Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 26 de Abril de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Violinos para milionários (1/4/2013)
Por Camila Frésca

Deu na última edição da revista britânica especializada em cordas The Strad: o violino Guarneri del Gesù “Vieuxtemps” tornou-se o instrumento musical mais caro do mundo ao ser vendido, no final de 2012, por uma soma superior ao Stradivarius “Lady Blunt”, que, em 2011, atingiu o valor de 15,9 milhões de dólares.

Guarneri del Gesù foi, tal como Antonio Stradivari, um célebre luthier de Cremona que construiu alguns dos instrumentos de cordas hoje considerados o ápice da toda a história da luteria. O instrumento em questão, de 1741, foi um dos últimos construídos por del Gesù, que morreu em 1744. Leva o nome de um de seus mais célebres donos, o violinista belga Henri Vieuxtemps (1820-1881) – um dos maiores virtuoses de sua época. O Guarneri “Vieuxtemps” passou por várias mãos até ser adquirido por Ian Stoutzer, banqueiro britânico aposentado, em meados da década de 1960. Em 2010, ele já havia colocado o instrumento a venda por US$ 18 milhões. Dessa vez, em que a transação foi finalmente concluída, o valor não foi divulgado. Tudo o que se sabe é que um comprador anônimo o arrematou por uma soma “expressivamente” mais alta que o “Lady Blunt”.


Anne Akiko Meyers [foto: divulgação]

Além de Henri Vieuxtemps, esse Guarneri del Gesù já foi tocado por gigantes como Eugène Ysaÿe, Yehudi Menuhin e Itzhak Perlman. O comprador anônimo deu à violinista norte-americana Anne Akiko Meyers uso exclusivo do instrumento até o final de sua carreira. Esse tipo de atitude é razoavelmente corriqueira: uma vez que estes instrumentos são cada vez mais tratados como obras de arte e têm seu preço valorizado no mercado, deixam de ser comprados por músicos para serem adquiridos por investidores, bancos ou fundações. Estes, por sua vez, emprestam os instrumentos a um artista por um determinado tempo. “Tive muitos violinos emprestados, e é como perder uma parte de sua alma quando você tem que devolver o instrumento”, afirmou Anne Akiko Meyers, revelando uma preocupação comum aos solistas que usam instrumentos emprestados. Esse mesmo temor, por exemplo, também acomete o jovem violinista norte-americano Giora Schmidt, que usa um violino Giovanni Battista Guadagnini de 1753 que foi emprestado a ele. “Possuir um é quase impossível, mesmo fazendo uma carreira de muito sucesso como concertista”, afirma. E completa: “cada vez que o telefone toca temo que seja o proprietário pedindo o violino de volta”.

“Por esse motivo negociei um acordo com o comprador que me dá paz de espírito em saber que este será meu instrumento de concerto até o final da minha carreira”, explica Anne Akiko Meyers sobre as condições em que passa a usar seu “Vieuxtemps”. Ela ressalta as qualidades desse cobiçado instrumento, considerado por muitos o violino mais perfeito já construído: “O que é realmente extraordinário nesse violino é que ele não tem sequer uma rachadura, como qualquer instrumento dessa idade teria. É como se ele tivesse sido feito ontem! Está perfeitamente preservado, e é esta saúde que lhe dá qualidades tonais de outro mundo. Ele tem um som profundo e rico, mais colorido que qualquer outro violino que eu já tenha ouvido.”

Além de curiosa, esta é uma história cada vez mais corriqueira no mundo dos instrumentos de corda. Eles deixam de ser exatamente aquilo que seu nome significa: um “instrumento” para realização da música, tornando-se um objeto de culto e de valor próprio no mercado; portanto, longe do alcance dos pobres músicos, mesmo sendo estes os únicos capazes de realizar aquilo à que o instrumento foi destinado.

Mas antes de acabar a história vale acrescentar duas informações ainda mais curiosas:

1. Anne Akiko Meyers é uma exceção nesse universo, pois além do Guarneri Vieuxtemps, do qual poderá desfrutar pelo resto da vida, ela é a feliz possuidora de dois violinos Stradivarius! Anne agora diz que está considerando a venda de pelo menos um deles;

2. Apesar de todo esse culto e disputa pelos instrumentos antigos – especialmente os da escola de Cremona do século XVIII – cada vez que se faz um teste cego, com especialistas avaliando as mesmas qualidades em instrumentos modernos e antigos, os modernos costumam ganhar com larga folga. Mas isso já é assunto para um outro texto...

[Clique aqui para assistir ao vídeo com Anne Akiko Meyers falando sobre o Guarneri “Vieuxtemps” e trechos de sua estreia com ele, tocando o Concerto para violino de Samuel Barber no Carnegie Hall em dezembro de 2012]





Camila Frésca - é jornalista e doutoranda em musicologia pela ECA-USP. É autora do livro "Uma extraordinária revelação de arte: Flausino Vale e o violino brasileiro" (Annablume, 2010).

Mais Textos

Primeira escuta: Ronaldo Miranda estreia obra com a Osesp Por Nelson Rubens Kunze (25/4/2018)
Oito olhos azuis e muita música Por Jorge Coli (19/4/2018)
‘Missa’ de Bernstein é destaque no Theatro Municipal de São Paulo Por Nelson Rubens Kunze (10/4/2018)
“O Corego” e os primórdios da representação operística Por Camila Frésca (6/4/2018)
Natalie Dessay: uma expressão que transcende as palavras Por Irineu Franco Perpetuo (5/4/2018)
Os Músicos de Capella fazem primorosa ‘Paixão’ de Bach Por Nelson Rubens Kunze (29/3/2018)
A música não mente Por João Marcos Coelho (27/3/2018)
Enfim, uma sede para a Ospa! Por Nelson Rubens Kunze (26/3/2018)
A Osesp, Villa-Lobos e o “voo de galinha” Por João Marcos Coelho (23/3/2018)
Jan Lisiecki: para uma temporada de austeridade, um pianista nada austero Por Irineu Franco Perpetuo (14/3/2018)
“Lo Schiavo” em Campinas: encantamento e melancolia Por Jorge Coli (12/3/2018)
Villa-Lobos, a Semana de Arte Moderna e o Brasil Por Camila Frésca (8/3/2018)
“Sexta” de Mahler coroa trabalho artístico do Instituto Baccarelli Por Nelson Rubens Kunze (5/3/2018)
10 anos de Filarmônica de Minas Gerais: muito a comemorar Por Nelson Rubens Kunze (26/2/2018)
Hvorostovsky e um “Rigoletto” excepcional Por Jorge Coli (26/2/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 2 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Ópera de Dubai e Louvre Abu Dhabi: arquitetura e conceito – parte 1 Por Camila Frésca (22/1/2018)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Abril 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5
 

 
São Paulo:

29/4/2018 - Orquestra Experimental de Repertório

Rio de Janeiro:
29/4/2018 - Ópera Um Baile de Máscaras, de Verdi

Outras Cidades:
26/4/2018 - Vitória, ES - Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046