Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Prefeito sanciona Fundação Teatro Municipal de São Paulo (27/5/2011)
Por Nelson Rubens Kunze

Em coletiva de imprensa realizada hoje (27 de maio de 2011) no auditório da Prefeitura de São Paulo, Gilberto Kassab sancionou a lei que cria a Fundação Teatro Municipal de São Paulo. A expectativa é de que, dessa maneira, o Teatro Municipal ganhe autonomia para uma administração mais eficiente. Diferentemente da Fundação Osesp, que é uma fundação de direito privado, a fundação do Teatro Municipal será uma fundação de direito público, portanto, tutelada pelo poder público. Assim, o Conselho Deliberativo da nova Fundação, órgão máximo na hierarquia da nova estrutura, terá entre seus 11 membros 5 indicados pelo governo e será presidido pelo secretário da cultura. “Não será uma fundação em que o governo determinará de cima para baixo o que deverá ser feito”, disse, contudo, o secretário Carlos Augusto Calil na audiência pública em defesa de seu projeto. “Terá de haver negociação entre os funcionários, os representantes dos funcionários e dos artistas, os representantes da sociedade e os membros do governo. Parece-me uma composição bastante democrática.”

No prazo de um ano, todas as atribuições hoje desempenhadas pelo departamento de teatros da Secretaria de Cultura passarão à nova Fundação, que, além do conselho deliberativo, terá uma diretoria geral, um conselho fiscal e quatro diretorias setoriais (artística, de formação, de produção executiva e de gestão).

Um dos principais pontos da nova lei é que ela também autoriza a celebração de contratos de gestão com organizações sociais (OS) nos moldes do que já ocorre no âmbito do Estado. Assim, por meio de um contrato entre a nova fundação e uma OS – para a contratação dos artistas – o governo pretende dar uma solução ao imbróglio jurídico em que se transformaram as relações trabalhistas vigentes no Teatro Municipal.

Em relação à controvérsia que ainda cerca o conceito das organizações sociais, o Secretário Calil argumentou: “Insisto, pois isso pode ser objeto de confusão, que [no caso da Fundação do Teatro Municipal] não se trata de uma fundação privada como é a Osesp, trata-se de uma fundação pública. Portanto, não se pode falar em privatização. [...] A OS [que celebrará o contrato com a nova Fundação] será uma prestadora de serviços para o Teatro, ou seja, ela executará um contrato de gestão no qual as atribuições serão dadas pelo Conselho do Teatro Municipal. Ela não excederá o Teatro, ela estará sob o controle dos órgãos de governança corporativa do Teatro Municipal. Portanto, não se trata de entregar o Teatro Municipal e seu patrimônio na mão de uma entidade privada, que teria toda a liberdade de geri-lo; ela terá a liberdade e o mandato que lhe forem atribuídos. Basicamente, será a contratação dos corpos artísticos e das produções artísticas”.

Outro ponto que gera polêmica é a estrutura das diretorias que, ao invés de agrupar as entidades pelo gênero artístico a que pertencem, optou por separá-las em relação a sua finalidade. Assim, enquanto os organismos profissionais (Orquestra Sinfônica Municipal, Corais e Balé da Cidade) foram agrupados na diretoria artística, as entidades de ensino, às quais foi incluída a Orquestra Experimental de Repertório, foram agrupadas na diretoria de formação. Com isso, argumentam os críticos, se perderia um percurso muito mais orgânico e natural de formação e atuação profissional, que, no caso da música, se iniciaria na Escola Municipal de Música e Orquestra Jovem, passaria pela Experimental de Repertório para finalizar nos Coros e na Orquestra Sinfônica Municipal.

Com todas as polêmicas que cercam uma reforma administrativa dessa magnitude, estava na hora de uma modernização na antiquada estrutura do Teatro Municipal – como repetidas vezes reivindicamos aqui na Revista CONCERTO. Apesar de justos receios em relação à complexidade arrevesada da solução proposta – fundação pública com organização social –, acreditamos que o projeto sinaliza um divisor de águas na história da instituição. Se o novo modelo vier aliado ao indispensável apoio governamental – como vimos a fundação pública que se implantará será fortemente tutelada pelo governo –, o teatro poderá finalmente oferecer uma programação digna para a maior cidade do país, bem como atender às demais missões a que se propõe. Lutemos para que a nova fundação seja de fato capaz de dinamizar o funcionamento da instituição – seria o melhor presente ao Teatro Municipal no ano de seu centenário.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
16/12/2017 - Linda Bustani - piano

Outras Cidades:
15/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046