Banner 468x60
Banner 180x60
Boa tarde.
Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


 

 

Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 

 
 
 
Que educação musical? (25/8/2008)
Por Leonardo Martinelli

O governo acaba de aprovar a lei da obrigatoriedade do ensino musical no país. Mas será que apenas uma canetada resolve a questão?
É evidente que o ensino amplo e democrático é uma excelente idéia, e desde a Grécia da Antigüidade se confere à educação musical um fator relevante na formação do cidadão (tanto Platão como Aristóteles abordam a questão na "República" e na "Política", respectivamente).
Se por um lado o simples acesso à música que a tal lei pode propiciar é algo em si importante e animador, pelo outro é preocupante o como este acesso será realizado, e principalmente, quem irá fazê-lo.
A lei foi aprovada com o veto presidencial no artigo que exigia a formação musical para aqueles que optarem por lecionar esta disciplina. Qualquer um que conviva cotidianamente com a música entenderá que nem sempre "formação" musical significa "qualificação": não é raro encontrarmos talentos quase sobrenaturais totalmente desprovidos de diploma, bem como pessoas supertituladas sem uma real proficiência musical.
Entretanto, quando se trata de uma empreitada desta envergadura - isto é, iniciar o processo de alfabetização musical de um país de proporções continentais - uma qualificação formal mínima é mais do que bem-vinda, é sim fundamental.
Nos últimos anos tem crescido de forma expressiva o número de cursos de licenciatura em música, antes aprisionados como mera especialização em cursos de educação artística. Ao mesmo tempo diversos trabalhos, pesquisas e congressos dedicados à musicalização tem sido realizados por nossos educadores, que tem na Abem (Associação Brasileira de Educação Musical) um sólido ponto de referência pedagógica e institucional.
De certa forma, o veto presidencial foi uma facada nas costas em um projeto coletivo empreendido há anos por estes educadores.
Apesar de em um primeiro momento o "amadorismo músico-pedagógico" que o tal veto pode acarretar mostrar-se o principal problema do início desta empreitada, muitos outros já surgem num horizonte não muito distante, tais como a infra-estrutura pedagógica (instrumentos musicais, lousas de música, equipamentos, etc.), metodologias e métodos.
Se o Brasil é um país musical por natureza, o grande desafio de nossos futuros educadores será como formalizar seu ensino numa sociedade na qual a educação como um todo passa bem longe das prioridades do Estado (e, de certa forma, do próprio povo) e a arte é freqüentemente entendida como um "capricho supérfluo", e não por sua real importância, isto é, como algo essencial à vida.
Boa sorte a todos nós!




Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
O bel canto colorido e expressivo de Javier Camarena Por Irineu Franco Perpetuo (10/8/2017)
Osesp faz belo concerto com programa raro Por Jorge Coli (9/8/2017)
Terceira edição do Festival Vermelhos consolida projeto cultural em Ilhabela Por Camila Frésca (8/8/2017)
Em busca da música Por João Marcos Coelho (28/7/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Dezembro 2017 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
 

 
São Paulo:

21/12/2017 - Ópera A flauta mágica, de Mozart

Rio de Janeiro:
21/12/2017 - Orquestra Johann Sebastian Rio

Outras Cidades:
19/12/2017 - Goiânia, GO - Orquestra Sinfônica de Goiânia
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2017 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046