Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 19 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Uma "Tosca" tradicional e leve em Belém do Pará (10/10/2011)
Por Irineu Franco Perpetuo

Vozes leves, encenação tradicional e uma orquestra surpreendente: fui a Belém ver Tosca e acabei não me arrependendo. A montagem da ópera de Puccini inaugurou, na última terça-feira, dia 8, a 10ª edição do Festival de Ópera do Teatro da Paz. Como acústica, arquitetura e entorno, não exagero ao afirmar que se trata de minha casa de ópera brasileira predileta: depois de oito meses fechado, o teatro de 1878 exterminou os cupins, conservando a beleza interna e externa, a sonoridade extremamente favorável a orquestra e vozes, em uma cidade charmosa e encantadora.

Como nível artístico, não há como não comparar o festival ao co-irmão que acontece em Manaus. Neste quesito, o evento paraense historicamente sempre acabou ficando algo à sombra do amazonense, mais antigo e mais ousado.


Ópera Tosca no Teatro da Paz, em Belém do Pará [foto: divulgação/ Eunice Pinto-Agência Pará]

Contudo, mesmo sem atingir as culminâncias do Festiv al Amazonas de Ópera, que, neste ano, emplacou versões memorávies do Diálogo das Carmelitas, de Poulenc, e do Tristão e Isolda, de Wagner, Belém deu um passo do tamanho da perna e se saiu com uma Tosca digna - o que, levando em conta os vexames a que de quando em vez somos submetidos em São Paulo, não é pouca coisa.

O jovem elenco nacional trazia um luxo - o soberbo Saulo Javan como sacristão -  e três vozes leves nos papéis principais. A química entre os cantores funcionou, e mais sólido deles foi o Scarpia de Rodrigo Esteves, que já havia cantado o mesmo papel no Teatro São Pedro, e demonstrou autoridade.

Silviane Bellato, que até então vinha cantando como soprano lírico, arriscou a mudança de registro vocal, navegando em águas mais dramáticas e perigosas com o papel-título da ópera. Talvez sua voz corra menos do que a de Javan ou Esteves, mas construiu uma Tosca intensa, bem caracterizada do ponto de vista cênico e bastante musical.


Cena do primeiro ato da ópera Tosca [foto: divulgação/ Eunice Pinto-Agência Pará]

Já Eric Herrero é um tenor que parece estar forçando a voz para pesá-la antes do tempo. Nessa operação, o vibrato soou excessivo e o nervosismo da estreia talvez possa ser responsabilizado pelos desencontros com a orquestra em suas duas árias e no dueto final com Bellato. De qualquer modo, a performance foi crescendo ao longo da récita, o material vocal é bom, e cenicamente ele se revelou um Cavaradossi crível e apaixonado.

Mauro Wrona optou por uma direção tradicional e sem arroubos, buscando seguir as indicações de Puccini e transmitir a trama de Tosca com clareza ao público. Conseguiu. Mas talvez a maior façanha tenha sido a do maestro Carlos Moreno, comandando a Orquestra Sinfônica do Teatro da Paz.

Tradicionalmente, a orquestra é o calcanhar de aquiles do festival - por mais enxertos que se fizessem, a coisa ali nunca funcionava. Pois bem: com os enxertos, mas também com a novidade chamada Moreno, o grupo soou homogêneo e profissional nos dois primeiros atos da ópera, decaindo no terceiro. O titular da Orquestra Sinfônica de Santo André não é um dos primeiros nomes que vêm à mente quando pensamos em regentes brasileiros de ópera, mas talvez devêssemos olhar para ele com mais atenção.  


Cena da ópera Tosca, de Puccini [foto: divulgação/ Eunice Pinto-Agência Pará]





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

19/1/2018 - Duo Fryvan

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046