Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Henrique Oswald, um grande nome do romantismo brasileiro (27/6/2011)
Por Camila Frésca

Há exatos 80 anos morria no Rio de Janeiro Henrique Oswald. O compositor carioca, nascido em 1852, foi um dos mais importantes músicos e sua geração. Tendo passado boa parte da vida na Europa, a produção de Oswald destoa da estética nacionalista que influenciou quase todos os compositores brasileiros do final do século XIX e início do século XX – suas obras são embebidas num forte romantismo europeu. Provavelmente por isso, ele permaneceu à margem das discussões e preocupações de músicos e musicólogos brasileiros até algumas décadas atrás. Trata-se, no entanto, de um compositor cujas obras sofisticadas são equiparáveis às dos melhores compositores românticos europeus.

A importância de Henrique Oswald tem sido reconhecida principalmente a partir da década de 1980, com o trabalho do professor e pianista José Eduardo Martins. Suas pesquisas sobre Henrique Oswald renderam, além de uma tese de doutorado que virou livro, artigos, edições críticas e a gravação de um CD com as obras Quarteto para piano e cordas op.26, Sonata-fantasia op.44 (para violoncelo e piano) e Concerto para piano e orquestra op.10, em versão para piano e quinteto de cordas do compositor. No livro Henrique Oswald: músico de uma saga romântica (Edusp, 1995) Martins faz um levantamento biográfico bastante minucioso do compositor, incluindo as atividades como professor e características pessoais e psicológicas. A última parte é dedicada à obra para piano solo de Oswald, que representa a maior parte de sua produção.

A trajetória de Henrique Oswald revela uma história tantas vezes observada na música brasileira: a do jovem talento, apoiado pelos pais, elogiado por professores e que trava uma luta contínua, até o final da vida, pela sobrevivência e estabilidade financeira. O talento é reconhecido pelos colegas e pela crítica, ainda que não em larga escala pelo público; a proximidade ou simpatia por parte do governo permite estudo no exterior e/ou pensões; as obras rendem prêmios e algum reconhecimento internacional. Mas nada disso permite que o compositor viva exclusivamente de seu trabalho como compositor e sequer como músico e professor, obrigando-lhe a assumir compromissos profissionais que nada têm a ver com sua área.

Na análise que faz do perfil artístico e psicológico do compositor, José Eduardo Martins traz informações interessantes. Para ele, se os modelos de Oswald são românticos e sua estrutura é a de um médio burguês, seu olhar, no entanto, é aristocrático: “Henrique Oswald procura desde a infância enobrecer-se, não se misturar. A iconografia do compositor é clara. Sempre o olhar altivo, onde a inspiração aristocrática pode estar presente em um músico pertencente à média burguesia, que assistiu ao declínio rápido de uma classe por ele almejada”.

Além do excelente livro de Martins, uma boa fonte de informações sobre Henrique Oswald é o site www.oswald.com.br. Desenvolvido e mantido pela família do compositor, nele é possível ter acesso a fotografias e recortes de jornal, ouvir obras em mp3 e fazer download de algumas partituras.


Imagem: Selo comemorativo lançado pelos Correios 
por ocasião do centenário do compositor.





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

21/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
14/12/2017 - Orquestra Sinfônica da UFRJ e Coral Brasil Ensemble - UFRJ

Outras Cidades:
15/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046