Banner 180x60
Bom dia.
Quarta-Feira, 17 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Na abertura da OSB, Yamandu Costa rouba o show (25/3/2013)
Por Nelson Rubens Kunze

Teatro Municipal lotado e clima de festa: foi assim a abertura da temporada 2013 da Orquestra Sinfônica Brasileira, a OSB, sábado passado, no Rio de Janeiro. Sob regência de seu titular, maestro Roberto Minczuk, o grupo tocou um programa com obras de Ligeti, Paulo Aragão, Respighi e Villa-Lobos. Paulo Aragão? Isso mesmo. Paulo Aragão, nascido em 1976, é um violonista e arranjador carioca, formado pelo UFRJ, com uma forte identificação na área da música instrumental brasileira. Ele é o autor do Concerto Nazareth encomendado pela OSB, uma homenagem a Ernesto Nazareth, cujo sesquicentenário está sendo comemorado este ano. E o grande destaque da noite foi justamente o solista da obra de Aragão, o violonista Yamandu Costa, que mais uma vez demonstrou ser um dos grandes artistas brasileiros da atualidade.

Após o Hino Nacional acompanhado ativamente pela plateia, a OSB iniciou o programa com o Concerto Romanesc, do romeno György Ligeti (1923-2006). A bonita composição surpreende aqueles que conhecem a criação de Ligeti como um dos importantes nomes da música do século XX (é de Ligeti a obra Atmospheres, usada também na famosa trilha sonora do filme “2001, uma odisseia no espaço”). O Concerto Romanesc tem uma escrita tradicional, com esmero timbrístico, e é baseada em temas ciganos e de inspiração folclórica. Foi boa a interpretação da OSB, com belas intervenções solísticas e a orquestra exibindo equilíbrio nos diversos naipes.

Seguiu-se a obra de Aragão com Yamandu Costa ao violão. Impossível ficar indiferente à performance e energia interpretativa desse músico singular. Yamandu faz parte da talentosa família da música instrumental brasileira (Egberto Gismonti, Hermeto Paschoal, Proveta) – um desdobramento, talvez, do que foi tempos atrás o próprio Ernesto Nazareth –, que simplesmente produz música como respira. Sua abordagem é absolutamente espontânea e se afirma por uma musicalidade e técnica arrebatadoras. Sábado, tocando de cor e com uma boa dose de improvisação (especialmente em dois bis solo sensacionais), Yamandu mostrou que também domina parâmetros caros aos “eruditos”, como dinâmicas sensíveis, articulações limpas e grande senso musical.

Mas tudo isso possivelmente não teria concorrido para a minha aprovação se não fosse o assumido crossover de Paulo Aragão. Tenho algumas reservas a essa moda de encomendas a músicos da área popular ou do instrumental brasileiro, que muitas vezes geram obras deslocadas carentes de autenticidade. Não é o caso aqui. Paulo Aragão transita com naturalidade e competência no arranjo orquestral e demonstra criatividade na combinação do violão com a malha sinfônica. A recorrente citação de obras e climas conhecidos, especialmente de Nazareth, aproxima a obra de um grande e original arranjo sinfônico, escrito com maestria para o inspirado violão de Yamandu.

Yamandu Costa, solista do Concerto Nazareth de Paulo Aragão [divulgação]

Após esse turbilhão sonoro, todos demoramos um pouco para voltar a nos concentramos para o segundo tempo do concerto, que começou com as Impressões brasileiras do italiano Ottorino Respighi (1879-1936). Inspiradas por uma visita do compositor ao Brasil, em 1928, são curiosas as impressões de Respighi, passando longe dos chavões de alegria e espontaneidade normalmente associados ao Patropi. A música flui reservada, com sombras e certa melancolia. Talvez também eu ainda estivesse um pouco entorpecido pelo furacão Yamandu Costa e o Concerto Nazareth...

Para terminar a noite, a OSB interpretou a Bachianas Brasileiras nº 7 de Villa-Lobos, composta em 1942. Apesar da condução consciente de Minczuk, que gravou uma elogiada integral das Bachianas com a Osesp, nem sempre a OSB conseguiu atender às exigências da partitura, que, densa e de intensos blocos sonoros, exige homogeneidade sonora e flexibilidade.

A noite foi um sucesso e a orquestra e o maestro foram ovacionados por uma plateia entusiasmada. Teria sido ainda melhor com uma alteração na ordem do programa: a inversão da primeira parte pela segunda seguramente teria atendido melhor a concentração exigida pelas obras mais “eruditas”, reservando para o final a apoteótica performance de Yamandu Costa.

Observação: O Concerto Nazareth com Yamandu Costa e a obra de Ligeti também estão no repertório do concerto que a OSB fará na Sala São Paulo, no próximo dia 15 de maio. A apresentação ainda contará com a Sinfonia nº 4, de Brahms.

[Nelson Rubens Kunze viajou ao Rio de Janeiro e assistiu ao concerto a convite da Fundação OSB.]





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
17/1/2018 - Duo Roberto Taufic - violão e Gabriele Mirabassi - saxofone

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046