Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 12 de Fevereiro de 2016.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes



 
 
 
Teatro São Pedro no divã (14/3/2012)
Por Nelson Rubens Kunze

Vi com bons olhos a reorganização das Organizações Sociais (OSs) em torno do Teatro São Pedro levada a cabo pela Secretaria de Estado da Cultura em fins do ano passado. Sempre tive a impressão de que dentro da OS Apaa (Associação Paulista dos Amigos da Arte) – entidade a qual o teatro estava submetida – o Teatro São Pedro não recebia a atenção diferenciada que merecia. Não raro reclamávamos por uma programação mais coerente, que fosse mais adequada às instalações físicas e técnicas do prédio. Assim, foi com esperança que tomei conhecimento da nova gestora do Teatro São Pedro, a OS Instituto Pensarte.

Com a intenção de “definir um perfil de programação e realizar adequações nas propostas feitas pela direção” (conforme nota da Secretaria), uma das primeiras ações do Instituto Pensarte foi a criação de uma conselho artístico. Não há notícia pública sobre a composição desse conselho, mas conversando aqui e ali descobri que ele é formado, entre outros, pelas seguintes pessoas: Heraldo Marin, presidente (que, aliás, também era o presidente na antiga Apaa), Bea Esteves, Cleber Papa, José Robert Walker, Julio Medaglia e Otto Baumgart. Acredito que representantes do Instituto Pensarte e da Secretaria também devam fazer parte.


Teatro São Pedro [foto: Thomas Susemihl / Revista CONCERTO]

Agora percebe-se que o consenso em torno de uma programação para o teatro é bem mais difícil do que se imaginava. Desentendimentos e quiçá alguma inabilidade no trato pessoal acabaram levando à decisão do maestro Roberto Duarte de se demitir da direção artística da casa. Duarte se queixa de não ser ouvido no conselho e de ver a sua programação ser repetidamente contestada e finalmente alterada. Como ele se manifestou, “na prática, o que se configurou foi algo inusitado: a remoção de quaisquer poderes de decisão, quanto ao repertório, daqueles que são os reais profissionais da área, isto é, o diretor artístico e o regente titular da Orthesp”. Para além da discussão em torno da “governança” (qual é o papel do conselho? quem finalmente decide o quê?), o conflito levanta a questão central do Teatro São Pedro, que é a de sua identidade e vocação.

Não creio que o Teatro São Pedro deva atuar como concorrente ou mesmo contraponto ao Teatro Municipal de São Paulo – não faz sentido, o São Pedro não tem estrutura nem dimensão para isso. Mas há um leque de alternativas possíveis para o posicionamento de um teatro “de câmara” com as características do São Pedro. A mais abrangente e direta é a de que o Teatro São Pedro sirva de abrigo para títulos “menores” (em termos de tamanho e não de importância, apresso-me em dizer). Claro que isso não resolve a questão, ao contrário: teremos muitos debates, a começar para tentar estabelecer quais seriam os títulos “maiores” a serem excluídos. Sem entrar no mérito de tendências, estilos ou épocas, um consenso em torno dessa questão já seria um importante passo na procura de uma identidade para o Teatro São Pedro.

Reforçando a opção por títulos “menores”, temos a realidade nua e crua dos recursos do Estado de São Paulo destinados à programação do Teatro São Pedro. Não sou grande especialista em custos de produções de ópera, mas confesso que fiquei embasbacado quando soube que o Teatro São Pedro pretendia fazer 6 (seis!) títulos – entre eles Il Trovatore e Lo Schiavo – com uma suposta verba de R$ 1,5 milhão (que, para piorar a situação, desconfio que não seja exclusiva para a programação). É isso que leva a resultados lamentáveis como o do Guarani que vimos no ano passado.

Se por um lado está na hora de conselho e direção se unirem em torno de uma programação adequada e apropriada para as dimensões e recursos do Teatro São Pedro, por outro a Secretaria da Cultura deveria assumir que estamos tratando do teatro de ópera do estado mais rico da federação. Nesse sentido, soou mal a declaração oficial da Secretaria de que “é importante esclarecer que não houve corte no orçamento do teatro, que é rigorosamente o mesmo dos anos de 2010 e 2011”. Não vou aqui começar a calcular a depreciação monetária que vivemos no nosso dia a dia para dizer que, três anos depois, R$ 1,5 milhão já não é R$ 1,5 milhão. Mas quero dizer, sim, que R$ 1,5 milhão é um valor absolutamente insuficiente para uma temporada anual de óperas...





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Festa com música Por Jorge Coli (5/2/2016)
Festival Sesc é um dos grandes eventos clássicos do sul do país Por Camila Frésca (27/1/2016)
Novos desafios e paradigmas na gestão de instituições musicais Por Nelson Rubens Kunze (12/1/2016)
Oficina de Música de Curitiba promove ótima edição Por Nelson Rubens Kunze (12/1/2016)
Adeus, Gilberto Mendes Por Irineu Franco Perpetuo (11/1/2016)
Uma retrospectiva (e os 20 anos da Revista CONCERTO) Por Nelson Rubens Kunze (30/12/2015)
O balanço de um ano que não parece ter terminado Por João Luiz Sampaio (30/12/2015)
Retrospectiva 2015 – CDs brasileiros Por Camila Frésca (28/12/2015)
Bela safra Por Jorge Coli (22/12/2015)
O lugar da música de concerto nos 5.570 municípios brasileiros Por João Marcos Coelho (16/12/2015)
Nelson Freire: quem sabe faz ao vivo Por Irineu Franco Perpetuo (15/12/2015)
Cultura, educação e a cidade civilizada Por Nelson Rubens Kunze (13/12/2015)
A produtividade das orquestras sinfônicas Por José Pastore (7/12/2015)
Sala Cecília Meireles 50 anos Por Nelson Rubens Kunze (3/12/2015)
Vozes do século XVII que falam à contemporaneidade Por Camila Frésca (27/11/2015)
As quatro fantasias para piano e orquestra de Mignone num só CD Por João Marcos Coelho (26/11/2015)
Maestro “goiano” faz bom concerto com a Osesp Por Nelson Rubens Kunze (10/11/2015)
Fórum Ircam Brasil – Parte 3 Por Camila Frésca (9/11/2015)
Fórum Ircam Brasil – Parte 2 Por Camila Frésca (6/11/2015)
Fórum Ircam Brasil – Parte 1 Por Camila Frésca (5/11/2015)
Poulenc e Bernanos em tempos estranhos Por João Luiz Sampaio (4/11/2015)
Farewell to Martha Herr Por Irineu Franco Perpetuo (3/11/2015)
E se Mário tivesse sido ministro da Cultura? Por João Marcos Coelho (21/10/2015)
Bienal de Música Contemporânea encerra edição confirmando sua importância Por Camila Frésca (21/10/2015)
Para ouvir o clarinete de Montanha Por Irineu Franco Perpetuo (19/10/2015)
Bienal é rico manancial da criação erudita de nossos dias Por Nelson Rubens Kunze (13/10/2015)
“Lohengrin” e a Arte Povera Por Jorge Coli (13/10/2015)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2016 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

21/2/2016 - Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo

Rio de Janeiro:
26/2/2016 - Quaternaglia - Quarteto de violões

Outras Cidades:
19/2/2016 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2016 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046