Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Quinta-Feira, 2 de Julho de 2015.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 
 
 
Vicente Salles faz 80 anos (5/12/2011)
Por Camila Frésca

No último dia 27 de novembro, uma figura importantíssima para a musicologia brasileira completou 80 anos: o paraense Vicente Salles. Vicente é uma dessas figuras pioneiras e desbravadoras, que atuou em diversos campos e deixou contribuição marcante em todos. Natural da vila de Caripi, em Igarapé-Açu, interior do Pará, estudou jornalismo e ciências sociais. Em 1954 passou a residir no Rio de Janeiro, trabalhando no Ministério da Educação e Cultura. Nessa época, aos 23 anos, iniciou um trabalho sobre o Carimbó, ritmo popular próprio da cultura paraense. Na década de 1960, integrou a Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, sendo redator-chefe da Revista Brasileira de Folclore e organizando depois a série de discos Documentário Sonoro do Folclore Brasileiro – o primeiro deles, em 1972, era dedicado a Mestre Vitalino e intitulado “Vitalino e seu zabumba”. Colaborou também com a criação da Funarte, onde ficou até 1980.

Paralelamente às atividades no governo, foi professor e um dedicado pesquisador da cultura popular de seu estado, com especial atenção à música. Na verdade, pouco ou nada se sabia da riqueza musical do Pará até a publicação de livros como Música e músicos do Pará, A música e o tempo no Grão-Pará ou Santarém: uma oferenda musical. Todos viraram obras de referência no assunto e hoje não se pode falar da cultura musical daquele estado sem citar a obra de Salles.

Em 1984, a Universidade Federal do Pará adquiriu a coleção do professor Salles, que soma cerca de sete mil títulos entre discos, fitas cassetes, fitas de rolo, vinis, CDs, livros e partituras editadas e originais, com documentos que datam de 1880 aos dias atuais. Segundo Carmen Afonso, organizadora da coleção, há, além disso, mais de 70 mil recortes de jornal sobre temas como música, folclore, negro, artes cênicas e literatura, além de uma coleção de cartuns, fotografias de época, cordéis, peças de teatro do repertório regional e nacional, teses, folhetos e cartazes. “Graças a ele, temos uma coleção riquíssima que traz composições de Waldemar Henrique a Pinduca. Isso porque ele compreende a música por seu sentido social, cultural e estético e não a classifica, simplesmente, em gêneros musicais”, afirma Jonas Arraes, coordenador de um projeto de recuperação e difusão desse acervo.

Membro da Academia Brasileira de Música, Vicente Salles não se considera um musicólogo. Em sua visão, o ofício exige atribuições que não possui, como ler fluentemente uma partitura ou tocar um instrumento. A verdade é que sua obra, de um lado, vai muito além do campo musical e, de outro, sua abordagem da música é mais ampla do que aquela praticada em geral pelos musicólogos. No campo da antropologia, por exemplo, seu livro O negro no Pará é um marco, mostrando que na Amazônia a contribuição do negro foi maior do que se pensava e decisiva para a formação da sociedade.

Antropólogo, historiador e folclorista, Vicente Salles é um estudioso da música, da cultura popular e da literatura paraense e brasileira. Em 2009, a Academia Brasileira de Música publicou o catálogo de suas obras, relacionando nada menos do que 661 títulos. Dentre eles estão 25 livros e cerca de 50 microedições. No entanto, segundo sua esposa – a violinista e pesquisadora Marena Salles – grande parte de seus estudos ainda permanecem inéditos.

Como tributo pela passagem de seus 80 anos, a Universidade Federal do Pará concedeu-lhe o título de doutor “honoris causa”. A cerimônia de entrega ocorreu na última sexta-feira, dia 2, numa homenagem mais do que merecida. Vida longa a Vicente Salles!





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010)

Mais Textos

Nos 70 anos de morte de Mário de Andrade, eventos e uma descoberta emocionante Por Camila Frésca (1/7/2015)
Duas vidas dedicadas ao canto Por João Luiz Sampaio (26/6/2015)
O ato de criação na Cortina de Ferro Por João Luiz Sampaio (24/6/2015)
Kissin & “Falstaff” Por Jorge Coli (23/6/2015)
Koellreutter & Katunda Por João Marcos Coelho (18/6/2015)
Israel: ópera como incentivo ao turismo cultural Por Irineu Franco Perpetuo (15/6/2015)
Uma tarde com Ida Miccolis Por João Luiz Sampaio (8/6/2015)
Dois formidáveis “Eugene Onegin” Por Jorge Coli (2/6/2015)
Crise e ajustes (e uma defesa das OSs) Por Nelson Rubens Kunze (26/5/2015)
Os 150 anos de Carl Nielsen e algumas considerações sobre música brasileira Por Camila Frésca (26/5/2015)
Dois amores Por Jorge Coli (18/5/2015)
Música e cinema Por Jorge Coli (15/5/2015)
Yoram David, Nikita Boriso-Glebsky e designers Por Jorge Coli (12/5/2015)
O triste fim da Camerata Aberta Por João Marcos Coelho (12/5/2015)
“Poranduba” tem boa produção do Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (4/5/2015)
Osmo Vänskä: o homem certo no lugar certo Por Irineu Franco Perpetuo (4/5/2015)
“Um homem só” e “Ainadamar” no Municipal de São Paulo Por Jorge Coli (3/5/2015)
“Fidelio”, no Rio, entre o vazio e o exagero Por João Luiz Sampaio (30/4/2015)
Conferência MultiOrquestra 2015 – Dia 3 Por João Luiz Sampaio (30/4/2015)
Conferência MultiOrquestra 2015 – Dia 2 Por João Luiz Sampaio (29/4/2015)
Conferência MultiOrquestra 2015 – Dia 1 Por João Luiz Sampaio (28/4/2015)
Óperas do Theatro Municipal revelam diversidade do gênero Por Nelson Rubens Kunze (27/4/2015)
Dia do Índio, música e dominação Por Camila Frésca (20/4/2015)
Bach no século XXI Por João Marcos Coelho (16/4/2015)
Angela Hewitt: Bach para o terceiro milênio Por Irineu Franco Perpetuo (8/4/2015)
Ótimo concerto abre temporada comemorativa do Quarteto de Cordas da Cidade Por Nelson Rubens Kunze (7/4/2015)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Julho 2015 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 1
 

 
São Paulo:

26/7/2015 - Orquestra do Festival

Rio de Janeiro:
9/7/2015 - Balé O lago dos cisnes, de Tchaikovsky

Outras Cidades:
3/7/2015 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2015 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046