Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 21 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
"O menino e os sortilégios": para uma ópera infantil, montagem de gente grande (14/10/2011)
Por Irineu Franco Perpetuo

Nem Rigoletto, nem Oitava de Mahler: por enquanto, a melhor produção vocal paulistana de 2011 é a ópera O Menino e os Sortilégios, de Ravel.

Na montagem de Rigoletto que deveria comemorar seu centenário, o Teatro Municipal de São Paulo cuidou de tudo, menos daquele pequeno detalhe chamado elenco. Como resultado, fomos submetidos a cantores “internacionais” de escasso talento e carisma, com um desempenho que na mais generosa e otimista das hipótese poderia ser qualificado de rotineiro.

Já a esperadíssima e raramente feita Oitava, que deveria ser o ápice do ciclo Mahler que a Osesp vem empreendendo desde o ano passado, foi prejudicada por um grosseiro erro de montagem de palco: os oito cantores solistas foram confinados atrás da massa orquestral, com suas vozes amplificadas por microfones. Mesmo com esse condenável recurso eletrônico, alguns nem assim se fizeram ouvir, e o resultado foi uma maçaroca sonora, em episódio incompatível com a imagem de paradigma nacional de excelência que a Osesp construiu para si ao longo das últimas décadas.

Felizmente, esse amadorismo passou bem longe de O Menino e os Sortilégios, a breve (será que não dava para ter feito um programa duplo com L'Heure Espagnole?)  ópera infantil de Ravel com a qual o maestro Jamil Maluf marcou a participação da sua Orquestra Experimental de Repertório na temporada 2011 no Municipal.

A ópera pode ser para crianças, mas a realização foi de gente grande. Em um certo sentido, Maluf reciclou a fórmula que tão bons resultados já havia dado na inesquecível encenação de João e Maria, de Humperdinck, um dos melhores títulos da história recente do Municipal: uma ópera infantil, traduzida ao português para aumentar a comunicação com as crianças da plateia, com os encantadores recursos de teatro negro da Imago Cia de Animação e tendo como protagonista aquela que possivelmente é a melhor cantora lírica radicada no Brasil, a mezzo-soprano Denise de Freitas.

Em torno do talento e do carisma de Denise, girou um elenco equilibrado, cheio de papéis pequenos, dentre os quais talvez valha destacar as coloraturas da soprano Caroline de Comi como o Fogo e o talento histriônico do tenor Paulo Queiroz, que está se tornando um mestre em comprimários, ao lado de nomes mais badalados como Luciana Bueno, Luisa Francesconi e Gabriella Pace.

A direção meticulosa de Livia Sabag soube evocar um universo infantil mágico e de bom gosto, enquanto no fosso de orquestra Jamil Maluf realizou uma leitura fluente e rica em matizes, extraindo da Orquestra Experimental de Repertório o colorido sutil e as diferenças de ambiente que marcam cada uma das pequenas cenas da criação de Ravel. Maluf até providenciou um luthéal, o piano preparado especial que o compositor francês previu para a partitura, e que foi manejado com destreza e refinamento por Érika Ribeiro. A versão em português até que funcionou, embora, por questões de prosódia, por vezes se empregasse a ordem inversa e algumas construções verbais que podiam ser algo complexas para o público infantil.

No fim, fiquei com aquele gostinho de quero mais, e arrependido por não ter levado ao Municipal Helena, minha sobrinha de dois anos que é fã da Flauta mágica. Resta-me agora torcer para que os Sortilégios tenham a mesma sorte de João e Maria, e mereçam reprises que permitam que essa obra-prima do século XX seja apreciada por um número maior de crianças de todas as idades.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

23/2/2018 - Coro da Osesp

Rio de Janeiro:
21/2/2018 - Cecília Guimarães, Maria Helena de Andrade, Fernanda Cruz, Adriana Kellner e Ezequiel Peres - pianos

Outras Cidades:
22/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046