Banner 180x60
Boa tarde.
Quarta-Feira, 21 de Fevereiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
“O rouxinol”, ou a cereja do sundae (13/12/2012)
Por Leonardo Martinelli

Não há muitas dúvidas de que este ano o Teatro Municipal de São Paulo (TMSP) realizou uma das mais significativas temporadas líricas de sua história, contando regularmente com bons elencos vocais, montagens ousadas e títulos imponentes. Tendo isto em vista, a montagem da ópera O rouxinol, de Igor Stravinsky, foi o toque final, a cereja deste sundae substancioso, encerrando em grande estilo uma temporada memorável.

Esta produção repetiu o aclamado time que ano passado deslumbrou a plateia do TMSP com L'enfant et les sortilèges, de Ravel, produção esta que imperou na mais recente edição do Prêmio Carlos Gomes. Encontram-se novamente na principal casa de ópera paulistana a sempre competente Orquestra Experimental de Repertório, seu regente titular, o maestro Jamil Maluf, a diretora de cena Livia Sabag, que teve suas ideias visualmente materializadas pelo inspirado diretor de arte e cenógrafo Fernando Anhê.


Cena da ópera O rouxinol, no Teatro Municipal de São Paulo [foto: divulgação / Adriano Scanhuela]

Estreado em Paris em 1914 – não muito tempo após a turbulenta estreia da Sagração da Primavera – a ópera O rouxinol traz ainda muito da dificuldade musical típica das partituras que Stravinsky compôs na década de 1910, desafio este em geral superado com segurança tanto pelo elenco orquestral como pelo vocal, que tiveram em Jamil Maluf um porto seguro métrico em meio às turbulências rítmicas da escritura stravinskiana.

Porém, em termos de espetáculo teatral, apesar de suas diminutas dimensões – em geral perfaz-se seus três atos em menos de uma hora – O rouxinol encerra um verdadeiro desafio cênico, tendo em vista a pouca preocupação com qualquer verossimilhança narrativa do libreto que Stravinsky assinou junto com Stepan Mitusov. Isto reforça sua dimensão simbólica e aumenta a carga de responsabilidade da encenação.

Apensar do curto espaço de tempo que tiveram para ocupar o palco do TMSP antes da estreia, Sagab e Anhê conseguiram superar estas dificuldades implícitas do título e criar um espetáculo fluente e visualmente bonito, apesar de a partir do segundo ato o trabalho de luz não ter ficado à altura do contexto cênico como um todo.


Cena da ópera O rouxinol, no Teatro Municipal de São Paulo [foto: divulgação / Adriano Scanhuela]

Construído de forma equilibrada, o elenco vocal deste Rouxinol foi estrelado pela bela voz da soprano russa Olga Trifonova. Ágil e segura de suas habilidades, Trifonova encantou (literalmente) com sua musicalidade rara e domínio de passagens em piano e pianissimo no registro agudo. Ou destaque foi o belo trabalho realizado pelo barítono Leonardo Pace (Imperador da China), que contracenou com Eric Herrero (Pescador), Daniella Carvalho (Cozinheira), Saulo Javan (Bonzo) e Silvia Tessuto (Morte), entre outros. Igualmente eficiente foi a participação do Coral Paulistano nesta produção, para a qual foi necessária uma preparação específica em idioma russo, em geral elogiada por aqueles que falam este idioma (o que não é o caso deste humilde crítico).

O ano do TMSP termina com o canto do rouxinol, e espera-se que este belo canto seja um bom agouro para a nova fase que a instituição necessariamente iniciará a partir do ano que vem, quando teremos o início de um novo ciclo político ocasionado pela troca de poder na prefeitura paulistana. Boa sorte a todos nós!





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Fevereiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3
 

 
São Paulo:

21/2/2018 - Fábio Zanon - violão, Quarteto Osesp e Alunos da Academia da Osesp

Rio de Janeiro:
21/2/2018 - Cecília Guimarães, Maria Helena de Andrade, Fernanda Cruz, Adriana Kellner e Ezequiel Peres - pianos

Outras Cidades:
23/2/2018 - Belo Horizonte, MG - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046