Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 17 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
OSB do B: a nova Sinfonia Cultura? (6/9/2011)
Por Irineu Franco Perpetuo

Depois de trocas de acusações pela imprensa, boicotes internacionais e uma barulhenta campanha na internet, a crise na OSB parece finalmente ter chegado ao fim. Os músicos que haviam se recusado a se submeter às “avaliações de desempenho” da sinfônica, e demitidos em consequência disso, agora serão reintegrados à instituição, formando uma nova orquestra, a respeito da qual nada se sabe - nem o nome.

O maestro Roberto Minczuk teve que abdicar da direção artística da OSB, mas sua cabeça, pedida com ênfase pelos demitidos, não lhes foi concedida. Então fica assim: de um lado, uma orquestra com mega salários, regida por Minczuk, tocando com solistas de quilate internacional. Do outro, músicos que não terão que aturar Minczuk, e continuarão no regime de trabalho antigo e com seus velhos salários. OSB “moderna” e OSB “Ancien Régime”: dois grupos antagônicos, que se xingaram durante meses, agora reunidos sob o teto da Fundação OSB. Se fosse aqui em São Paulo, diriam que a crise “acabou em pizza”.

A imprensa tem tratado a solução como inédita, mas não é bem assim. Com atraso, a OSB parece ter adotado estratagema similar ao empregado nas reformulações da Osesp e da Filarmônica de Minas Gerais.

Em Belo Horizonte, a denominação antiga (Sinfônica de Minas Gerais) ficou com os músicos que não quiseram entrar na nova estrutura, enquanto a orquestra “turbinada” adotou um nome novo (Filarmônica de Minas Gerais).

Já em São Paulo, a grife da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo permaneceu com o grupo que encampou a nova forma de trabalho, enquanto os músicos que não quiseram entrar no regime implantado por John Neschling ficaram em uma orquestra chamada Sinfonia Cultura, ligada à Fundação Padre Anchieta (e, portanto, à Rádio e Televisão Cultura).


Maestro Lutero Rodrigues, regente da extinta Sinfonia Cultura [foto: divulgação]

A breve e desafortunada história da Sinfonia Cultura deveria servir de alerta a quem acha que todos os problemas da OSB foram sanados com a criação da “OSB do B”. Desprestigiada e tratada como “refugo da Osesp”, a orquestra a duras penas conseguiu consolidar uma programação e uma linha de atuação quando o maestro Lutero Rodrigues centrou o foco de atuação do grupo na música brasileira de concerto.

Mesmo sem badalação, carecendo de recursos e lutando para sobreviver, a Sinfonia Cultura incomodava os poderosos sátrapas da Sala São Paulo apenas e tão somente por existir. Até que, com uma canetada, em janeiro de 2005, ela foi simplesmente aniquilada. De nada adiantaram os protestos: seus músicos foram para o olho da rua e, há seis anos, não temos mais orquestra que faça da música de nosso país seu principal foco e razão de ser.

Não estou dizendo que o mesmo tipo de “limpeza étnica” vá acontecer com a “OSB do B”. Mas acho que esse é um daqueles casos em que vale a pena contar de novo a História, justamente porque não desejamos que ela se repita.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
17/1/2018 - Duo Roberto Taufic - violão e Gabriele Mirabassi - saxofone

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046