Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Gente nova, música nova (21/7/2008)
Por Leonardo Martinelli

Jovens compositores brasileiros estão dando o que falar na cena internacional, mas você não vai ouvir nada disso por aqui. Nos últimos meses vários destes artistas – todos na faixa dos vinte/trinta anos – foram premiados em concursos internacionais, algo que efetivamente podemos nos orgulhar tendo em vista o altíssimo grau da concorrência.

Em junho Sergio Kafejian foi premiado no concurso do Festival Internacional de Música Eletroacústica e Arte Sonora de Bourges, na França, com a obra "In Harmonica", para violão e sons eletroacústicos. Ainda no mês passado, Rodrigo Lima abocanhou o Prêmio Ibero-Americano Rodolfo Halffter, na Espanha, com a peça "...Quando se muda a paisagem...", para orquestra de câmara. Poucas semanas atrás foi a vez de Felipe Lara, agraciado com Prêmio Staubach, que além de alguns milhares de euros, lhe rendeu também a encomenda de uma nova obra a ser estreada pelo conceituado Arditi String Quartet no mítico festival de verão de Darmstadt, na Alemanha.

Prêmios como estes são apenas a ponta de um iceberg, não só na carreira destes compositores, mas de toda uma geração.

Desde que o ensino composição foi se consolidando em nossas universidades ao longo das últimas décadas, vários talentos têm sido revelados. Mas mais do que simples compositores, é notável o grau de comprometimento que estes jovens artistas têm em trilhar o caminho da "música nova" (afinal, nem toda composição é, de fato, criação). Debruçando-se sobre as mais recentes estéticas, poéticas, técnicas e temáticas, estes jovens têm cada vez mais chamado a atenção do mundo, realizando seus estudos nas melhores escolas do planeta, participando de importantes cursos, tendo suas obras tocadas por conceituados músicos e ganhando concursos. E, é claro, nada disso será escutado por aqui.

Por quê? Bem, a questão é complexa e envolveria muitos "poréns" e "entretantos". Mas de uma forma geral, podemos creditar este fato à imaturidade de nosso pensamento e práticas musicais. Imaturidade de quem as faz, de quem as gerencia, de quem as ouve, de quem as estuda, de quem as ensina, de quem as consome. Esta imaturidade se manifesta não apenas na questão dos jovens compositores e da música moderna, mas também de qualquer outra forma de manifestação musical que se afaste do "gosto imaturo" (afinal, a música antiga e camerística no Brasil também passam por maus bocados por conta desta imaturidade).

As premiações internacionais de Lara, Kafejian e de Lima nos mostram o quanto ainda há para explorar de nossos talentos musicais e que ainda estamos longe – muito longe – de reverter nosso histórico provincianismo estético.




Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046