Banner 468x60
Banner 180x60
Boa noite.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Ótima encenação de “O Morcego” encerra temporada lírica do Municipal (12/12/2011)
Por Nelson Rubens Kunze

Uma versão adaptada ao português (e ao Brasil) da opereta O Morcego, de Johann Strauss Filho (1825-1899), encerra nessa semana a temporada lírica do Teatro Municipal de São Paulo. A direção cênica, cenografia e adaptação dos diálogos foi feita por William Pereira (os números musicais foram traduzidos por Thiago Mori), que ambientou a trama em uma grande cidade de nosso tempo – para não deixar dúvidas, logo no primeiro ato uma enorme janela da sala de estar de Eisenstein dá vistas aos prédios de uma metrópole, e a criada Adele, que trabalha enquanto ouve seu mp3, recebe mensagens em seu celular via sms. O que eventualmente arrepie melômanos adeptos a montagens mais tradicionais, revelou-se nesse caso uma ótima solução. Em nenhum momento a narração pareceu forçada (convenhamos que o enredo por si já é algo um tanto quanto inverossímil); ao contrário, a encenação adotada gera novos significados e, ao comentar ironicamente comportamentos e ideias de nossa realidade imediata, recupera uma característica das operetas, que era a de fazer contrapontos críticos à sociedade da época.

“Logo de início meu desejo, junto com o diretor William Pereira, foi o de ressaltar a história de estilos que uma opereta apresenta e reforçar o seu caráter popular e cômico”, escreve o maestro Abel Rocha, diretor musical e regente do espetáculo, no texto introdutório do programa. “Se a partitura de O Morcego tivesse sido escrita na Itália em 1800, teria sido chamada de opera buffa, se o fosse durante o século XX, seria musical”, conclui. E a montagem do Teatro Municipal ganhou mesmo ares de musical, o que foi reforçado por uma discreta amplificação das vozes. No segundo ato, durante a festa, um “mix” especialmente criado por Miguel Briamonte mescla operetas, musicais da Broadway e Carnaval. A festa retoma o caráter anterior quando até o animado Orlofsky protesta: “Pô, Carnaval também é demais, né?!” Mas o título se presta bem para essas modernizações. Como escreve Clóvis Marques no texto do programa, a presença constante de O morcego nos palcos até os dias de hoje “se deve também à riqueza dos subtextos [...] e dos arquétipos sociais e psicológicos da civilização burguesa ocidental, que favorecem ‘atualizações’ cênicas com esta a que assistimos no Theatro Municipal de São Paulo”.

O Morcego teve figurinos de Olintho Malaquias, coreografia de Paulo Goulart Filho e iluminação de Domingos Quintiliano. Acertada também foi a escolha do elenco, que reuniu um time de grandes vozes brasileiras: Rosana Lamosa fez uma Rosalinde de classe, par perfeito para o Eisenstein de Fernando Portari. Edna d’Oliveira roubou a cena como a descolada criada Adele, Rubens Medina exibiu talento fazendo Alfred e Leonardo Neiva se encaixou perfeitamente no papel do Batman Dr. Falke. Regina Elena Mesquita (Príncipe Orlofsky), Inácio de Nonno (Frank), Paulo Queiroz (Dr. Blind) e Carla Cottini (Ida) completaram o ótimo grupo de cantores. O ator Fulvio Stefanini teve destacada presença como carcereiro Frosch. Dentro do espírito mais autêntico do Morcego de Strauss, parece que todos se divertiram muito... e nós também!

Esse O Morcego também fecha a programação da temporada em que o Teatro Municipal de São Paulo completou 100 anos. Após a desastrada reinauguração do Teatro em junho, céticos como eu não imaginavam ser possível que, alguns meses depois, pudéssemos comemorar 5 boas encenações entre as quais se inscreve uma histórica montagem de A Valquíria (que, aliás, também não escapou de gozações no Morcego). Em 2012, o Teatro deverá assumir a sua nova estrutura administrativa como fundação pública. Oxalá possamos, daqui a um ano, comemorar outra grande temporada, talvez a primeira apoiada em um moderno modelo de gestão, que garanta, mais que eventuais sucessos avulsos, uma nova realidade de produção, com novos horizontes.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046