipal de São Paulo, porém em outro contexto. A versão portenha do conflito não é nada nova, já dura quase 20 anos, porém seu mais recente capítulo tem a curiosa coincidência da demissão de 41 músicos, o mesmo número de instrumentistas que podem ser demitidos na Orquestra Sinfônica Brasileira.

Para nós brasileiros, é invejável a reputação que gozou o também centenário Colón, sendo por décadas roteiro das grandes montagens internacionais de ópera. Tinha a fama de ser um dos melhores do mundo, mas o conflito da máquina administrativa estatal com os sindicatos e agremiações de músicos conseguiu minar gradualmente a força e importância do teatro, colocando-o em uma vergonhosa e profunda crise.


Teatro Colón [Foto: divulgação]

A longa reforma do teatro criou a expectativa de um retorno triunfal e vitorioso, da Fênix que voltaria a ter suas penas a reluzir. O investimento pesado do Governo restaurou completamente o teatro e modernizou as instalações, mas o cerne do problema permaneceu intacto. Com a reabertura recente do Colón, em 24 de maio de 2010, se intensificaram os conflitos, boicotes, assembleias e paralisações, inclusive com o cancelamento de apresentações na hora do concerto, com a casa lotada.

O diretor do Colón, Pedro Pablo García Caffi, disse que a atual gestão pretende melhorar os salários e as condições de trabalho, mas que enfrenta uma política abusiva das agremiações, caracterizadas pela insubordinação e pela indisciplina. Já os músicos e funcionários questionam a política dos gestores e reivindicam seus direitos e perdas.

Após a Orquestra do Colón aceitar se apresentar na semana passada com Plácido Domingo em um grande concerto em frente ao obelisco da Avenida 9 de Julho (e não no Colón!), o Ministro da Cultura da Argentina, Hernán Lombardi, chegou a afirmar que a iniciativa ajudaria a encontrar um caminho para resolver o conflito, mas 41 músicos acabam de receber por telegrama o comunicado da rescisão de seus contratos.

García Caffi afirmou ainda que “não se trata de ‘demissões’, mas sim de contratos que não tiveram continuidade”, e disse ainda que apesar das represálias, o teatro não será fechado.

O advogado de alguns dos dispensados lamentou a decisão justamente no momento em que havia um sinal importante para recompor as relações, dizendo que o Governo voltava a mostrar sua arbitrariedade na solução do conflito.

As realidades das duas orquestras do Rio e de São Paulo têm contextualizações distintas, realidades diferentes daquela de Buenos Aires, mas a essência dos problemas da gestão estatal ineficiente, dos conflitos com as agremiações, muitas vezes corporativistas, e a difícil e conturbada busca por elevar o nível da orquestra e os salários, são constantes e pontos comuns.

Nestes casos, muitas das semelhanças infelizmente não são mera coincidência.





Marcos Fecchio - é editor de web da Revista CONCERTO, coordenador de comunicação e projetos especiais da CLÁSSICOS Editorial e editor do Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Ópera Falstaff, de Verdi

Rio de Janeiro:
16/12/2017 - Linda Bustani - piano

Outras Cidades:
21/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Oratório O Messias, de Händel
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046