Banner 180x60
Boa noite.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Osesp lança primeiro CD com as sinfonias de Villa-Lobos (8/10/2012)
Por Camila Frésca

A Osesp acaba de lançar o primeiro disco de seu projeto de registro integral das sinfonias de Villa-Lobos. O CD "Villa-Lobos: Sinfonias n ºs 6 e 7" é o primeiro dos seis que serão lançados nos próximos anos, sob regência e supervisão de Isaac Karabtchevsky.

Villa-Lobos escreveu 12 sinfonias durante um arco de 40 anos que vai desde a sua primeira fase, na década de 1910, quando ainda tentava se firmar como compositor, até o final de sua carreira, quando já era um autor consagrado – a Sinfonia nº 12 foi escrita em Nova York em 1957, dois anos antes de sua morte. As cinco primeiras foram escritas entre 1916 e 1920, fase em que Villa-Lobos ainda era bastante influenciado pela estética da música francesa, e levam subtítulos: “O imprevisto” (Sinfonia nº 1), “Ascenção” (nº 2), “A guerra” (nº 3), “A vitória” (nº 4) e “A paz” (nº 5, nunca publicada e cujo manuscrito desapareceu).

Há uma lacuna de 24 anos entre a Sinfonia nº 5, escrita em 1920, e a de número seis, composta no Rio de Janeiro em 1944. E estes foram anos fundamentais no percurso de Villa-Lobos: é o período em que ele escreve o ciclo dos Choros e das Bachianas, faz duas viagens a Paris e desenvolve um inédito programa de educação musical por meio do canto orfeônico. Portanto, ao escrever sua Sinfonia nº 6, em 1944, Villa já é um autor maduro e consagrado, em pleno domínio de sua linguagem musical. Subintitulada “Sobre as linhas das montanhas do Brasil” a obra utiliza o processo de “milimetrização” inventado pelo compositor e que procura obter uma melodia a partir de uma imagem. Conforme explica Fabio Zanon no texto que acompanha o CD, “num papel quadriculado transparente, ele destinava as linhas verticais para as alturas e as horizontais para as durações; a transparência era sobreposta a uma foto, cujos pontos principais determinavam o contorno melódico”. Ainda segundo Zanon, aparentemente os vários temas da sinfonia foram extraídos de gráficos feitos a partir de fotos da Serra dos Órgãos, do Corcovado e do Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro.

Tanto a Sinfonia nº 6 quanto a nº 7, de 1945, respeitam a estrutura tradicional da sinfonia clássico-romântica: são escritas em quatro movimentos, iniciam-se e terminam com um allegro, possuem um segundo movimento lento e um terceiro animado e mais curto que os demais. Contudo, são obras que guardam muito das idiossincrasias de Villa-Lobos e que por vezes fogem daquilo que seria esperado. Ainda segundo Zanon, a Sinfonia nº 7 era tida pelo compositor como uma de suas melhores obras – e, de fato, ela soa mais coesa que a anterior.


Isaac Karabtchevsky [foto: divulgação]

É quase redundante dizer que este é um projeto louvável e importantíssimo – e que tem tudo para virar um marco em nossa discografia e musicologia. As Sinfonias de Villa-Lobos são muito menos conhecidas do que os Choros, as Bachianas ou mesmo sua obra para piano e para violão. Não que elas nunca tivessem sido gravadas; uma ou outra havia recebido gravações por diferentes grupos e houve até um projeto de integral, feito pela Sinfônica da Rádio de Stuttgart para o selo alemão CPO. Mas agora, antes de ser gravada, cada uma das sinfonias recebe uma completa revisão musicológica pela Criadores do Brasil, a editora de partituras da Osesp. Uma das principais dificuldades para se interpretar a obra de Villa-Lobos reside nas partituras. Além de ainda existirem peças em manuscrito – o que faz com que sejam ignoradas por intérpretes e orquestras internacionais, que só tocam obras publicadas – muito do que foi editado apresenta uma quantidade enorme de erros. Há alguns anos, a Academia Brasileira de Música vem realizando um importante trabalho nesse sentido, revisando partituras editadas de Villa-Lobos, num projeto encabeçado pelo maestro Roberto Duarte. Agora, a Osesp dá uma contribuição significativa nesse processo, que resultará em melhor difusão, conhecimento e avaliação dessas sinfonias.

Resta ainda dizer que estamos diante de uma excelente interpretação, cuidadosa com os detalhes e registrada com ótima qualidade de gravação. O lançamento marca também a parceria da orquestra com o selo Naxos, gigante internacional da música clássica. E é mais uma aposta da Osesp para entrar de fato no circuito das grandes orquestras internacionais.

[Você encontra o CD "Villa-Lobos: Sinfonias n ºs 6 e 7" na Loja CLÁSSICOS. Clique aqui.]





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046