Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Domingo, 26 de Março de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes


 
 
 
Gente nova, música nova (21/7/2008)
Por Leonardo Martinelli

Jovens compositores brasileiros estão dando o que falar na cena internacional, mas você não vai ouvir nada disso por aqui. Nos últimos meses vários destes artistas – todos na faixa dos vinte/trinta anos – foram premiados em concursos internacionais, algo que efetivamente podemos nos orgulhar tendo em vista o altíssimo grau da concorrência.

Em junho Sergio Kafejian foi premiado no concurso do Festival Internacional de Música Eletroacústica e Arte Sonora de Bourges, na França, com a obra "In Harmonica", para violão e sons eletroacústicos. Ainda no mês passado, Rodrigo Lima abocanhou o Prêmio Ibero-Americano Rodolfo Halffter, na Espanha, com a peça "...Quando se muda a paisagem...", para orquestra de câmara. Poucas semanas atrás foi a vez de Felipe Lara, agraciado com Prêmio Staubach, que além de alguns milhares de euros, lhe rendeu também a encomenda de uma nova obra a ser estreada pelo conceituado Arditi String Quartet no mítico festival de verão de Darmstadt, na Alemanha.

Prêmios como estes são apenas a ponta de um iceberg, não só na carreira destes compositores, mas de toda uma geração.

Desde que o ensino composição foi se consolidando em nossas universidades ao longo das últimas décadas, vários talentos têm sido revelados. Mas mais do que simples compositores, é notável o grau de comprometimento que estes jovens artistas têm em trilhar o caminho da "música nova" (afinal, nem toda composição é, de fato, criação). Debruçando-se sobre as mais recentes estéticas, poéticas, técnicas e temáticas, estes jovens têm cada vez mais chamado a atenção do mundo, realizando seus estudos nas melhores escolas do planeta, participando de importantes cursos, tendo suas obras tocadas por conceituados músicos e ganhando concursos. E, é claro, nada disso será escutado por aqui.

Por quê? Bem, a questão é complexa e envolveria muitos "poréns" e "entretantos". Mas de uma forma geral, podemos creditar este fato à imaturidade de nosso pensamento e práticas musicais. Imaturidade de quem as faz, de quem as gerencia, de quem as ouve, de quem as estuda, de quem as ensina, de quem as consome. Esta imaturidade se manifesta não apenas na questão dos jovens compositores e da música moderna, mas também de qualquer outra forma de manifestação musical que se afaste do "gosto imaturo" (afinal, a música antiga e camerística no Brasil também passam por maus bocados por conta desta imaturidade).

As premiações internacionais de Lara, Kafejian e de Lima nos mostram o quanto ainda há para explorar de nossos talentos musicais e que ainda estamos longe – muito longe – de reverter nosso histórico provincianismo estético.




Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

De palmeiras e pinheirinhos nórdicos Por João Marcos Coelho (24/3/2017)
Opes abre temporada clássica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (23/3/2017)
Sombra de sombra – a estreia da ópera “O espelho” Por João Luiz Sampaio (22/3/2017)
Helder Parente, talento infinito Por Rosana Lanzelotte (21/3/2017)
Trio Villani-Côrtes faz uma ótima estreia com “Três tons brasileiros” Por Camila Frésca (14/3/2017)
O valor da música (e a responsabilidade do Estado) Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2017)
Um Brasil diferente ainda é possível Por João Marcos Coelho (22/2/2017)
Em clima de festa, Theatro Municipal de São Paulo abre ano com bom concerto Por Nelson Rubens Kunze (22/2/2017)
Sígrido Levental e o Conservatório do Brooklin (lembranças pessoais) Por Nelson Rubens Kunze (3/2/2017)
Sarau e livro recuperam a obra do violinista catarinense Adolpho Mello Por Camila Frésca (23/1/2017)
Nação civilizada (ou seria incivilizada?) Por Nelson Rubens Kunze (18/1/2017)
Diário de viagem Por Jorge Coli (16/1/2017)
Para conhecer Claudio Santoro Por Irineu Franco Perpetuo (23/12/2016)
Feliz Ano Novo? Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2016)
Fim da Oficina de Curitiba: populismo da pior espécie Por João Marcos Coelho (20/12/2016)
Um retrato do Painel Funarte de Ensino Coletivo Por Camila Frésca (19/12/2016)
Aleyson Scopel faz ótima apresentação no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (16/12/2016)
Em Porto Alegre, uma “Carmina Burana” para lembrar Por Everton Cardoso (15/12/2016)
“Fosca”, de Carlos Gomes, ganha enfim uma estupenda apresentação contemporânea Por Jorge Coli (14/12/2016)
A grande oportunidade do Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (5/12/2016)
Pego no contrapé, o fenômeno Golijov curte um estranho silêncio criativo Por João Marcos Coelho (1/12/2016)
Gergiev ressuscita partitura perdida de Stravinsky Por Irineu Franco Perpetuo (28/11/2016)
Bons e novos ventos com o Trio Capitu Por Camila Frésca (9/11/2016)
Notas cariocas Por Jorge Coli (7/11/2016)
Cultura sobrestada (a crise e os cortes na cultura) Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2016)
Nepomuceno, o internacionalista Por João Marcos Coelho (31/10/2016)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Março 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 1
 

 
São Paulo:

30/3/2017 - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Rio de Janeiro:
30/3/2017 - Jacob Herzog - piano e Quarteto Radamés Gnattali

Outras Cidades:
31/3/2017 - Londrina, PR - Nikolau Ratchev - violino e Cristian Budu - piano
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046