Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Quinta-Feira, 18 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Nathalie Stutzmann: contralto em dose dupla (17/4/2013)
Por Irineu Franco Perpetuo

Uma das vantagens da existência de uma instituição como a Osesp é a cidade ser semanalmente visitada por grandes nomes internacionais que, antes de a orquestra ser recauchutada por John Neschling, só vinham até São Paulo uma ou duas vezes por mês, nas séries de assinatura da Sociedade de Cultura Artística e do Mozarteum Brasileiro.

Caso da francesa Nathalie Stutzmann, 47, que, nos últimos dez anos, vem exibindo por aqui seu raro timbre de contralto natural – com um registro grave especialmente escuro e denso, que beira a androginia – quer em canções, quer no repertório orquestral.

Pois bem: recentemente, Stutzmann, além de cantar com a Osesp, foi a estrela de um dos recitais que a orquestra promove da Sala São Paulo.


Nathalie Stutzmann [foto: divulgação]

Fui ouvi-la inicialmente na sexta-feira, dia 12, com a Osesp, sob a batuta de Sir Richard Armstrong.  Seu repertório era dos mais interessantes: o bicentenário de Wagner celebrado com os Wesendonck-Lieder, na orquestração refinada e inteligente de Hans Werner Henze (1926-2012) – embora perca um pouco do impacto ao ser colocada depois de uma versão chocha da Sinfonia “Júpiter”, de Mozart, à qual a “cintura dura” da Osesp roubou o caráter de dança do minueto e de canto das melodias.

Mais do que se destacar pelo volume ou potência da voz, Stutzmann é uma cantora de delicadezas camerísticas. Portanto, o rincão da Sala São Paulo no qual a crítica é sistematicamente exilada nos concertos da Osesp  nem sempre é o melhor local para ouvi-la. E parece ter faltando, ainda, quantidade suficiente de ensaios para que houvesse real música de câmara entre solista e orquestra. Stutzmann cantava bem, de um lado; a orquestra tocava bem, do outro; quem quisesse ouvir diálogo musical, que voltasse na terça-feira, quando ela daria recital com a pianista sueca Inger Södergren.

Foi o que fiz. Na série Osesp de recitais, a Sala São Paulo é “encolhida”, transformando-se de hall sinfônico em intimista ambiente de câmara. Dessa vez, estranhamente, a solista foi colocada de costas para a plateia, cantando de frente para o coro. Como resultado, os que estávamos no local supostamente “nobre” da sala encarávamos sua nuca, e ouvíamos o piano antes da voz – que nos chegava de canto de boca. Inventou-se uma compensação em telas de plasma, ao lado do palco, para quem quisesse contemplar as expressões faciais da cantora – mas, para a perda do foco vocal, não havia remédio.

Enfim, uma Stutzmann de esgar é ainda melhor do que Stutzmann alguma. O programa abriu com uma seleção de sete lieder de Schubert e, dentre a escolhas célebres, como Du bist die Ruh, Heidenröslein e Die Forelle, o destaque foi Litanei au das Fest aller Seelen, com seus graves luzindo de forma especialmente expressiva.

A homenagem a Wagner veio em seguida, com quatro raríssimas canções não em alemão, mas em francês. Particularmente irônico é ouvir Os Dois Granadeiros, de Heine, que Schumann transformou, em alemão, em um de seus mais célebres lieder, vertido para a língua da nação contra a qual Wagner soltou tamanhas diatribes; a exemplo de Schumann, ele usa o irresistível recurso de citar a Marselhesa, e me pergunto se o compositor não teria experimentado nem um pedacinho de conflito ao musicar versos como “j'irai défendre enconre/la France et l'Empereur, l'Empereur bien aimé” (vou defender novamente/a França e o Imperador, o Imperador amado).

Depois do intervalo, Stutzmann incluiu belas canções de outro compositor de ópera, Gounod, fechando com o ponto alto da noite: uma encantador bloco dedicado a Debussy, interpretado com uma sedutora e amadurecida mescla de compreensão de texto, apuro no fraseado e domínio da arte do colorido vocal.

Lá pelo segundo bis, ela se compadeceu dos exilados da plateia e, por uma estrofe, dignou-se a cantar de frente para nós, brindando-nos com a plenitude de sua vocalidade. Em 14 anos frequentando a Sala São Paulo, nunca fiquei com tanta inveja dos privilegiados que estavam sentados no coro, e que tiveram 100% de Stutzmann, a noite inteira...


Clássicos Editorial Ltda. © 2013 - Todos os direitos reservados.
A reprodução deste conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para esta página.





Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

18/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
24/1/2018 - José Carlos Vasconcellos - piano

Outras Cidades:
27/1/2018 - Ilhabela, SP - Balés O lago dos cines, de Tchaikovsky e Melhor único dia (estreia), de Henrique Rodovalho
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046