Banner 180x60
Bom dia.
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018.
 
E-mail:  Senha:

 

 
Nome

E-mail


 
Saiba como anunciar na Revista e no Site CONCERTO.
   


Vitrine Musical 2016 - Clique aqui e veja detalhes dos anunciantes

 
 
 
Tutu à mineira (21/10/2013)
Por Leonardo Martinelli

Ninguém duvida que a culinária regional seja um dos grandes cartões de visita da cultura mineira. E dentre tantas delícias, como não destacar o prato que carrega a terra em seu nome, o tutu à mineira? Porém, vale a pena lembrar que a palavra “tutu” significa também dinheiro, e os concertos que a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais realizou na Sala São Paulo nos dias 17, 18 e 19 de outubro deixam claro que esse povo possui um verdadeiro tesouro musical.

Sob a regência Fabio Mechetti (diretor artístico e regente titular do grupo), a filarmônica iniciou sua apresentação com a abertura da ópera Tannhäuser, de Richard Wagner. A escuta desta obra de múltiplos coloridos – desde sonoridades discretas e litúrgicas até massas imponentes e exuberantes – permitiu constatar o excelente trabalho de coesão tímbrica que o grupo vem desenvolvendo. A filarmônica mineira mostra-se bem à vontade na Sala São Paulo, e, sem fazer cerimônias, a ocupou da forma que lhe foi mais conveniente ao dispor suas trompas ao centro, por detrás dos sopros madeiras (e não na lateral esquerda do palco, como de costume) e, como um todo, tocar fisicamente mais junto, sem se importar com eventuais espaços vazios que sobrem nas laterais do palco. Ao menos para quem estava sentado no balcão mezanino (tal como foi meu caso) o resultado foi uma sonoridade bastante equilibrada.

Ainda na primeira parte do programa a orquestra acompanhou o jovem pianista norte-americano Conrad Tao na sua interpretação do Concerto para piano, op. 13, de Benjamin Britten. Tao conta com apenas com 19 anos de idade, momento de uma difícil e delicada transição na qual o músico precisa cada vez mais se provar como artista e menos como menino prodígio.


Mechetti, Tao e a Filarmônica de Minas, na Sala São Paulo [foto: Alexandre Rezende/divulgação]

O Concerto de Britten encerra uma sonoridade naturalmente expansiva e juvenil, que cai como uma luva para toda a eletricidade que Tao traz consigo. Pianista e orquestra souberam conduzir esta partitura de forma bastante precisa e, novamente, o equilíbrio entre as sonoridades voltou a impressionar. Sete anos depois de compor essa peça, Britten realizou uma revisão na qual inseriu um movimento a mais, o Impromptu: Andante lento. Aqui foi enfim possível vislumbrar um pianista mais reflexivo e dramático, menos narcisista em relação aos seus incríveis dotes virtuosísticos. Mas introspecção ainda não é o ponto forte de Tao, e nada mais natural (e delicioso) que a escolha que ele fez para seu bis, o explosivo Precipitato da Sonata n° 7 de Prokofiev.

Para a segunda parte da apresentação, Mechetti regeu, de cor, a Sinfonia n° 3 de Serguei Rachmaninov. Ampliando-se todos os predicados anunciados com o Wagner da primeira parte, a interpretação desta preciosa partitura foi um verdadeiro deslumbre. Aqui a Filarmônica de Minas Gerais demonstrou, mais uma vez, não apenas a coesão sonora de seus naipes e o modo como interagem de forma equilibrada, mas também foi o momento de seus solistas se revelarem: dos sopros madeiras aos metais, culminando com os lindos solos de seu spalla Anthony Flint, fica então claro a excelente qualidade de matéria prima que compõe essa maravilhosa massa orquestral.

Como de hábito, Mechetti mais uma vez deu provas que sabe muito bem como moldar e manusear essa massa que tem em mãos, com pleno domínio de tempos e andamentos, conduzindo a orquestra para sonoridades grandiosas, sem jamais cair na “gritaria”, ao mesmo tempo em que passagens mais sutis são realizadas de forma clara e expressivamente lírica.

As apresentações da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais na terra da garoa coincidem com o anúncio de sua temporada 2014, que prevê não apenas a presença de peças bonitas e regentes e solistas interessantes, mas, sobretudo por programas instigantes que prometem garantir um ótimo Ano Novo sinfônico para os habitantes de Belo Horizonte e região. Sorte a deles...

Clássicos Editorial Ltda. © 2013 - Todos os direitos reservados.
A reprodução de todo e qualquer conteúdo requer autorização, exceto trechos com link para a respectiva página.





Leonardo Martinelli - é compositor e jornalista. Foi editor-assistente da Revista CONCERTO entre 2009 e 2013, e atualmente é diretor de formação da Fundação Theatro Municipal de São Paulo.

Mais Textos

A produção é boa, mas faltou mágica na “Flauta” do Municipal Por Nelson Rubens Kunze (23/12/2017)
Relativizações, realidades e transformações: um olhar sobre “A flauta mágica” do Theatro Municipal Por João Luiz Sampaio (23/12/2017)
O prazer de ouvir Neymar Dias – muito bachiano e muito brasileiro Por Irineu Franco Perpetuo (20/12/2017)
Uma temporada inclusiva, feita com inteligência Por João Marcos Coelho (19/12/2017)
Uma grande e despretensiosa sátira Por João Luiz Sampaio (8/12/2017)
A goleada da Argentina (e nem precisaram do Messi) Por Nelson Rubens Kunze (8/12/2017)
Museu virtual reúne milhares de instrumentos de coleções britânicas Por Camila Frésca (4/12/2017)
Karnal, a Osesp e o governador Por Nelson Rubens Kunze (24/11/2017)
Quem não trafega nas redes sociais se trumbica Por João Marcos Coelho (24/11/2017)
Budu e Hilsdorf: nasce um duo Por Irineu Franco Perpetuo (14/11/2017)
Três óperas Por Jorge Coli (7/11/2017)
Convocação de OSs para Emesp, Guri e Conservatório de Tatuí reforça torniquete financeiro do governo Por Nelson Rubens Kunze (3/11/2017)
Para onde nos levará a onda de censura no país? Por João Marcos Coelho (31/10/2017)
Os quartetos de cordas e a reavaliação da obra de Villa-Lobos Por Camila Frésca (30/10/2017)
O Brahms profundo e espontâneo de Nelson Freire Por Irineu Franco Perpetuo (25/10/2017)
Primeiras impressões sobre a temporada da Osesp Por João Marcos Coelho (29/9/2017)
“Tosca” tem montagem competente no Rio de Janeiro Por Nelson Rubens Kunze (28/9/2017)
Refinamento e inventividade em “Brazilian Landscapes” Por Camila Frésca (28/9/2017)
Um “Nabucco” problemático no Theatro Municipal de São Paulo Por João Luiz Sampaio (26/9/2017)
Na estreia com a Osesp, Leonardo Hilsdorf encanta a Sala São Paulo Por Irineu Franco Perpetuo (22/9/2017)
Festival de Ópera do Theatro da Paz faz bom “Don Giovanni” Por Nelson Rubens Kunze (19/9/2017)
Penderecki e Szymanowski: uma noite musical maior Por Jorge Coli (18/9/2017)
Novo fôlego para a ópera no RS Por Everton Cardoso (8/9/2017)
Wagner de boa qualidade, mas sem lirismo e vigor dramático Por Jorge Coli (4/9/2017)
Finalmente Dudamel “suja” mãos e batuta com a “política” Por João Marcos Coelho (24/8/2017)
Dobradinha “Pulcinella & Arlecchino” tem boa realização no Theatro São Pedro Por Nelson Rubens Kunze (23/8/2017)
 
Ver todos os textos anteriores
 
<< voltar

 


< Mês Anterior Janeiro 2018 Próximo Mês >
D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3
 

 
São Paulo:

17/1/2018 - Espetáculo O compositor delirante

Rio de Janeiro:
16/1/2018 - Duo Bernardo Katz - violoncelo e Holly Katz - piano

Outras Cidades:
30/1/2018 - Paraupebas, PA - Academia Jovem Concertante
 




Clássicos Editorial Ltda. © 2018 - Todos os direitos reservados.

Rua João Álvares Soares, 1404
CEP 04609-003 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3539-0045 – Fax (11) 3539-0046