Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
“Werther” fecha temporada lírica do Theatro São Pedro (5/12/2012)
Por Nelson Rubens Kunze

Encerrou-se com a récita de ontem a última produção do ano do Theatro São Pedro, a ópera Werther de Jules Massenet (1842-1912). Baseada no livro de Goethe “Os sofrimentos do jovem Werther” e concluída em 1887, a ópera conta a história de tristeza e desesperança de Werther e Charlotte, que não podem se entregar ao amor em razão da promessa e do comprometimento de Charlotte com seu noivo e depois marido Albert. A direção musical e regência foi do maestro Luiz Fernando Malheiro e a direção cênica de André Heller-Lopes, mesma dupla que tem sido responsável por ótimas montagens nos últimos tempos.


Cena da ópera Werther, no Theatro São Pedro [foto: divulgação / Décio Figueiredo]

E foi a encenação um dos pontos altos da ópera, que teve um bom resultado geral. Com soluções simples – os espaços cênicos eram delimitados por longas cortinas em variadas posições (cenografia de Renato Theobaldo e Roberto Rolnik) –, uma iluminação eficiente (Fábio Retti) e figurinos caprichados (Marcelo Marques), Heller-Lopes criou um ambientação bonita e funcional. Se a opção de apresentar Charlotte grávida reforçou a presença do marido Albert como empecilho para a consumação de seu amor por Werther, ela infelizmente também acabou retirando força da identidade de Charlotte como mulher. Mas foi muito feliz a solução para o ato final, quando Werther se “separa” de seu corpo moribundo e sua morte se dá com sua saída de cena, potencializando todo o desespero e a solidão de Charlotte.

Esta récita apresentou a versão de Werther para barítono, preparada por Massenet em 1902 para o grande barítono da época, Mattia Battistini. E se na comparação com o registro de tenor a versão causa certo estranhamento, não foi pelo desempenho de Leonardo Neiva, que tem voz bonita e privilegiada e que fez uma interpretação muito convincente do papel. Mas o destaque da noite ficou mesmo para a ótima Luisa Francesconi como Charlotte. Apesar do recatamento que o papel exige, Luisa soube exprimir toda a intensidade de seu dilema, com uma voz de rico timbre e muita personalidade.


Cena da ópera Werther, no Theatro São Pedro [foto: divulgação / Décio Figueiredo]

Sophie, irmã de Charlotte, foi feita pela ótima soprano Gabriella Pace, que por sua exuberância destoou um pouco do clima emocional romântico da peça, que vai da esperançosa primavera ao trágico inverno. Já o barítono Vinícius Atique teve boa atuação tanto vocal quanto cênica interpretando o marido Albert. Thiago Soares (Schmidt), Max Costa (Johann), os atores Vanessa Portugal e André Dallan e o Coral Infantil Canarinhos da Terra também participaram da apresentação.

Mesmo tendo ganhado mais fluência a partir do segundo ato, a Orquestra do Theatro São Pedro ficou aquém do nível geral do espetáculo. É certo que o maestro Luiz Fernando Malheiro soube imprimir o caráter que a partitura exige, mas em um título em que a música é a grande protagonista – especialmente por sua inspiração melódica – a orquestra ficou devendo sutilezas de dinâmica, texturas mais equilibradas, até afinação e precisão rítmica.


Cena da ópera Werther, no Theatro São Pedro [foto: divulgação / Décio Figueiredo]

Faz exatamente um ano que a Secretaria de Estado da Cultura firmou o contrato com a Organização Social Instituto Pensarte para a renovação da então desgastada gestão do Theatro São Pedro. Após uma conturbada fase de transição que derrubou dois maestros (Roberto Duarte e Júlio Medaglia), parece que agora formou-se uma equipe harmoniosa, o que aponta para boas perspectivas para o futuro. Em todos os casos, o novo Theatro São Pedro pode registrar um bom balanço neste ano, com três consistentes produções – o excelente Elixir do amor em junho, o Barbeiro de Sevilha de Paisiello em setembro e esse Werther.

Para o Theatro São Pedro, 2012 foi um ano auspicioso. Torçamos para que os próximos anos entrem para a história do Theatro como aqueles em que a sua vocação lírica finalmente se consolidou em programações regulares e de qualidade.

[Emenda em 6/12: No elenco, esqueci-me de mencionar a participação de Murilo Neves como Le Bailli.]





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

21/10/2017 - Ópera Liquid Voices: A história de Mathilda Segalescu, de Jocy de Oliveira (estreia mundial)

Rio de Janeiro:
24/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
29/10/2017 - Campinas, SP - Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046