Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Selo BIS apóia Neschling (4/8/2008)
Por Irineu Franco Perpetuo

Acabo de ler na Revista CONCERTO sobre o lançamento no Brasil do primeiro disco da integral dos Choros, de Villa-Lobos, com a Osesp, regida por John Neschling. O CD recebeu críticas excelentes lá fora, incluindo o "Diapason d'Or".
Bem, como o disco ainda não me chegou às mãos, não tenho como avaliar o resultado sonoro. Mas me ocorreu escrever a Robert Von Barh, presidente da BIS (o selo escandinavo pelo qual a orquestra tem gravado obras de compositores brasileiros como Mignone, Guarnieri e Santoro, além de Villa-Lobos), para perguntar se a parceria da gravadora sueca com a orquestra vai continuar depois da saída de Neschling, em 2010.
Von Bahr (que criou a BIS em 1973) escreveu ao conselho da Fundação Osesp, pedindo a permanência do maestro. Ele me disse que ainda espera que o maestro possa continuar à frente do grupo.

Recebi a informação de que o sr. escreveu uma carta ao conselho da Fundação Osesp defendendo o maestro John Neschling. É verdade? O que exatamente dizia a carta? Por que o sr. a escreveu? Que resposta o sr. recebeu?
Ao ouvir que o maestro Neschling havia pedido para sair da orquestra, eu escrevi, sim, uma carta ao conselho. Naquela carta, eu pedi ao conselho que, por favor, tentasse dissuadir o maestro Neschling de sua decisão, já que nós gostamos muito da cooperação com ele, tanto no nível musical quanto no nível de programa. Com o maestro Neschling no comando estamos obtendo tanto produtos excelentes quanto programas arrojados - exatamente o que nos agrada. Eu gostaria de fazer um reparo à palavra "defendendo", já que ela implica que foram feitas acusações. Eu tenho a informação de que o maestro Neschling renunciou à sua posição voluntariamente, e eu simplesmente queria que o conselho tentasse persuadi-lo a ficar. Eles responderam de maneira positiva, mas sem se comprometer.

Como e quando começou a relação entre a BIS e a orquestra? Quais foram seus principais êxitos? Como são tomadas as decisões de o que gravar e de quando lançar os CDs?
A relação começou em 2001. O principal êxito foi uma apresentação internacional muito boa da música brasileira, bem como cooperações maravilhosas com os solistas internacionais da BIS, como Yevgeny Sudbin, Vadim Gluzman, Christian Lindberg e Sharon Bezaly. As integrais das Bachianas Brasileiras e dos Choros, e três CDs de sinfonias de Guarnieri me vêm à mente. A orquestra decide a música brasileira, a BIS decide os solistas, e o resto é decidido em cooperação.

Há algum risco de que a relação da gravadora com a orquestra não continue depois da partida do maestro Neschling?
Novamente tenho que protestar contra as palavras da pergunta, que pressupõe que ele vai sair. Nós esperamos muito que o maestro Neschling reconsidere sua decisão e que possamos continuar a bela colaboração com ele e com a orquestra por muito tempo.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Orquestra Sinfônica de Santo André

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
15/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046