Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Segunda-Feira, 21 de Maio de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Glauco Velásquez revive em importante lançamento do Centro Cultural São Paulo (26/12/2012)
Por Camila Frésca

Na correria dos últimos dias do ano, o Centro Cultural São Paulo lançou mais um DVD dedicado à obra de um compositor brasileiro. Depois da bem sucedida experiência com os concertos para violino de Camargo Guarnieri, agora é a vez de Glauco Velásquez. Se o nome de Guarnieri já poderia soar desconhecido para alguns ouvidos, mais obscuro ainda será o deste compositor romântico brasileiro, que morreu com apenas 30 anos de idade.

Glauco Velásquez nasceu em Nápoles, na Itália, em 1884, fruto de uma relação não oficial entre Adelina Alambary, moça da sociedade carioca, e de seu professor de canto Eduardo Medina Ribas, português pertencente a uma célebre família de músicos. Foi trazido ao Brasil aos 11 anos de idade e, pouco depois de iniciar os estudos no Instituto Nacional de Música, passou a chamar atenção pela qualidade de suas obras. Tanto seus professores, como Frederico Nascimento e Francisco Braga, como importantes intérpretes da época, como Paulina D’Ambrosio, empenharam-se em difundir suas composições. O francês Darius Milhaud foi outro que ficou fortemente impressionado com a produção de Velásquez – cujas obras se revestem de uma estética romântica, com ecos wagnerianos, arrojada para o ambiente musical brasileiro da época. Jovem talento promissor, estimulado e incensado por seus pares: o que poderia ter se tornado uma carreira brilhante interrompeu-se com sua prematura morte, por tuberculose, em 1914. Os amigos, consternados,
criaram a Sociedade Glauco Velásquez, dedicada a promover audições e edições de sua obra. Extinta a Sociedade, o material foi doado à Escola de Música da UFRJ, que hoje guarda o acervo mais importante do compositor.

Se à época de Glauco o entusiasmo e disposição dos intérpretes foi peça-chave para que sua música fosse tocada, conhecida e admirada, foi também a curiosidade de um intérprete o primeiro passo para a concretização desse projeto. Tendo se deparado com a partitura de um dos trios de Velásquez na biblioteca do Centro Cultural São Paulo, o violinista Fabio Brucoli impressionou-se com a obra e decidiu levá-la aos colegas do Aulustrio – formado, além dele, por seus irmãos Paulo (piano) e Mauro (violoncelo) Brucoli. Ao trabalho dos intérpretes, juntou-se o do maestro e pesquisador Lutero Rodrigues e do cineasta Carlos de Moura Andrade. Coordenada por Francisco Coelho, a caixa Glauco Velásquez, 4 trios, é sem dúvida o mais valioso material já lançado sobre a obra do compositor. Com um DVD e dois CDs, contempla a interpretação, em áudio e vídeo, de seus quatro trios para violino, violoncelo e piano; traz a edição das partituras em .pdf e os depoimentos de Lutero Rodrigues, André Cardoso, Alceo Bocchino, Fabio Brucoli, Ernani Aguiar e Manoel Aranha Corrêa do Lago. Um livreto em português e inglês completa o auspicioso lançamento.

A iniciativa do Centro Cultural São Paulo (que teve patrocínio da Petrobras) é ótima tanto por iluminar um dos principais nomes do Romantismo brasileiro – e fazê-lo de forma competente – como também por preocupar-se em resgatar a história da música brasileira para além de gigantes como Carlos Gomes e Villa-Lobos – que, se obviamente merecem toda divulgação possível, estão longe de serem os únicos nomes dignos de figurar nos raros lançamentos de nosso mercado fonográfico e editorial.


[Parte do material de áudio, vídeo e partituras pode ser acessado também no site do projeto. Clique aqui.]

[O DVD também está disponível na Loja CLÁSSICOS, clique aqui.]





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Suisse Romande: Master class na Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (15/5/2018)
Um matrimônio espirituoso, vivo e musical Por Jorge Coli (8/5/2018)
“Fausto” é novo marco artístico do Festival Amazonas de Ópera Por Nelson Rubens Kunze (7/5/2018)
Clássico em terreno popular: o encantador recital de Cristian Budu na série “Tupinambach” Por Camila Frésca (3/5/2018)
Um "Faust" digno dos grandes teatros internacionais Por Jorge Coli (2/5/2018)
Verdi futurista aterrissa no Theatro Municipal do Rio Por Nelson Rubens Kunze (30/4/2018)
Cristian, Jamil e OER empolgam o Municipal lotado Por Irineu Franco Perpetuo (30/4/2018)
Ótima "Traviata" estreia em Belo Horizonte Por Nelson Rubens Kunze (27/4/2018)
A Camerata Romeu e a reinvenção da música Por João Marcos Coelho (26/4/2018)
Primeira escuta: Ronaldo Miranda estreia obra com a Osesp Por Nelson Rubens Kunze (25/4/2018)
Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Maio 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
30 31 1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31 1 2
 

 
São Paulo:

25/5/2018 - Ópera La traviata, de Verdi

Rio de Janeiro:
25/5/2018 - Orquestra Sinfônica de Barra Mansa

Outras Cidades:
30/5/2018 - Natal, RN - Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046