Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Aforismos decorrentes (e inconseqüentes) sobre o falsificador (29/5/2012)
Por Leonardo Martinelli

Para o leitor regular da revista ou do site CONCERTO não é novidade todo o barulho que se seguiu à publicação de meu artigo “O falsificador”, a propósito da vinda de André Rieu ao Brasil e do grande sucesso de vendas de seus espetáculos. Especialmente a partir da publicação do artigo no perfil da Revista CONCERTO no Facebook iniciou-se uma grande discussão, com os mais diferentes pontos de vistas. Quando a argumentação faltava ao pró-Rieu, apelou-se mesmo para ignorância. Em meio a tantos comentários virulentos sobre minha pessoa, cheguei mesmo a pensar que estariam importando do Haiti alguns bonecos de vudu meus para serem vendidos na porta do Ginásio do Ibirapuera.

Como cheguei a comentar com um amigo, quando se está no meio de uma polêmica o melhor é manter-se quieto no canto, e tomar os afagos e as porradas que lhe são devidas. Fiquei em dúvida se valeria a pena escrever mais sobre o assunto. Não quero re-articular meus argumentos sobre o pop-star da música clássica: o que tinha a dizer sobre ele e sua proposta está no artigo. Mas a torrente que se seguiu trouxe coisas novas não sobre ele, mas sobre como as questões da música clássica, da crítica e do gosto estão sendo debatidas no país.

São tantas coisas que articulá-las num texto coeso seria um trabalho penoso para escrever e enfadonho para o leitor. Então, apostarei na linguagem direta e sintética dos aforismos, inconseqüentes, quase aleatórios, que me passaram pela cabeça a partir de toda esta confusão.

- A importação dos espetáculos do André Rieu faz pensar se já não é hora de retomarmos a reserva de mercado.

- Na prévia do show realizada no programa do Faustão nenhum fã de Rieu se sentiu minimamente ofendido em seu senso patriótico ao ouvir a Aquarela do Brasil em versão fiesta mexicana? Ah, não perceberam? Hum, isto explica muita coisa...

- A mistura André Rieu com Michel Teló serviu para provar uma coisa: o que é ruim pode sim ficar muito pior. Os cientistas sociais e musicólogos só não decidiram ainda o que piorou com quem.

- Rieu vem ao Brasil com sua orquestra de “top solistas”. E aqueles violinos desencontrados ficam como?

- O brasileiro, o famoso “homem cordial”, como um dia já definiu Buarque de Hollanda (não o Francisco, nem a ministra, mas sim o pai Serjão), simplesmente perde as estribeiras quando é convidado a estabelecer um mínimo de postura crítica com algo que adora e cultua: entre acusações de frustrado e invejoso rolaram vários pedidos e sugestões para a minha demissão. Ah, esta nossa jovem democracia e nosso imaturo senso de liberdade...

- Não discordo que, como ser humano, tenha inveja. Aliás, já que é para exorcizar, tenho inveja sim! Tenho inveja do Luciano Berio, do Gustav Mahler, de Igor Stravinsky, do Claudio Monteverdi e de um monte de outros compositores. Agora, inveja do André Rieu? Aff...

- Vou dar mais munição para os fãs do Rieu: o Faustão, ex-gordo, fala que o André Rieu é o maior violinista do planeta e todo mundo acredita; eu, que sou gordo e falo que ele é um picareta, ninguém dá a mínima. Posso processar os fãs do Rieu por bulling então?

- Corolário desta situação: na balança das opiniões vence não quem tem mais peso, mas quem consegue meter a mão no fiel da balança.

- Das críticas à minha crítica, nenhuma me contra argumentou nos termos que empreguei no texto. Como diria Umberto Eco, quando se é um martelo, vê-se todo o mundo como pregos.

- Tem gente que falou que André Rieu populariza a música clássica. Ué, se é assim, por que ele não fez um show gratuito no Parque do Ibirapuera (a exemplo do que fazem inúmeras orquestras brasileiras e estrangeiras) para dar uma alternativa aos seus fãs que não podem pagar centenas de reais por um lugar em seu show?

- Fala-se com muita naturalidade de “popularização da música clássica”. O que isto significa, afinal? É como falar de bacalhoadização da feijoada? Por que todo mundo que vem com este lero-lero não fala de DEMOCRATIZAÇÃO do acesso à música clássica e à cultura de maneira geral? Por que quando se pensa em algo para o povo tira-se com a maior naturalidade e cara-de-pau o valor e a dignidade do que será oferecido? É esta mesma lógica que explica a indigência das escolas, dos transportes, das moradias e dos hospitais “para o povo”?

- E tem aqueles que, ao defenderem o Rieu, falaram pérolas do tipo “se dá prazer, que mal tem?”, “ele está prejudicando a vida de alguém?” ou mesmo “ah, ele é tão bonzinho!”. Passividade pouca é bobagem...

- Se no alto filosofês tem gente que aposta na inextricável relação entre ÉTICA e ESTÉTICA, fico então pensando que o apelo mundial de André Rieu só pode ser entendido como um mal-agouro. Seria ele o primeiro cavaleiro do Apocalipse?!

- André Rieu e seu violino Stradivarius são prova cabal de que o meio NÃO É a mensagem (e que Marshall McLuhan, que cunhou a expressão “o meio é a mensagem”, revire em seu túmulo).

- Faustão apresentou “André Rieu e seu violino mágico”. Mágico?! O violino pode ser, mas ele, nem com macumba ou reza braba.

- Recado do além: ouvi falar que Antonio Stradivari também está se revirando do túmulo.

- Toda a atual discussão entre os prós e os contras Rieu prova uma coisa: o brasileiro só se une mesmo diante da tragédia.

- Quando André Rieu deixar o país ele irá deixar saudades... para seu produtor, para os guardadores de carro do entorno do Ginásio do Ibirapuera, para os executivos da Ingresso Rápido, enfim, para todos aqueles que se refastelaram na usura às custas da humilhação estética e da ofensa ao bom gosto.

- Quase terminando: no país em que a frase “os incomodados que se mudem” é tida como verdade popular só reforça a necessidade de subverter um velho ditado “gosto não se discute”. Ora, em arte e cultura vamos discutir o que então?

- Agora para encerrar: sobre o valor da discussão, cito o escritor Salman Rushdie: “No Paraíso, as palavras adorar e discutir significam a mesma coisa”. Enquanto eu adorar a música, não cansarei de discuti-la.





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

17/12/2017 - Orquestra Infantil Heliópolis, Orquestra Preparatória Heliópolis e Orquestra Infantojuvenil Heliópolis

Rio de Janeiro:
17/12/2017 - Orquestra, Coro e Solistas da Cia. Bachiana Brasileira

Outras Cidades:
17/12/2017 - Porto Alegre, RS - Orquestra Sinfônica de Porto Alegre
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046