Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Entre o imaginário e o real, a beleza de um piano contemporâneo brasileiro (13/12/2011)
Por Leonardo Martinelli

Timbres, texturas, gestos e sonoridades. Colocar a música palavras nunca foi uma tarefa fácil, e para isso é quase inevitável recorrer às metáforas, quando não evocar uma dimensão sinestésica na qual não raro a música flerta com o tato, cheiros e cores... E é esta variedade de sentidos que o repertório do álbum Imaginário evoca ao longo da escuta de sete obras, distribuídas ao longo de onze faixas.

Lançado no início deste mês, Imaginário é além de uma preciosa coletânea de belíssimas obras do mais recente repertório do piano contemporâneo brasileiro (a maioria delas foi composta entre 2009-2010), um registro da arte de uma grande intérprete deste repertório, Lidia Bazarian. Há anos trilhando a difícil estrada do repertório contemporâneo, a pianista foi a responsável pela estreia de inúmeras peças de compositores brasileiros, tendo atuado no lendário Grupo Novo Horizonte e atualmente integra a Camerata Aberta. Mais do que uma intérprete, Bazarian realiza um trabalho de colaboração juntos aos compositores, e é justamente esta faceta que pode ser conferida em Imaginário.


Lidia Bazarian [foto: divulgação]

Concebido em conjunto com os jovens compositores Valéria Bonafé e Gustavo Penha, além de registrar a arte de Bazarian Imaginário documenta a atuação criativa de um círculo de amizades, no qual os “alunos” Bonafé, Penha e Tatiana Catanzaro estabelecem um diálogo com os professores Silvio Ferraz, Rogério Costa, Marcos Branda Lacerda e Marisa Rezende. As aspas aqui servem para relativizar o status destes jovens compositores, que na verdade dialogam em pé de igualdade, fator este que faz de Imaginário um projeto coeso e consistente.

Musicalmente falando, as obras deste álbum exploram uma faceta mais gestual e elegante da escrita do piano moderno – eventualmente, apenas a peça de Catanzaro investe numa “retórica da violência” na estonteante Kristallklavierexplosionsschattensplitter – e de certa forma é bonito testemunhar a assimilação de forma mais segura de certas ideias e sonoridades antes mais experimentais em mestres como Boulez, Berio e Messiaen, ou mesmo Schoenberg (que diga Penha com seu interessante jogo de quartas justas na obra Nenhum, nenhuma). Porém, nada aqui se limita a uma mera reverberação de um pretérito próximo. Fez-me especial gosto o movimento Odradek, parte Do livro dos seres imaginários, de Bonafé, na qual uma insistente sonoridade percussiva vai se projetando por detrás das notas entoadas por Bazarian.

No geral, um lindo álbum, com um sabor ligeiramente impressionista, no qual um complexo diálogo musical é estabelecido entre suas obras por meio do preciso e musical trabalho de uma pianista que tem muito que dizer.





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

21/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
21/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Oratório O Messias, de Händel
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046