Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Domingo, 21 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Marin Alsop assume regência titular da Osesp em concerto vibrante (9/3/2012)
Por Nelson Rubens Kunze

Uma grande noite na Sala São Paulo marcou a abertura da temporada 2012 da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Osesp, ontem, dia 8 de março. Sala lotada, personalidades da vida política e cultural – todos ansiosos para presenciar o primeiro concerto da nova regente titular da Osesp, a maestrina norte-americana Marin Alsop. Quem deixa a titularidade é o maestro francês Yan Pascal Tortelier – que assumira a Osesp interinamente em 2009 após a demissão do então maestro John Neschling –, e que seguirá agora como regente convidado de honra.

Marin Alsop, regente titular da Osesp [Foto: divulgação / Alessandra Fratus]

O concerto iniciou-se com a estreia da encomenda que a Osesp fez à compositora Clarice Assad, Terra Brasilis – Fantasia sobre o Hino Nacional. Clarice conta, no texto impresso na revista Osesp, que a Fantasia é toda baseada em fatos relevantes da história do Brasil, quase como um programa. Multifacetada, rica em cores e com bonitos trechos líricos, a música atravessa diversas atmosferas, sempre evocando motivos de nosso hino. Bem amarrada em sua forma livre, Terra Brasilis merece ser tocada mais vezes. (Clarice Assad é filha de Sérgio Assad, um dos irmãos Assad do famoso duo de violões. Compositora, pianista e cantora, Clarice trafega com naturalidade entre o jazz e os clássicos, desenvolvendo destacada carreira no exterior, já tendo sido indicada para o prêmio Grammy por melhor composição clássica contemporânea.)

A apresentação seguiu com o Concerto nº 22 K 482 de Mozart, escrito em fins de 1785, época em que o compositor trabalhava na ópera Bodas de Fígaro. Correta nos fraseados e nas típicas inflexões clássicas, Marin Alsop extraiu linda sonoridade do conjunto. A interpretação, contudo, sofreu um pouco pelo tamanho da orquestra (cinco estantes de primeiro violino!). Talvez com uma orquestra mais enxuta o equilíbrio entre cordas e sopros teria sido mais natural e a leveza e graça mozartiana poderiam ter sido realçadas. Foi, no entanto, equilibrado o diálogo com o solista, o virtuose francês David Fray, que ostenta importante biografia com diversas premiações internacionais. Fray demonstrou um toque pianístico sonoro mas ligeiramente duro e uma leve afetação ao tocar.

Mas era na grande Sinfonia nº 5 de Shostakovitch que repousavam as maiores expectativas, e elas não foram em vão. Alsop e Osesp ofereceram uma interpretação de alto nível, muito emocionante e em sintonia com a dramaticidade da obra. A sinfonia foi estreada em 1937, após um período de reclusão do compositor, então com 31 anos, por conta das críticas do Partido Comunista à sua obra anterior, a ópera Lady Macbeth of Mtsensk. De caráter monumental, a Quinta, contudo, expressa de forma muito direta angústia, tensão e dissonância.

O desempenho orquestral foi excelente, com cordas densas (em som aveludado de rara homogeneidade) e ótimos solos da orquestra (acho que vale mencionar aqui os nomes de alguns solistas: o spalla Emmanuele Baldini, a flautista Jessica Dalsant, o clarinetista Ovanir Buosi, o oboísta Arcádio Minczuk, a harpista Liuba Klevtsova e o fagotista Alexandre Silverio – não dá para citar todos!). Alsop soube unir e costurar os amplos arcos expressivos com absoluto controle da orquestra. Altamente energizada, foi uma bela interpretação, vibrante e emocionante.

Para quem não conseguiu ingresso para a abertura da temporada da Osesp na Sala São Paulo, uma ótima notícia: o concerto de amanhã, sábado dia 10 de março às 16h30, será transmitido ao vivo pela internet no endereço http://www.concertodigital.osesp.art.br/. Não perca, a Osesp está tinindo!

p.s. Durante os concertos dessa semana, a Osesp lança o seu primeiro CD sob direção de Marin Alsop, o primeiro também pelo selo Naxos. O registro contém leituras primorosas de obras de outro compositor russo, Sergei Prokofiev: a Sinfonia nº 5 a a suíte sinfônica O ano de 1941 (clique aqui para saber mais).





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

21/1/2018 - Araceli Chacon - piano

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046