Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Viva a revolução! Viva a revolução? (11/4/2011)
Por Nelson Rubens Kunze

Mudanças estruturais são traumáticas, não tem jeito. Curioso é notar que agora, nessa crise da OSB, se identifique o espírito revolucionário da transformação nos músicos rebelados: abaixo a tirania do maestro, abaixo a desumanidade, abaixo o desrespeito!

Sem entrar no mérito do suposto autoritarismo do maestro – ninguém está defendendo métodos ditatoriais no relacionamento com os instrumentistas! –, não vejo os músicos contestando a antiquada estrutura de funcionamento de nossas sinfônicas. Ao contrário, os músicos agem pela manutenção do status quo, querendo deixar tudo do jeito que está – ou melhor, do jeito que estava. E a realidade que se tem por todo o Brasil, com raras exceções, são orquestras lutando no limiar da sobrevivência, músicos com diversas atividades paralelas, nenhuma segurança trabalhista e todas outras mazelas conhecidas...

A Fundação OSB (Fosb) e o maestro Roberto Minczuk quiseram mais. Eles já tinham reunido um conselho de personalidades de peso, criado uma administração organizada, logrado sensibilizar patrocinadores e resgatado uma orquestra desmantelada. Agora, a Fosb e o maestro Minczuk imaginaram ir além. Querem dar o salto definitivo, propondo a criação de uma orquestra moderna, que tivesse músicos com dedicação integral, bem remunerados, com vínculos trabalhistas dignos; querem uma orquestra moderna que possa oferecer com qualidade o patrimônio da música universal, que possa dialogar com a criação contemporânea, que possa fazer turnês e gravar CDs; enfim, querem uma orquestra que possa se medir pelas grandes e centenárias orquestras mundiais. E isso tudo na expectativa de finalmente, após 70 anos, conquistar uma sede, a Cidade da Música (agora rebatizada Cidade das Artes).

Mas a Fundação OSB e o maestro Minczuk erraram. Não atentaram, ao longo desses anos, na deterioração do relacionamento com os músicos, afinal, o principal patrimônio da orquestra. Uma mudança estrutural da importância que a Fosb pretende evidentemente não deveria ter sido planejada sem a participação dos músicos. E, mais tardar quando se configurou o litígio – que ficou patente na resistência dos músicos em participar da malfadada avaliação de desempenho –, a Fosb deveria ter reavaliado as suas ações.

Apesar de tudo isso, não se pode imputar a morte da OSB às iniciativas da Fosb ou ao maestro Roberto Minczuk. Há um registro de cinco anos de trabalhos realizados, que atesta o intuito de renovação e modernização e que demonstra o compromisso da direção da orquestra com a construção de uma nova realidade para a orquestra. Senão, o que dizer das últimas temporadas da OSB, que recolocaram a orquestra no mapa da música sinfônica nacional? (sem desmerecer o empenho e a abnegação de grandes maestros que, no entanto, não conseguiram agregar as forças para resultados duradores...). A morte da OSB não vem pelo projeto de dar-lhe o status que ela merece. A morte da OSB virá, sim, por uma resistência retrógrada a transformações e por posturas reacionárias que minam o talento e a excelência.

Infelizmente, o mais recente capítulo dessa crise, o protesto da OSB Jovem no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, não foi construtivo, nem revolucionário, nem demonstrativo de alguma altivez cívica de nossa juventude. A manifestação, da maneira que foi levada a cabo, não deu expressão às discordâncias com as demissões ou às atitudes incompetentes da direção da orquestra. O ato de deixar o maestro subir ao palco para, no momento do início, se deparar com a orquestra em debandada, configurou uma das mais cruéis, rasteiras e desonestas humilhações a que se pudesse expor a pessoa do maestro Roberto Minczuk. Curioso que o documento distribuído pelos jovens músicos clama por respeito e dignidade...

Oxalá o episódio possa ser relevado e não envenene o difícil acordo esboçado na última sexta-feira. As discordâncias já foram escancaradas. Esperemos que a Fosb e os músicos – curtidos na luta – encontrem a necessária humildade para firmar um consenso.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

28/10/2017 - Fabio Luz - piano

Rio de Janeiro:
27/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
27/10/2017 - Campinas, SP - Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046