Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Domingo, 22 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Ação da Secretaria da Cultura fere espírito das Organizações Sociais (14/7/2008)
Por Nelson Rubens Kunze

Primeiro foi o maestro John Neschling comunicando sua saída da Osesp a partir de 2010 por conta de pressões da Secretaria da Cultura. Depois, publica-se nos jornais que o maestro Roberto Minczuk seria afastado da direção artística do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Em seguida, o Secretário João Sayad, que supostamente teria falado ao maestro Minczuk que seu contrato não seria renovado, diz que em nenhum momento esse assunto foi ventilado e que, ao contrário, a Secretaria vai manter Minczuk no comando do evento. Ninguém negou, contudo, a intenção de demitir Clodoaldo Medina, diretor executivo do Centro de Estudos Musicais Tom Jobim, que é a Organização Social que realiza o Festival de Inverno de Campos do Jordão.

Seja como for, fica a impressão de que a atual gestão da Secretaria da Cultura despreza uma das maiores conquistas do meio cultural, que é a moderna gestão das Organizações Sociais da Cultura (OSs). Não houve descontinuidade política que explique essa nova postura. As OSs foram implementadas em São Paulo pelo governo do PSDB de Mário Covas (partido que segue no governo até hoje), e desde então, todos os secretários da Cultura – Marcos Mendonça, Cláudia Costin e João Batista de Andrade – se empenharam, uns mais outros menos, por sua consolidação. Os contratos de gestão das principais OSs da área musical, entre elas justamente a Fundação Osesp e o Centro Tom Jobim, foram assinados pelo secretário João Batista de Andrade, em 2005, antes da posse do Secretário João Sayad.

O modelo das Organizações Sociais repousa sobre dois fundamentos básicos: orçamento seguro e autonomia de gestão. Isso levou com que, pela primeira vez, a gestão cultural pôde ser profissionalizada e pôde se guiar pelo mérito e competência de seus agentes, e não mais pelo vontade das autoridades ou pelas conveniências políticas conjunturais. Com a OS, contudo, o Estado não abre mão da prerrogativa de ditar a sua política cultural, já que ele a estabelece em um rigoroso contrato de gestão. Esse contrato é a alma do modelo, é ele que determina os deveres e direitos de cada um dos lados, é ele que implementa a vontade cultural do governo.

Pelas matérias veiculadas, parece que há uma interferência da Secretaria da Cultura sobre assuntos que são de competência das OSs, ferindo a sua autonomia na execução de seu contrato. A favor dessa interferência poderia se argumentar que algumas OSs não funcionam a contento ou que deixam a desejar. Não é o caso das duas entidades que agora ganham reportagens em jornais e revistas, a Fundação Osesp e o Centro Tom Jobim, ambas entidades cujo breve histórico é ilibado e demonstra realizações absolutamente inéditas – não vou me delongar aqui relacionando os feitos extraordinários da Osesp ou os resultados altamente positivos do trabalho do Centro Tom Jobim. Ambas são exemplo do sucesso do modelo das OSs, em que os recursos investidos geram retorno à comunidade em proporções até então desconhecidas nas emperradas repartições de nossos órgãos públicos...

A rigor, é a OS seguindo critérios de seu Conselho de Administração que contrata a equipe executiva da entidade. Clodoaldo Medina, diretor executivo do Centro Tom Jobim, foi contratado pela OS, não pela Secretaria. Contradiz o espírito do modelo OS se a Secretaria impõe à entidade que Clodoaldo Medina deva ser demitido, assim como contradiz o espírito do modelo OS se o Secretário diz que manterá – ou que não manterá – o maestro Roberto Minczuk. Se não previsto no contrato de gestão, não é da competência da Secretaria da Cultura definir os quadros gestores das OSs.

O modelo das Organizações Sociais da Cultura enfrenta uma das principais chagas de nossa gestão pública cultural tradicional, que é o apadrinhamento político das nomeações. O novo modelo, com sua autonomia, favorece e estimula a profissionalização de suas estruturas de gestão, o que é altamente desejável. Oxalá as movimentações político-culturais ora em curso tenham em vista o aprimoramento de nossas instituições públicas da cultura e não ponham a perder essa grande conquista que é o modelo das Organizações Sociais. Modelo esse que é uma das garantias para a manutenção e desenvolvimento de nossos raros projetos culturais de excelência.

[Para uma melhor compreensão dos fatos, esclareço que fui membro do primeiro Conselho de Administração da OS Centro Tom Jobim.]





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

26/4/2018 - Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo e Antonio Pinto - piano

Rio de Janeiro:
27/4/2018 - Ópera Um Baile de Máscaras, de Verdi

Outras Cidades:
27/4/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046