Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
"Bohème" em BH: uma grande Mimì em uma montagem precária (27/10/2011)
Por Irineu Franco Perpetuo

Nem só de Gustavo Dudamel vivem as glórias musicais do badalado El Sistema, da Venezuela. Enquanto Edicson Ruiz abrilhanta o naipe de contrabaixos da Filarmônica de Berlim e Diego Matheuz sacode sua batuta à frente da Orquestra Mozart (de um certo Claudio Abbado) na cidade italiana de Bolonha, o Brasil teve a chance de conhecer o talento da soprano Mariana Ortiz.

No papel de Mimì, a venezuelana foi o grande destaque da montagem de La Bohème recentemente levada à cena no Palácio das Artes, em Belo Horizonte. Além de possuir o tipo vocal e físico adequado a Mimì, e de se fazer ouvir o tempo todo (tarefa nada fácil na ingrata acústica do Palácio), Ortiz foi a integrante mais musical do elenco, com um fraseado inteligente e elegante. Foi um prazer ouvir seus crescendos e diminuendos, bem como o dueto no terceiro ato com o Marcello de Leonardo Neiva, que cantou com a solidez habitual.


Cena da ópera La Bohème, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte [foto: divulgação/Paulo Lacerda]

Capítulo à parte foi o veterano Rio Novello, que demonstrou ainda possuir um centro grave poderoso ao encarnar os pequenos papéis de Benoit e Alcindoro. Barítono de carreira internacional e viúvo da inesquecível Neyde Thomas, Novello é um dos grandes professores de canto do Brasil - difícil imaginar homenagem mais oportuna, merecida e tocante.

Se no papel de Museta Fabíola Protzner empregou uma voz com volume e desenvoltura cênica, o  Rodolfo do tenor Marcos Paulo constituiu o maior problema vocal, com uma caracterização apaixonada do personagem prejudicada por dificuldades de projeção, agudos instáveis e tendência a gritar. Do fosso, os sons produzidos pela Filarmônica de Minas Gerais, como tem sido o hábito dessa excelente orquestra, eram agradáveis; contudo, Roberto Tibiriçá aqui parecia menos inspirado do que na Traviata anteriormente feita no mesmo teatro e, entre atrasos e desencontros, a leitura soou fria e insípida.

A direção cênica foi assinada por um triunvirato: Luiz Aguiar como régisseur, Marcelo Cordeiro como assistente de direção e Henrique Passini como encenador (pelo que dizem, chamado de última hora para “salvar” o espetáculo).

O fato é que o colegiado não funcionou. Cenários, iluminação e figurinos pareciam pertencer a três espetáculos diferentes; os elementos não dialogavam entre si e careciam tanto de impacto plástico e visual como de força teatral. O Palácio das Artes tem o mérito de vir produzindo ópera com qualidade e regularidade nos últimos anos - tendo virado, por causa disso, uma bem-vinda exceção no instável operístico nacional. Nessa Bohème, infelizmente, a casa ficou abaixo do bom nível que nos acostumamos a esperar dela.


Irineu Franco Perpetuo viajou a Belo Horizonte a convite do Palácio das Artes e assistiu à récita do dia 22 de outubro.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

22/10/2017 - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Rio de Janeiro:
29/10/2017 - Ópera Liquid Voices: A história de Mathilda Segalescu, de Jocy de Oliveira

Outras Cidades:
20/10/2017 - Jacareí, SP - Ópera La Traviata, de Verdi
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046