Banner 468x60
Banner 180x60
Bom dia.
Sábado, 16 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Mais vale Adriane que Ariadne (18/8/2008)
Por Irineu Franco Perpetuo

Tem uma cantora brasileira que o eixo Rio-São Paulo precisa descobrir urgentemente. É Adriane Queiroz, que ontem (domingo, dia 17) cantou a terceira e última récita como Mimì na montagem da ópera La Bohème, de Puccini, que abriu o II Festival Internacional de Ópera da Amazônia, em Belém.
Não foi a récita do domingo que eu vi - na mesma data, eu estava padecendo com a Zerbinetta de volume diminuto e afinação precária de Andréa Ferreira na pouco feliz montagem paulistana de Ariadne auf Naxos, de Richard Strauss. Estive no Teatro da Paz na segunda récita de Bohème, na sexta-feira, dia 15.
Para quem teve a fortuna de acompanhar a espetacular Ceci de Queiroz no mesmo teatro, no ano passado, no Guarany regido por Roberto Duarte, já não é mais possível se surpreender com o nível de amadurecimento vocal e cênico da cantora. Totalmente à vontade, em um papel que corresponde exatamente às possibilidades atuais de sua voz, Adriane foi uma Mimì comovente, dotada de um centro grave sólido, mas sem medo dos agudos. Seu timbre escuro evidencia que, talvez, com os anos, possa, no futuro, ingressar em um repertório mais dramático. Por enquanto, soa ideal nas partes de soprano lírico.
Trata-se de um talento que os regentes de São Paulo e do Rio de Janeiro, estranhamente, ainda não notaram. Mas que não passou despercebido de um certo Daniel Barenboim, que, quando conversamos no Aeroporto de Cumbica, em maio, me disse que acha a tal da Adriane "muy buena".
Bem, não por acaso, a paraense é membro, desde 2002, do elenco estável da Staatsoper - o melhor dos três teatros de ópera de Berlim, chefiado justamente por Barenboim. E, sob a regência do mítico e venerado Pierre Boulez, participou da gravação da Oitava Sinfonia de Mahler lançada pela Deutsche Grammophon.
A Bohème paraense teve ainda prestações sólidas de Manuel Alvarez e José Gallisa, respectivamente, como Marcello e Colline, e uma Musetta esforçada de Luciana Tavares. Para o futuro, vale ficar de olho em Atalla Ayan, que cantou Rodolfo com apenas 22 anos de idade.
Ayan possui um timbre muito belo, e bastante talento. Mas ainda há um grande trabalho técnico a ser feito. Resta torcer para que ele não repita a triste sina de vários tenores brasileiros, que aparecem cantando lindamente, mas se esquecem do aperfeiçoamento e, por se entregarem a papéis demasiadamente pesados, acabam arruinando suas vozes.




Irineu Franco Perpetuo - é jornalista, colaborador do jornal Folha de S. Paulo e correspondente no Brasil da revista Ópera Actual (Barcelona).

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

16/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
16/12/2017 - Linda Bustani - piano

Outras Cidades:
22/12/2017 - Vitória, ES - Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046