Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
La Cenerentola e seu belo “lado B” (21/3/2013)
Por Leonardo Martinelli

Com o aquecimento da cena lírica brasileira nos últimos anos, o público de nossas ainda raras casas de ópera tem se deparado cada vez mais com uma prática que nos bastidores e nos cafezinhos é informalmente chamada de “elenco B”. Ou seja, ao longo dos dias de récitas de uma determinada ópera conta-se com dois elencos vocais. Um é chamado de principal e outro justamente de “B”. Há variações piores, e uma delas é chamar um elenco de “internacional” e outro de “nacional”, que parte do equivocado pressuposto no qual a presença de estrangeiros é garantia de boa atuação cênica, fato que, como podemos testemunhar nos últimos tempos, não é verdade.

Este mês em São Paulo foi dada a largada da temporada lírica brasileira com a produção de La Cenerentola, de Rossini, pelo Teatro São Pedro. Das observações em relação à montagem e à direção cênica e musical faço coro à análise que o colega Irineu Franco Perpetuo publicou dias atrás neste mesmo site [clique aqui para ler]. Porém, para a récita de 19 de março, me preparei especialmente (e propositalmente) para conferir a atuação do dito “elenco B”.


Cena do elenco jovem da ópera La Cenerentola no Theatro São Pedro [foto: divulgação/ Wendell Campos]

Um dos grandes diferenciais desta produção em relação ao grupo escalado para dar uma folga e respiro ao elenco principal é que ele foi montado apenas com jovens talentos do canto lírico nacional, com idade entre 24 e 34 anos. A louvável e importante iniciativa é coerente com os novos rumos tomados pelo Teatro São Pedro, que este ano dá início às atividades de sua Academia de Ópera. Não por acaso, dos setes cantores convidados para atuar nesta produção quatro foram posteriormente admitidos para a primeira turma da academia.

Ontem, após o término de espetáculo, fiquei bastante contente e esperançoso com as vozes que pudemos ouvir. O desempenho mais regular e maduro, tanto em termos vocais como cênicos, ficou por conta da dupla responsável por encarnar as irmãs-megeras de Cinderela, isto é, a soprano Roseane Soares (Clorinda) e a mezzo Debora Dibi (Tisbe). Soube também tirar partido do potencial cômico de sua personagem o barítono Johnny França (Dandini), em si também detentor de um belo timbre. A dupla de baixos integrada por Misael Santos (Alidoro) e Gustavo Lassen (Don Magnífico) também se saíram bem, com altos e baixos compreensíveis. Já em relação ao casal protagonista Josy Santos (Cenerentola) e Cleyton Pulzi (Don Ramiro) notou-se uma curva ascendente em suas respectivas atuações, em especial no que diz respeito à precisão e agilidade das difíceis coloraturas que a partitura reserva. No final das contas Josy Santos soube convencer com a grande e difícil ária de encerramento do segundo ato.


Cena do elenco jovem da ópera La Cenerentola no Theatro São Pedro [foto: divulgação/ Wendell Campos]

Vale a pena ressaltar que a atuação do referido “elenco B” ocorreu sob condições muito diferentes do elenco principal, a quem é reservado total prioridade nos ensaios cênicos e musicais. Ou seja, no final das contas, estes jovens se superam pela incrível capacidade de apreender seus papéis em condições em parte adversas: afinal, é sempre duro e árduo o caminho do jovem artista...

São várias as lições que se tira de uma experiência como esta. Uma delas, é que um elenco jovem pode ter muito a nos dizer e encantar, e daí a importância de se sistematizar este tipo de iniciativa por todo o país. Outra, é que não faltará muito para que muitos desses jovens virem o disco e em breve passem a brilhar com toda justiça no “lado A”. Para isso, só precisamos continuar a investir e acreditar.


Cena do elenco jovem da ópera La Cenerentola no Theatro São Pedro [foto: divulgação/ Wendell Campos]

Clássicos Editorial Ltda. © 2013 - Todos os direitos reservados.
A reprodução deste conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para esta página.





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046