Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
“Sagração”: 100 anos depois na Sala São Paulo (1/6/2013)
Por Nelson Rubens Kunze

A Sagração da primavera, de Igor Stravinsky, cujo centenário está sendo comemorado em 2013, é, como sabemos, uma das obras-primas seminais do século XX. Aqui no Brasil, quanto aos festejos de tão significativa criação, creio que não podemos reclamar: já tivemos neste ano a arrebatadora audição da Sagração pela sensacional Orquestra Sinfônica Simón Bolívar sob direção de Gustavo Dudamel; em julho, o Balé da Cidade de São Paulo remonta a coreografia de Luís Arrieta no Teatro Municipal de São Paulo; e, em agosto, o Teatro Municipal do Rio de Janeiro promete até a encenação da coreografia original de Nijinsky (a partir do dia 22 de agosto). Finalmente a Osesp, que nomeou sua temporada 2013 de “Sagrações da primavera”, apresentará a obra em dezembro, fechando o ano, sob direção de sua titular Marin Alsop.

Para não deixar passar em branco a emblemática data de 29 de maio, dia exato da conturbada estreia da Sagração em Paris, o diretor artístico da Osesp, Arthur Nestrovski, programou uma palestra com o filósofo e professor da USP Jorge de Almeida (no âmbito dos encontros Música na Cabeça) e a apresentação da versão para dois pianos na interpretação de Olga Kopylova e Paulo Álvares.

O ensejo acabou resultando em uma das melhores performances de música de câmara dos últimos tempos, com o excelente recital dos pianistas Olga Kopylova e Paulo Álvares. Olga é conhecida e admirada na cidade. Nascida em 1979, no Uzbequistão, a pianista formou-se no Conservatório Tchaikovsky de Moscou. Em 1999, mudou-se para o Brasil, onde assumiu o posto de pianista titular da Osesp. Já o brasileiro Paulo Álvares, que estudou entre outros com Aloys Kontarsky, reside na Alemanha há mais de 20 anos (ele é professor da Escola de Música de Colônia) e é reconhecido internacionalmente por suas interpretações de música contemporânea.

Na Sala São Paulo em “configuração” de câmara (um véu branco divide a plateia da sala criando, com o palco e o coro, um espaço menor e mais intimista), os músicos apresentaram Em branco e preto (1915), de Claude Debussy, Variações sobre um tema de Paganini (1941), de Witold Lutoslawsky, e finalmente a versão para dois pianos de A sagração da primavera, de Sravinsky (1911-13). Foi extraordinária a apresentação do duo, evidenciando grande interação e identificação artísticas. Enfrentando os desafios técnicos com linda musicalidade, os músicos interpretaram com alta competência as sonoridades matizadas de Debussy, o brilhantismo da obra de Lutoslawsky e especialmente as riquezas rítmica e expressiva da Sagração.

A Sagração da primavera, em dois pianos, na Sala São Paulo [Foto: Osesp]

É raro ouvir a formação de dois pianos nesse nível de qualidade técnica e instrumental. Olga Kopylova e Paulo Álvares celebraram o centenário da Sagração da primavera com uma apresentação memorável.





Nelson Rubens Kunze - é diretor-editor da Revista CONCERTO

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

17/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
21/12/2017 - Belo Horizonte, MG - Oratório O Messias, de Händel
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046