Banner 180x60
Boa noite.
Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Musical ruim abre ano “lírico” do Theatro Municipal (8/5/2013)
Por Nelson Rubens Kunze

“Você tem que elevar o seu nível de exigência”, disse-me o maestro John Neschling em tom jocoso, em um almoço com jornalistas, quando assumiu a direção artística do Theatro Municipal de São Paulo. A tirada veio em resposta a minha declaração, de que tínhamos tido, no ano passado, uma das melhores temporadas líricas da história recente do teatro.

Recordei-me desse comentário ao sair ontem, dia 7 de maio, da primeira montagem da nova gestão do Theatro Municipal: a ópera Ça Ira – Há esperança, do músico Roger Waters, líder do histórico grupo de rock progressivo Pink Floyd. Não creio que esta Ça Ira atenda àquele nível de exigência ao qual o maestro Neschling se referia naquele almoço. É verdade, o maestro sempre manteve distância prudente desse título, que, como sempre disse, já veio incluído no pacote que recebeu ao assumir o teatro. Mas é um balde de água fria para a comunidade cultural que a primeira ópera a ser apresentada no Theatro Municipal este ano, após meses de silêncio lírico, seja um arremedo medíocre de musical.


Cena da ópera ÇA IRA – HÁ ESPERANÇA [fotos: divulgação / Carol Sachs]

A obra é ruim. Na partitura, o problema não é o fato de ser tonal ou baseada em uma linguagem do século 19. A música é simplória e desprovida de qualquer desenvolvimento dramático. São motivos que se encadeiam com pouca originalidade. As linhas melódicas vocais são acompanhadas de forma quase que paralela pela orquestra. Algumas passagens corais – se é que é possível denominar assim o canto em uníssono dos diversos registros – são francamente constrangedoras. Pelo menos, em algumas partes, a sonoplastia mesclada aos sons da orquestra ajudou a superar as carências da escrita.

O enredo, baseado em libreto de Étienne e Nadine Roda-Gil, é de frases justapostas, uma sequência de ideias ingênuas, prenhes de moralidade, que convergem para a grande mensagem final (banal) da fraternidade, igualdade e liberdade. A gente sabe o que foi a Revolução Francesa e os personagens (Marie Antoniette, Marie Therese, Louis XVI) dão algumas dicas. Contudo, quem não leu o texto introdutório do diretor André Heller-Lopes no programa dificilmente decifrará que aquelas figuras representavam o povo libertário deslocado, como loucos, para dentro de um manicômio. Heller-Lopes, conforme seu texto, utilizou-se do universo de Arthur Bispo do Rosário, genial artista que viveu a maior parte da vida internado em um hospital psiquiátrico. Os elementos de cena que eventualmente remetessem a isso, contudo, são pontuais.


Cena da ópera ÇA IRA – HÁ ESPERANÇA [fotos: divulgação / Carol Sachs]

Mas, dada a explicação, são o impactante cenário (Renato Theobaldo e Beto Rolnik), uma iluminação competente (Fabio Retti) e uma funcional e apropriada direção de cena (André Heller-Lopes) os pontos altos produção. Os dois atos se passam no mesmo ambiente de manicômio ladeado por uma biblioteca, em soluções cênicas bonitas e inteligentes.

Todos os protagonistas – e subiram ao palco alguns de nossos mais valorosos cantores líricos (Gabriella Pace, Leonardo Neiva, Marcos Paulo, Lina Mendes, Eduardo Amir, Giovanni Tristacci, Leonardo Pace, David Marcondes e Keila de Moraes) – cantaram microfonados com resultados, senão insatisfatórios, bastante desiguais (por que não se chama um cantor de musical para cantar um musical?). A orquestra, conduzida pelo maestro Rick Wentworth, foi irregular. Wentworth, como leio no programa, é o autor da orquestração e um especialista em música para cinema.

Nível de exigência pra cá, nível de exigência pra lá – eu sei mesmo é que me deu saudades da programação do Municipal do ano passado. Sabemos como é difícil estabelecer uma linha artística consistente e de alto nível dentro de uma programação anual. Com um recuo de alguns meses e assistindo agora a essa Ça Ira consolidou-se a minha certeza de que a temporada que tivemos no ano passado, com direção artística de Abel Rocha, foi mesmo excepcional. Que venha finalmente a nova temporada lírica do Theatro Municipal!


Clássicos Editorial Ltda. © 2013 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo do Site CONCERTO requer autorização, exceto trechos com link para as respectivas páginas.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
Neojiba: o exemplo da Bahia para o Brasil Por Irineu Franco Perpetuo (24/7/2017)
Você conhece José Vieira Brandão? Por João Marcos Coelho (12/7/2017)
Campos do Jordão, Salzburg e a economia da cultura Por Nelson Rubens Kunze (12/7/2017)
Rameau em “dreadlocks” Por Jorge Coli (11/7/2017)
Isabelle Faust, Vadim Repin e Julian Rachlin: sobre expectativas, decepções e boas surpresas Por Camila Frésca (5/7/2017)
Encomenda da Osesp mostra Mehmari maduro Por Irineu Franco Perpetuo (3/7/2017)
Fórum apresenta importantes orientações para “endowments” culturais no Brasil Por Nelson Rubens Kunze (10/6/2017)
Filme “Filhos de Bach” marca por sua sensibilidade e delicadeza Por Nelson Rubens Kunze (9/6/2017)
Transformação social e o futuro da música clássica Por Anahi Ravagnani e Leonardo Martinelli (30/5/2017)
Os extras contemporâneos de Isabelle Faust na Sala São Paulo Por João Marcos Coelho (25/5/2017)
Festival Amazonas de Ópera encena ‘Tannhäuser’ e comemora 20ª edição Por Nelson Rubens Kunze (23/5/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Outubro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

 
São Paulo:

22/10/2017 - Gabriel Oliveira - piano

Rio de Janeiro:
29/10/2017 - XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea

Outras Cidades:
20/10/2017 - Vitória, ES - II Festival Sesi de Ópera
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046